segunda-feira, 11 de outubro de 2010

Stanton Friedman confirma a existência de arquivos secretos em vários países

Watergate cósmico é possível. Físico nuclear diz que governos escondem a presença de UFOs
“Não querem admitir que tentaram derrubar UFOs e que somente nossos aviões têm sido derrubados”. Crédito: Arquivo UFO


Por Ana Elizabeth Diniz/O Tempo 

Aos 75 anos, o físico nuclear, escritor e ufólogo Stanton T. Friedman [Consultor da Revista UFO], que trabalhou por décadas desenvolvendo foguetes para algumas das maiores agências espaciais do planeta, mantém o otimismo em ver revelada toda a verdade sobre relatos e documentos secretos de avistamentos de objetos voadores não identificados.

Ele sustenta que os governos encobrem a existência de extraterrestres e que essa postura está com os dias contados. "Em breve, o mundo vai conhecer o 'Watergate' cósmico, virão à tona todos os tipos de dados sobre as visitas dos alienígenas", diz o físico, referindo-se a um notório escândalo político envolvendo vazamento de informações nos Estados Unidos e chamado de Caso Watergate.

A dedicação e pesquisas sobre os avistamentos em todo o mundo rendeu a Friedman, inclusive, artigo publicado na revista Live Science. Para ele, "não há dúvida de que muitos governos têm ocultado dados e conhecimento sobre discos voadores envolvendo, especialmente, sofisticados instrumentos, radares, satélites espiões, aeronaves militares etc".

Além disso, "documentos ocultados pela Agência Central de Inteligência (CIA) e muitos outros apagados da Agência de Segurança Nacional (NSA) provam isso. Há poucos registros oficiais, mas temos a declaração do general da Força Aérea, Carroll Bolender, de que os relatórios que podem afetar a segurança nacional não são parte do projeto Livro Azul, investigação de um grupo oficial do governo dos Estados Unidos de 1952 a 1969, que aconteceu na base da Força Aérea Wright Patterson, perto de Dayton, Ohio", diz ele.

Avistamentos

A Força Aérea Norte-Americana (USAF)tentou convencer o mundo que esse projeto foi um esforço de investigação somente sobre UFOs. "Eles mentiram sobre isso, pois investigaram mais de 12 mil avistamentos. A maioria desse trabalho foi de péssima qualidade e com o propósito de desacreditar todos os casos", critica Friedman. Segundo ele, são muitos os relatos de documentos surrupiados na calada da noite. O físico relembra um caso clássico da literatura ufológica. "As mensagens enviadas e recebidas na época do incidente Roswell foram destruídas, segundo o próprio governo, e a Marinha se recusa a divulgar qualquer relatório sobre avistamento de UFOs", relembra.

Explica que os pilotos militares têm um procedimento conhecido como Cirvis, que deve ser utilizado para relatar avistamento de navios, submarinos, aviões ou, mais importante, objetos voadores não identificados. "O Cirvis define qual informação e quem poderá enviar mensagens de rádio pelos canais de comunicação de alta prioridade. Esses relatórios não vão para o projeto Livro Azul".

Mas afinal, o físico acredita em aliens? "Acredito que a Terra está sendo visitada por sondas inteligentes que vêm de fora (aliens), baseado em fortes evidências dos cinco maiores estudos científicos. Em meu livro Flying Saucers and Science [Discos Voadores e Ciência, Career Press e New Page Books, 2008], eu discuto mais de 3.000 casos de rastreamentos em mais de 80 países".

Stanton brinca, dizendo que é um físico e não um psicólogo ao ser perguntado sobre se acredita que a verdade será mesmo revelada à humanidade. "Os governos se preocupam em como o mundo irá reagir quando a grande história for revelada, mas, ao mesmo tempo, não querem admitir que tentaram derrubar UFOs e que somente nossos aviões têm sido derrubados, quando tentam atacá-los", explica o pesquisador.

Militares validam teoria

A. J. Gevaerd é o editor da Revista UFO, há 27 anos no mercado e a mais antiga do mundo sobre a temática ufológica. Ele é também amigo do físico nuclear norte-americano, Stanton Friedman, com quem já esteve em vários lugares do mundo pesquisando sobre o assunto. "Considero as declarações de Stanton muito corajosas. São poucos os cientistas no mundo a se expressar de maneira tão franca e, pela sua experiência, não fico admirado que ele tenha tido acesso a informações de certos governos nesse sentido", diz o jornalista.

Gevaerd vai além. Afirma que, desde 2007, o governo brasileiro já liberou perto de 5.000 páginas de documentos secretos de discos voadores gerados por comissões investigativas. Esse dossiê fala sobre os principais avistamentos nos céus brasileiros desde 1954, inclusive a Operação Prato, que teve participação ativa de militares brasileiros na Amazônia.

"Militares brasileiros pesquisam seriamente o assunto há décadas. Um desses documentos relata um dos mais espantosos incidentes ufológicos do mundo, ocorrido em 19 de maio de 1986 e chamado pelos ufólogos de A Noite Oficial dos UFOs no Brasil. Oficial porque sete caças a jato da Aeronáutica se envolveram numa incrível perseguição a 21 UFOs esféricos e de grande proporções. A perseguição durou horas e teve momentos de grande perigo para os pilotos brasileiros. Até mesmo o então ministro da aeronáutica, brigadeiro Octávio Moreira Lima, admitiu a gravidade dos acontecimentos em rede nacional de TV", relembra Gevaerd.

Sociedade na Terra não é amistosa

Stanton Friedman garante que os alienígenas estão visitando e sendo observados pelos terráqueos, radares avançados e satélites. "Suspeito que há muitos planetas habitados. Há cerca de 2.000 estrelas a menos de 55 anos-luz da Terra e nós estamos encontrando constantemente mais exoplanetas", avalia o físico, que diz não ter dúvidas de que estes extraterrestres que por aqui surgem são mais inteligentes e avançados que os terráqueos, cujo programa espacial tem pouco mais de 50 anos. "Eles são capazes de vir aqui, abduzir-nos e induzir amnésia", diz, em entrevista a O Tempo.

Bem humorado, Friedman diz que nunca falou com um, mas afirma que existem mais de 20 motivos para eles rondarem a Terra. "Suspeito que a razão principal é ter certeza de que não seremos hostis. Afinal, gastamos mais de US$ 1 trilhão este ano em defesa, enquanto 30 mil crianças morrem de doenças previsíveis e fome todos os dias. Dificilmente somos uma sociedade amigável". O físico finaliza dizendo que os cientistas e governos temem admitir que a ciência estava errada.

Friedman também foi entrevistado pela Revista UFO, em sua edição 162, clique aqui para ler na íntegra.

Cinco razões para se manter sigilo sobre UFOs

Baseando-se em mais de 600 entrevistas de campo, Friedman concluiu que aeronaves alienígenas estiveram por perto há décadas e que os governos tentaram manter uma capa inviolável sobre elas. Ele tem cinco razões para a cobertura massiva e sustentada que ele chama “o Watergate cósmico”:

1. Agentes do governo querem descobrir como aeronaves acidentadas funcionam;

2. Ninguém quer que nenhum governo rival saiba o que foi descoberto;

3. Se figuras públicas de credibilidade, como por exemplo a rainha da Inglaterra e o Papa, descobrissem os UFOs, a sociedade seria sacudida, e os terráqueos começariam a pensar em si próprios como tal, ao invés de cidadãos de nações individuais;

4. A perspectiva do fundamentalismo cristão de que alienígenas são “trabalho do diabo”. O fundador do 700 Club, Pat Robertson, e o falecido Reverendo Jerry Farwell disseram que “a Terra contém a única forma de vida inteligente no universo”.

5. Uma confirmação pública levaria ao caos econômico e, em última análise, sigilo é um modo de vida do governo.
 
Agradecimentos a:
Paulo R. Poian.
Consultor da Revista UFO Brasil

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo