terça-feira, 31 de agosto de 2010

Da matéria dos sonhos - inception (a origem)

Criai ânimo, senhor; nossos festejos terminaram. Como vos preveni, eram espíritos todos esses atores; dissiparam-se no ar, sim, no ar impalpável. E tal como o grosseiro substrato desta vista, as torres que se elevam para as nuvens, os palácios altivos, as igrejas majestosas, o próprio globo imenso, com tudo o que contém, hão de sumir-se, como se deu com essa visão tênue, sem deixarem vestígio.
Somos feitos da matéria dos sonhos; nossa vida pequenina é cercada pelo sono.
Shakespeare, "A Tempestade", Ato IV, cena I

Os fetos sonham dentro do útero. A partir do oitavo mês de gravidez, os sonhos podem ocupar 30% do tempo em que dorme, nos adultos, essa fase ocupa cerca de 25%. São sonhos sensoriais, baseados nos sons que os cercam, na temperatura, no quanto sacolejam em uma viagem de ônibus. Os recém-nascidos sonham com o útero, nós também. Sonhamos para digerir os dias, as horas e os momentos. Sonhamos com coisas supostamente esquecidas, com desejos inconfessáveis, com o desconhecido que somos.
A oniromancia prevê o futuro através da interpretação dos sonhos e goza de grande simpatia no mundo judaico-cristão: São José fora avisado em sonho de que sua esposa Maria iria conceber uma criança e que o menino seria de Deus, que devia relaxar. Em 1901 Freud lança “A interpretação dos sonhos”, uma publicação polêmica. Para o alemão, os sonhos seriam meramente uma fachada, por trás dela estariam seus reais significados: desejos irrefreáveis, perversões e vontades que jamais passariam por nossa censura moral sem nos deixar de aterrorizados e a seriamente perturbados.
Divã usado por Freud em suas sessões psicanalíticas, hoje no Museu de Freud, Londres.
Acordados, estamos sob o estado de vigília, o contrário disso é dormir e, de preferência, sonhar. O sono humano é composto por 5 estágios cíclicos que podem durar de 90 a 120 minutos e se repetir quatro ou cinco vezes durante o período em que estamos ali quietinhos em baixo das cobertas. O mais intenso desse estágio é o 5º, quando nele, nossos olhos se movimentam de forma frenética. Por conta disso é chamado REM (Rapid Eye Movement) e é nele que os sonhos se desenvolvem; é nele que correm soltas as imagens e sentidos de nosso inconsciente.
É engraçado que sejamos encontrados justamente lá, onde não há controle, onde o mais perturbador e mais delicioso dos pensamentos, a mais aterrorizante das memórias podem nos atacar. Um falo gigante caindo sobre nossas cabeças, uma volta ao útero, uma culpa suprimida. Saber é agir, reza forte a psicanálise, tomar consciência (literalmente) do significado de um pênis gigante aparecer fantasiado de havaiana em seus sonhos recorrentes, embora se configure uma experiência desagradável, é a melhor saída para eliminar uma neurose com praias.
Então, sem aviso, nos aparece Cristopher Nolan. Nolan é um homem corajoso, ou imprudente, dizem, o que dá no mesmo. A temática dos sonhos já foi tão explorada nos cinemas, por tão grandes gênios que tentar reerguer um assunto de tamanha sutileza, ainda mais num blockbuster, poderia ser fatal. Mas A OrigemInception, EUA, 2010) é um filme que vai ficar. Talvez não à princípio, à princípio ele é tão apenas um filme com tiros e explosões e um final que te faz levantar da poltrona com um bocadinho de raiva, mas então sua forma se revela e ele reverbera, vai ficar... martelando na sua cabeça. Ganha visões e comentários, vence novamente o fascínio dos sonhos, da realidade e do delírio. 
Inception consegue ser, simultaneamente, metarreferência (ao falar em si, sobre si) e analogia (à psicanálise). Je ne regret rien, é a canção que traz de volta os personagens para o mundo real, o da vigilância. Cobb (personagem de DiCaprio) assim o faz, completa se trabalho psicanalítico, chegando no mais profundo de seu estágio inconsciente/onírico para descobrir que não, de forma alguma, não deve se arrepender de nada. Deve agir, voltar e não ouvir o desejo oculto de Mal, sua mulher morta. Mal (Marion Cotillard) é o próprio mal mesmo (a escolha do nome revela a metarreferência), o desejo de morte e de negação de si, de suas memórias. Já Fischer (Cillian Murphy), contraponto de Cobb, fachada de Cobb, representação de Cobb, corajosamente vai ao fundo de si e resgata uma cara lembrança dos tempos de criança, reconcilia-se com o pai renegando o que de triste ele era. Resgata a infância e a si mesmo, a vida, retoma a posse de suas escolhas.
Está tudo lá nos nossos sonhos. A matéria de que somos feitos, nós mesmos girando incessantemente, buscando emergir sobre a consciência, sobre a cultura, a educação, os medos, tentando implantar um tirânico império dos desejos. Foi com essa ideia implantada nas nossas mentes que atravessamos esta semana em um olhar mais demorado sobre A Origem, uma narrativa fantástica que se dobrou sobre si como aquela cidade curvou suas ruas, colocou para o alto os prédios e fez os carros transitarem sobre o céu. Caminhamos nela. Cinema para fazer sonhar acordado, nos propôs Nolan, uma viagem que dificilmente vamos esquecer.
A máquina de sonhos em Inception, no botão central, o acesso ao inconsciente.



Fonte: http://obviousmag.org/

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo