sábado, 28 de agosto de 2010

'Ainda tenho caneta para fazer miséria neste País', diz Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse na noite desta sexta-feira, 27, que “ainda tem caneta para fazer miséria neste País”, ao lembrar que tem quatro meses e alguns dias de governo. Ele fez a afirmação depois de ouvir discursos em tom de despedida feitos durante comício realizado no Marco Zero, centro histórico do Recife, junto com a candidata Dilma Rousseff. "Alguns companheiros estão falando tanto, mas matariam para ser presidente por um dia”, afirmou. Previsto para reunir 10 mil pessoas, o ato teve a participação de duas mil pessoas, de acordo com a Polícia Militar. A maioria, militância paga.     

Lula, que não retorna  a Pernambuco até à eleição, pregou o voto fechado da coligação liderada pelo atual  governador e candidato à reeleição, Eduardo Campos (PSB).  Também atacou duramente os candidatos da coligação oposicionista no Estado. Sem citar nomes, fez gozação com o senador Marco Maciel, que tenta a reeleição, dizendo que “parece que ele já foi senador no tempo do imperador” e perguntou ao público: “O que ele trouxe para Pernambuco?”.

No seu discurso, Dilma, com voz rouca e aparentando cansaço,  disse que “no dia 31 de dezembro todos nós vamos ficar de coração apertado”. “Vamos ver o maior presidente que este País teve, descendo a rampa do Planalto”, afirmou ela, ao emendar: “Só tem um jeito desse coração não ficar tão pequenininho, é saber que serei presidenta da República para dar continuidade ao governo do presidente Lula, do jeito que conhecemos, e continuar avançando, de cabeça erguida”.

Ela destacou que “apesar das calúnias e mentiras que muitas vezes aparecem, vamos seguir em frente fazendo proposta clara de desenvolvimento do Brasil e de Pernambuco”, e atendeu, no discurso, ao pedido feito pouco antes por Eduardo Campos: “Nos trate como o presidente Lula nos tratou”.

“Vamos assegurar que Pernambuco seja este Estado que mais cresce”, disse ela, ao garantir que o legado do presidente, “que trabalha para as pessoas e não para as coisas” e “faz política com sentimento”, visando a promover o crescimento do País para 190 milhões de brasileiros.

“Hoje é um dia especial, um dia em que a gente agradece ao presidente”, disse, num mote repetido pelos outros oradores da noite – os candidatos da chapa majoritária pernambucana, que foram alvo de elogios. “Sem parceiros e sem equipe não conseguimos fazer nada”, disse ela, ao pedir voto dos deputados estaduais e federais e dos candidatos ao Senado – Humberto Costa (PT) e Armando Monteiro Neto (PTB).

Ao falar na saudade e na gratidão ao presidente, Eduardo Campos se disse ansioso para que chegue o dia três “porque o povo vai falar alto no Brasil, no Norte, Nordeste, no Sul, Sudeste, o povo brasileiro é um só, está animado e quer que Lula fique, com Dilma comandando”.

Pediu para se manterem atentos e não aceitar provocação. “A oposição não está entendendo o que está acontecendo porque não entende de povo, não conhece o Brasil na real como o senhor conhece”, disse ele, que conclamou todos para lutarem para fazer “da vitória de Dilma em Pernambuco a maior do Brasil”.


Ânimos acirrados

O esquema de segurança e o atraso para o início do ato colaboraram para que os militantes deixassem o local, comentaram alguns petistas, ao explicar a plateia aquém do previsto. Depois de a segurança da Presidência da República retirar e isolar os cabos eleitorais do Marco Zero  os ânimos ficaram acirrados. Em um primeiro momento, apenas convidados vips e a imprensa puderam entrar no local. A organização esperava, mas o que se via no início da chegada dos militantes era empurra-empurra na hora de passar pelos detectores de metais. Algumas mulheres caíram no chão e desmaiaram.

Alguns dos presentes se divertiam com a situação, outros, não. "Hoje é dia do show do homem (Lula)", bradou um cabo eleitoral, resignado. Pouco depois, entretanto, alguns militantes começaram a bater os cabos das bandeiras com raiva contra as grades de metal.

À espera da chegada de Lula e da presidenciável Dilma Rousseff para comício nesta sexta-feira com o governador de Pernambuco e candidato à reeleição, Eduardo Campos (PSB), cabos eleitorais, em sua maioria remunerados, gravam imagens para a campanha governista na capital pernambucana.

A maioria dos militância presente era paga. De acordo com um dos 60 cabos eleitorais de Eduardo Campos, o candidato à reeleição prometeu pagar paga R$ 20 – mais R$ 5 para o almoço – para que elas tremulassem bandeiras no local do comício.

Entre os militantes que se encontravam na praça, uma mulher tremulava a bandeira do ex-ministro da Saúde Humberto Costa (PT-PE) - atualmente candidato ao Senado pelo PT. Ela afirmou que lhe foi prometido um salário mínimo por mês até o fim das eleições, fora refeição e eventuais passagens.

Fonte: Estadão.com.br
 

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo