quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Segunda Guerra Mundial - Ambiente e Origem - A Alemanha se rearma

A Alemanha se rearma 
imagem ilustrativa/arquivoGoogle
 A despeito da gravidade da situação, o governo britânico preferiu manter-se otimista. Recusou-se a admitir que a brecha fosse permanente ou que os métodos de conciliação fossem daí por diante igualmente ineficazes. "A Alemanha não é objeto de imposições" - disse Sir John Simon. "Ela é parte numa discussão... Saudamos as garantias de Herr Hitler de que o único desejo da Alemanha é a paz e de que ela não tem intenções agressivas". A Grã-Bretanha, portanto, assumiu o papel de mediadora, numa tentativa de afastar as dificuldades, particularmente as existentes entre a França e a Alemanha. "A questão política central" - como disse Sir John Simon - "é como conciliar a exigência alemã de igualdade com o desejo de segurança da França." Para esse fim a Grã-Bretanha encorajou ativamente negociações diretas entre os dois Estados, baseadas na aceitação de uma medida limitada e controlada de rearmamento a favor da Alemanha.

Nada resultou desses esforços. A França estava determinada a encarar o rearmamento alemão como um perigo. A Alemanha por sua vez acompanhava suas ofertas com condições que pareciam anular limitações efetivas. Em tais circunstâncias, a França ficou mais determinada que nunca a tornar sua segurança absolutamente certa antes que se visse diante de uma Alemanha rearmada e agressiva; e em 1934 o primeiro ministro francês, Barthou, efetuou ativos esforços com essa finalidade.

O resultado foi o projeto de um Locarno oriental. A crescente preocupação da Rússia com o crescimento da Alemanha Nazista fê-la cada vez mais desejosa de tomar parte nos esforços em favor do estabelecimento de segurança coletiva. A profissão de fé hitleriana de pacíficas intenções deu uma oportunidade para a apresentação do novo projeto como uma prova de sua sinceridade. A França pode ter se mostrado céptica sobre o resultado, mas a Grã-Bretanha estava ansiosa por não deixar de tentar todos os esforços. Enquanto ela própria não estava disposta a aceitar novas incumbências, deu sua benévola aprovação à idéia de um pacto de mútuas garantias entre a Alemanha e suas vizinhas orientais, inclusive a Rússia, e a um complementar tratado de garantias entre a Rússia e a França, tratado a que a Alemanha teria uma oportunidade de se associar e o qual seria um elo com Locarno e o Covenant. Mas toda a esperança numa realização compreensiva desses planos desfez-se a 10 de setembro de 1934, quando uma nota alemã estabeleceu tantas condições para a discussão da proposta, que elas praticamente tiveram o significado de uma rejeição imediata.

Entrementes, multiplicaram-se os sinais da intenção alemã de levar a sua política agressiva ao limite máximo que permitisse o seu estado de relativa fraqueza. O fato de que, a despeito das limitações impostas pelos tratados, ela já começara a rearmar-se, foi revelado pelo orçamento alemão de março de 1934. Ao mesmo tempo, um discurso de Hitler acentuando os tópicos provocadores da mudança de fronteiras e da unidade racial fez crescer o alarme tanto na França como nos pequenos Estados fronteiriços à Alemanha. Não tardou muito que fatos concretos viessem aumentar essa sensação de perigo. A campanha alemã no Sarre, onde se realizou um plebiscito em janeiro de 1935, foi caracterizada pelas táticas nazistas de fanfarronice e ameaça; e, embora a votação que devolveu aquela área à Alemanha tivesse significado a solução pacífica do que poderia ter sido um problema perigoso, ela não foi, talvez, senão um infeliz encorajamento dos métodos e aspirações nazistas. A pressão nazista sobre Dantzig tornou-se fator seriamente inquietante. A agitação nazista em torno do Memel avolumou-se quase até o perigo de um ataque à Lituânia. Mais sérias que todas, as provocações nazistas na Áustria conduziram em julho de 1934 ao assassínio do chanceler Dollfuss e à perspectiva de uma invasão alemã. Não constituiu surpresa o fato de que durante esse ano os pequenos Estados começaram a esquecer suas diferenças e a reunir-se com o fim de proteger-se mutuamente. A formação de um pacto balcânico em fevereiro e de um pacto báltico em setembro e - mais notável ainda - a corrida tardia dessas pequenas nações para o reconhecimento da União Soviética, mostraram como sentiram o vento que estava soprando.

O governo britânico, contudo, continuava a esperar o melhor, e o retorno do Sarre à Alemanha parecia apresentar uma oportunidade para novos esforços. Hitler, ao tempo de sua retirada da Liga, tinha asseverado que o Sarre representava a única exigência territorial alemã à França. "Quando o território do Sarre tiver sido restituído à Alemanha, somente um louco poderá considerar a possibilidade de uma guerra entre os dois Estados." Sendo Hitler sincero, não parecia haver razões para que um acordo não fosse conseguido.

De conformidade com isto, e como resultado de uma reunião em Londres, a França e a Grã-Bretanha apresentaram uma série de propostas a 3 de fevereiro de 1935. Elas propuseram "uma geral convenção livremente negociada entre a Alemanha e as outras potências", a qual envolvia a remoção das restrições em torno do rearmamento alemão, em troca da volta da Alemanha à Liga das Nações e o abandono de sua parte de todas as intenções agressivas por meio da participação numa série de tratados de não-agressão e de assistência mútua.

A formal resposta alemã foi, como de costume, plausível e especiosa. Expressando um desejo sincero de "promover a salvaguarda da paz", ela se mostrou a favor de pactos bilaterais, como preferíveis a um tratado geral. Mas a verdadeira resposta alemã foi dada na forma de uma ação que mostrou a diferença entre as palavras e as ações. A 10 de março, o general Goering anunciou que a Alemanha já tinha, em violação ao tratado, criado uma força aérea militar. E a 16 de março, enquanto Sir John Simon esperava ir dentro de poucos dias a Berlim para discutir as recentes propostas, um decreto alemão anunciou a restauração do alistamento obrigatório e a criação de um exército de cerca de 550.000 homens.
 
 

fonte: http://www.2guerra.com.br

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo