terça-feira, 4 de janeiro de 2011

Câmera acoplada em balão meteorológico registra imagens da estratosfera

Experiência contou com participação do consultor da UFO Ricardo Varela
O experimento alcançou a estratosfera. Crédito: INPE/Rede Globo


Por Fantástico/Rede Globo 


O programa Fantástico da Rede Globo do último domingo (02) soltou um balão meteorológico com uma câmera amarrada, na Esplanada dos Ministérios, em Brasília. A câmera subiu a 300 metros por minuto e atingiu 1.500 m do solo. A partir desse ponto, a respiração humana fica mais difícil. Depois chega a 9.000 m, altura que passam os aviões.

Posteriormente, atingiu a altura de 12.000 m, sob temperatura de -60ºC. Finalmente, chegou à camada da atmosfera conhecida como estratosfera, a 25.000 m. Nas imagens, é possível distingüir uma camada azul, a de ozônio, que protege a Terra dos raios ultravioleta do Sol.

Para colocar o plano em prática, convidaram o engenheiro Ricardo Varella, do Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE) [Consultor da Revista UFO e membro da Comissão Brasileira de Ufólogos (CBU)] que trabalhou junto com profissionais de engenharia da TV Globo.

O primeiro passo foi conseguir o equipamento. O balão meteorológico foi comprado nos Estados Unidos, feito de látex, um material semelhante à borracha e consegue suportar até um quilo de carga. Para levar a câmera, foi montada uma caixa de isopor capaz de suportar temperaturas muito baixas.

A filmadora utilizada, de alta resolução, com bateria capaz de suportar duas horas e meia de gravação. O pára-quedas era o segredo para evitar que, na volta, o equipamento caísse em alta velocidade e se quebrasse no solo. Também era preciso um sistema para achar a caixa depois da queda. O balão foi enchido com três metros cúbicos de gás hélio, o mesmo usado em balões de festas.

Às 07h30, chegou a hora de soltá-lo. "Foi perfeito. Ele vai demorar cerca de uma hora e meia para chegar no ponto em que ele explode e começa a descer com o nosso experimento", apostou Varella.

Aos 25.000 m de altura, com a pressão atmosférica reduzida, o gás hélio se expande, então o látex não suporta e estoura. Na descida, o pára-quedas reduz a velocidade e o equipamento cai a 50 metros por minuto. Uma hora e meia depois de ser lançado, ele chega ao solo. É hora de sair à caça do balão. O GPS indicava que caiu a 40 km de Brasília.

E a boa notícia chegou: "a câmera ainda está gravando". O resultado surpreendeu a equipe. "Dá vontade de fazer de novo. Se tiver imagens, nunca vamos cansar de ver. É legal mesmo", comentou o engenheiro Bruno Gollo.
 
Agradecimentos a:
Paulo R. Poian.
Consultor da Revista UFO Brasil

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo