segunda-feira, 25 de outubro de 2010

Por trás das prateleiras da Biblioteca Nacional

Funcionário trabalha no setor que é considerado o CTI da Biblioteca Nacional: restauração de obra com gravura rara inclui recuperação da cor Foto: João Laet / Agência O Dia
 
Por Beatriz Salomão - Rio - Nos bastidores da Biblioteca Nacional, em salas excluídas do roteiro de visita pública, atua uma equipe de funcionários — enxuta, mas eficaz — que trabalha para garantir a segurança e cuidar da ‘saúde’ física das obras, além de oferecer serviços de pesquisa para quem não pode ir à instituição. São 630 funcionários que cuidam dos 9 milhões de peças que guardam a História do País. Nesta sexta-feira, a Biblioteca Nacional celebra 200 anos. Oito pesquisadores são lotados na Divisão de Informação Documental. Inversamente proporcional ao número de funcionários, é o volume de pesquisa que o grupo faz por mês: 600. O serviço é exclusivo para quem mora longe da capital e precisa encomendar a pesquisa por telefone, e-mail ou fax. Os pedidos vão desde a localização de documentos e artigos em jornais até temas inusitados, como a história dos perus de Natal. Já informações rápidas, como datas de nascimento e morte são passadas por telefone, sem que o usuário saia da linha. Segundo a chefe do departamento, Anna Maria Naldi, a encomenda pode ser entregue via e-mail (até 5 páginas), CD ou através do rolo microfilme (para livros inteiros). Para uma obra de 200 páginas, o serviço custa R$ 90, em média. “Muitas pessoas pedem artigos antigos que saíram em jornal para ajudar em processos judiciais”, cita. No Salão de Leituras, há 3 milhões de livros à disposição do público. Após identificar no sistema computadorizado a obra desejada, o usuário envia um papel ao setor chamado Armazém, onde as obras se distribuem por 6 andares de estantes. Para encontrar o título requisitado, oito funcionários se dividem e entregam o pedido em 15 minutos. Detalhe: não há sistema de GPS para ajudar na tarefa e os responsáveis percorrem estante por estante.

“O guia é a etiqueta do livro. Números indicam o local do livro no andar, na estante e na prateleira”, conta Ivone Ribeiro, funcionária há 14 anos.

No mesmo salão, deficientes visuais contam com um moderno escâner que faz a leitura da página independentemente da forma como ela é colocada. O material pode ser gravado em MP3.

Obras de domínio público são digitalizadas e incluídas no site da biblioteca (http://www.bndigital.bn.br/) e cerca de 30% do acervo já está em microfilme. A técnica ajuda a preservar o original. A Sala de Leitura funciona de 2ª a 6ª, das 9h às 20h e sábado até 14h30.

Tecnologia e cuidado folha a folha

Para garantir que o acervo esteja em bom estado, o Departamento de Preservação e Conservação se preocupa em manter as condições ideais para armazenamento dos livros e recupera os já degradados pelo tempo. Nos locais onde há peças, foram instalados aparelhos que medem temperatura e umidade. Há ainda sofisticado sistema de detecção de fumaça, além de extintores de incêndio pelo prédio. Todos os funcionários são treinados para apagar fogo. O setor, chefiado por Jayme Spinelli, inclui a área de restauração, considerada o CTI da Biblioteca.

O processo de ‘renascimento’ de um livro, folha a folha, leva em média 2 meses. “Temos máquina que recupera a parte física do papel e preenche falhas. Os escritos não podem ser recuperados. Infelizmente, há casos de desgaste do livro por mau uso do leitor”, conta.

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo