segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Cinema na Alemanha de Hitler

“A arte é livre, mas deverá acostumar-se a cumprir certas normas”. Foi com estas palavras que Adolf Hitler se apropriou do meio cinematográfico alemão e o transformou na maior máquina de propaganda Nazi. Financiado e controlado pelo Estado, o cinema repartia-se entre as filmagens de noticiários e documentários.

Assim que chega ao poder em 1933, Adolf Hitler inicia uma ditadura militar, na qual o Ministério da Cultura Popular e Propaganda desempenha um papel fundamental. Criado em Março, sob a direção de Josef Goebbels, rapidamente se apoderou dos meios de comunicação, que tomou a seu cargo: rádio, imprensa, teatro e cinema.

Um ano depois, em 1934, cria-se um novo regulamento cinematográfico: é instaurada a censura prévia dos guiões e projetos de novos filmes. Para o devido cumprimento da legislação é também criado um departamento destinado a regular a importação e exportação das películas. Estas deviam não só reflectir os ideais nazis, como ser dirigidas por responsáveis pertencentes à raça ariana. Goebbels confiava no poder do cinema e acreditava que através dele ganharia e conservaria o coração do povo.

Fê-lo através do cinema informativo. Com ar cuidado e caráter jornalístico, em 1938, os noticiários já eram obrigatórios em todas as salas comerciais. Exibiam os atos do partido. Com o aproximar da Segunda Guerra Mundial, serviram também para preparar psicologicamente a nação para a guerra. Eram frequentes as noticias e reportagens sobre as operações militares alemãs.

Entre 1939 e 1940, realizaram-se inúmeros filmes com um novo objetivo: denegrir a imagem do inimigo, sendo que o principal alvo eram os judeus. Tanto O Eterno Judeu, de Hitler, como O judeu Suss, de Veit Harlan, passavam a imagem de que estes eram um alvo a abater. Com isto, claramente já estava em preparação a política de extermínio e a consequente ida para os campos de concentração.

Além disso, o regime, querendo manipular o maior número de pessoas, não esqueceu a audiência doméstica. Com as mulheres fora do mercado de trabalho e tempo disponível, foram produzidos filmes específicos para elas, assim como alguns de cariz educativo para os mais jovens. A politica de propaganda mantinha-se, sempre: um povo lutador, vencedor e superior.


Poucos anos antes, já dois importantes documentários tinham saído ao público. A temática central era transmitirem a criação de um líder, um salvador com o qual a população devia identificar-se e estabelecer uma relação quase divina. Foi Hitler quem representou esse papel. Na vida real e na tela. Triumph des Willens (O Triunfo da Vontade) é o documentário por excelência. Pensado e realizado por Leni Riefenstahl, retrata o congresso nazi de 1934. Nada foi filmado ao acaso. O cenário foi detalhadamente preparado: ao ar livre, a gigantesca e impressionante massa organizava-se em redor do Führer, enquanto este discursava.

Os discursos, esses, preparados de antemão e memorizados, eram também acompanhados por bandeiras, estandartes, canções e saudações nazis por um povo em delírio.

Para se distanciar dos noticiários, que apresentavam somente planos estáticos, Leni investiu no movimento. Foram colocadas câmaras em diversos locais, que permitiam não só um constante travelling pelo acontecimento, como a captura de diversos ângulos.

Há que dizer que desse mesmo movimento e ao visualizar-se a massa, curiosamente não se consegue distinguir nenhum rosto em particular. Ou seja, os planos são sempre coletivos, não deixando a descoberto a identidade de ninguém. O objetivo deste pormenor era precisamente demonstrar a (re)união e lealdade de um povo por um mesmo ideal, por um mesmo líder.

Se, por um lado, este documentário cumpria os propósitos de uma propaganda a nível nacional, já Olimpiada pretendia enviar uma mensagem além-fronteiras. Tendo como fundo os Jogos Olímpicos de Berlim de 1936, a intenção era passar a aparente cooperação e camaradagem entre os atletas. Uma cooperação desmentida pela tensão diplomática que então se vivia na Europa. Mais uma vez, Leni não descuidou os detalhes e ideias do partido. A força, a confiança dos alemães, a superioridade do corpo ariano, foram captadas em todas as provas. Esta seria a última competição antes da 2ª Guerra Mundial.

Pode ver no Youtube os filmes O Triunfo da Vontade e algumas sequências de Olimpíadas.

Fontes das Imagens: 1, 2, 3.


fonte: http://obviousmag.org/



2 Comentários:

Ivo disse...

O texto acima parece estar falando do nosso Presidente Lula.
Acredito que muito mais de um terço de todas as propagandas na TV brasileira sejam do governo,das estatais ou das empresas controladas pelos fundos de pensao.
Todas induzem a crer que o pais esta uma maravilha.
Fiquei especialmente abismado com uma empresa controlada por um fundo de pensao que vende silos para armazenar graos,fazer anuncio na TV,como se fosse um produto de consumo de massa.
Com essa montanha de dinheiro caindo nos cofres das emissoras,qual dela teria coragem de criticar o que o governo faz,sem ter medo de perder receita e de ser retaliada?

kharhan disse...

Verdade, não tinha ligado as coisas.
Valeu Ivo.

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo