quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Segunda Guerra Mundial - Ambiente e Origem - A vinda da guerra

A vinda da guerra 
 
Se esperava que a Grã-Bretanha e a França recuassem, Hitler errou por completo. O primeiro resultado foi a reafirmação das garantias à Polônia e sua incorporação dessas num tratado definitivo. A França convocou novas reservas. A Grã-Bretanha tornou clara a sua posição numa nota dirigida à Alemanha a 22 de agosto:

Tem sido alegado que se o governo de Sua Majestade tivesse tornado a sua posição mais clara em 1914, uma grande catástrofe teria sido evitada. Haja ou não verdade nesta alegação, o governo de Sua Majestade está resolvido a que nesta ocasião não surja tão trágico erro de interpretação. Se vier o caso, ele está decidido e preparado para empregar, sem delongas, todas as forças sob o seu comando, e é impossível prever-se o fim das hostilidades uma vez iniciadas.

Esta advertência foi acompanhada, contudo, da solicitação de uma trégua e de diretas negociações entre a Polônia e a Alemanha, com uma oferta de cooperação britânica para a consecução de um acordo. O pedido foi vasado numa mensagem pessoal de Chamberlain a Hitler e a qual foi levada de avião a Berlim por Sir Neville Henderson. Obteve uma recepção tempestuosa, mas a resposta que recebeu foi intransigente. Dantzig e o Corredor eram interesses a que a Alemanha não podia renunciar. As ações britânicas haviam encorajado a agressão polonesa. A intenção britânica de mobilizar foi "um premeditado ato de ameaça ao Reich". A sugestão de trégua foi completamente ignorada.

Outros líderes juntaram agora seus esforços para a causa da paz. O rei Leopoldo da Bélgica, agindo em nome dos neutros ocidentais, irradiou um apelo no dia 23. No dia seguinte, pelo rádio, o Papa fez a seguinte advertência: "Nada se perde com a paz - tudo se pode perder com a guerra." A 24, enquanto onze milhões de homens estavam mobilizados na Europa e a marinha de guerra britânica rumara para suas bases, o presidente Roosevelt expediu três mensagens. Concitou o rei da Itália a procurar impedir a guerra. Instou ele junto ao presidente Moscicki da Polônia para que adotasse métodos de solução pacífica. Enviou um apelo semelhante a Hitler. No dia seguinte, quando chegou a aceitação polonesa, tornou a apelar para Hitler - pela quinta vez no decorrer de um ano. Nenhuma das mensagens obteve resposta. Uma carta pessoal de Daladier a Hitler, na qualidade de velho soldado de linha de frente para outro, foi respondida de um modo que nada prometia.

A diplomacia britânica prosseguiu em seus esforços. No dia 25 de agosto, Sir Neville Henderson levou a Londres uma mensagem em que Hitler prometia, para quando tivesse sido satisfeito na questão das colônias e resolvido a da Polônia, dar garantias ao Império Britânico e aceitar uma razoável limitação dos armamentos. A Grã-Bretanha respondeu a 28, dizendo que estava disposta a discutir esses tópicos, mas que antes era preciso resolver honrosamente a questão polonesa, e que oferta nenhuma de vantagens especiais poderia persuadir a Grã-Bretanha de retirar as garantias dadas. Os poloneses, Hitler foi informado, estavam prontos a discutir as coisas; entrementes, a Grã-Bretanha fá-los-ia evitar qualquer ação que pudesse conduzir a um choque.

Os blackouts eram agora generalizados nas grandes cidades européias. Civis e crianças estavam sendo evacuados de Londres e Paris. A Alemanha estava esperando que a Rússia ratificasse o pacto de não-agressão. No dia 29, uma nova nota alemã foi entregue ao embaixador inglês. O estado de coisas criado pelas bárbaras ações polonesas era "insuportável para uma grande potência. Forçou agora a Alemanha, depois de ter sido por muitos meses um passivo espectador, a, por sua vez, dar os passos necessários para a salvaguarda dos justos interesses alemães." (O espectador passivo estava então completamente mobilizado. Mas quando, no dia seguinte, a Polônia ordenou a mobilização parcial, as estações de radio alemães denunciaram-na como sendo "uma grave e completamente injustificada provocação"). O governo alemão contudo concordou em "aceitar a oferta do governo britânico de empregar seus bons ofícios no sentido de que fosse mandado a Berlim um emissário polonês com plenos poderes." Esperavam-no para o dia seguinte.

O governo britânico agarrou-se a esta última palha. No decorrer do dia 30, enviou cinco telegramas a Berlim referindo-se à pressão sobre a Polônia para que evitasse todos os incidentes fronteiriços e pleiteando mais tempo. Num telegrama e em outra nota mandados naquela mesma noite insistiu em que a Alemanha deveria seguir o curso ordinário de conversações por intermédio do embaixador polonês e renovou a proposta de uma trégua durante as negociações.

Quando esta nota foi apresentada, à meia-noite de 30 de agosto, Herr von Ribbentrop respondeu com a apresentação de um longo documento, que ele leu rapidamente em alemão. Era a proposta de 16 pontos para um acordo baseado no retorno de Dantzig à Alemanha, a retenção de Gdynia pela Polônia e um plebiscito no Corredor com certos direitos reservados para ambos os lados, fosse qual fosse o resultado. Mas quando Sir Neville Henderson perguntou-lhe sobre o texto dessas propostas, Ribbentrop respondeu que agora era muito tarde, já que os poloneses não mandaram enviado algum a Berlim. A alegada oferta não foi, assim, jamais apresentada à Polônia. A insistência do governo britânico, o embaixador polonês, depois de repetidos esforços, conseguiu afinal avistar-se com Ribbentrop na noite seguinte, 31 de agosto. Mas o pacto russo estava agora ratificado e o caminho da Alemanha estava desimpedido. Quando o embaixador polonês tentou entrar em contacto com Varsóvia, verificou que a comunicação tinha sido cortada pelo governo alemão. Na madrugada do dia seguinte começou a invasão alemã da Polônia. "Nenhum outro meio me foi deixado" - anunciou Hitler "a não ser enfrentar a força com a força."

A Grã-Bretanha e a França viram-se assim forçadas a correr em auxílio da Polônia. Numa última e desesperada esperança, contudo, elas esperaram dois dias mais. Mussolini, que já tinha decidido sua neutralidade a despeito do tratado com a Alemanha, sugeriu uma conferência. A Grã-Bretanha e a França aceitaram-na, sob a condição da Alemanha retirar suas tropas da Polônia. Ao mesmo tempo, a Grã-Bretanha e a França enviaram uma exigência direta à Alemanha de retirada ou guerra. Esperaram em vão por uma resposta até o domingo, dia 3 de setembro, e depois então assentaram um definitivo limite de tempo. O limite de tempo britânico expirava às 11 horas da manhã; o francês, às 5 da tarde. Quando estas horas se escoaram, as nações estavam em guerra.
 
 

fonte: http://www.2guerra.com.br

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo