quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Ingestão de vitamina A é deficiente no Brasil

Dificuldade de enxergar em ambientes escuros, acne, facilidade para gripar, síndrome pré-menstrual e atraso no crescimento podem sinalizar falta de vitamina A. Segundo o Ministério da Saúde a deficiência atinge 12,3% das mulheres com idade de 15 a 49 anos. Entre crianças com mais de 5 anos é de 17,4% e chega a 21,6% na região Sudeste. 

A falta de informação é o principal problema no País. Um simples exame de sangue indica a insuficiência. De acordo com o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, a alimentação correta inibe a evolução da maioria dos distúrbios decorrentes do déficit de vitamina A e reduz o consumo de medicamentos. “Quem não controla a alimentação acaba tendo de usar mais antibióticos e antiinflamatórios, além de ficar exposto ao agravamento das doenças”, comenta.
O especialista explica que isso acontece porque a principal função da vitamina A é proteger nossa imunidade e a integridade das mucosas. Quando o assunto é a saúde dos olhos, ele diz que a deficiência predispõe à conjuntivite, ressecamento da córnea e conjuntiva. O resultado é a formação de cicatrizes que comprometem a visão.
Na retina, ressalta, ocorre o prejuízo da síntese da rodopsina, um pigmento que responde pela capacidade de adaptação à baixa luminosidade. É isso que origina a dificuldade de enxergar em ambientes escuros ou cegueira noturna. O distúrbio pode levar à perda definitiva da visão. O único tratamento é a reposição da vitamina com suplementação e dieta adequada.
Excesso pode ser tóxico
Buscar suplementação por conta própria pode ser arriscado, principalmente por tempo prolongado. Isso porque, a vitamina A fica armazenada no fígado e é mais difícil de ser eliminada. Os principais sintomas de toxidade são:
- Perda de cabelo e peso.
- Ressecamento da pele e mucosas.
- Anemia.
- Irritabilidade, fadiga e insônia.
Queiroz Neto diz que a quantidade a ser ingerida depende das condições de saúde, sexo, idade e peso. Em mulheres grávidas, exemplifica, a expansão do plasma reduz a concentração de vitamina A. Por outro lado, estudos mostram que altas doses durante a gestação podem causar defeitos congênitos no feto. Conclusão: O mais indicado para a maioria das gestantes é a reposição dietética. A regra pode mudar entre mulheres que antes da gravidez passaram por cirurgia bariatrica para perder peso. Isso porque, o procedimento diminui a absorção de vários nutrientes, inclusive da vitamina A.
Como melhorar a absorção
Estudos mostram que a biodisponibilidade da vitamina A pré-formada dos alimentos de origem animal varia entre 70% e 90%, contra 20% a 50% das provitaminas A encontradas nos vegetais.
As principais fontes de origem animal são: fígado, manteiga, queijo, leite integral, gema de ovo e peixe.
As de provitaminas A incluem as raízes e frutas de cor amarela ou laranja e as folhas verdes.
Segundo Queiroz Neto a má absorção da vitamina A pode ainda estar relacionada a problemas gastrintestinais, dietas que restringem o consumo de proteínas ou gorduras e à dificuldade de assimilação de gorduras decorrente de doença celíaca ou hepatite. Algumas combinações podem potencializar ou reduzir a absorção.
Combinação potencializadora:
· Com fontes de vitamina E (óleos vegetais, grãos integrais, nozes).
· Com fontes de vitamina D: banhos de sol, óleo de fígado de peixe e cereais fortificados.
Combinação redutora:
· Com frutas cítricas: laranja, limão, abacaxi.
Eutrópia Turazzi – LDC Comunicação 
Fonte: Pravda.ru

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo