quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Associações do setor elétrico divulgam Carta Energia para o Futuro


Doze  associações de classe, que representam a área de energia, entregam amanhã (29) ao ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, e aos candidatos à Presidência da República Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) a Carta Energia para o Futuro. 

O documento será entregue durante o 7º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico (Enase 2010), que será realizado amanhã e depois (30) no Rio. O Enase é considerado o principal evento da área de energia do Brasil, incluindo os segmentos de geração, transmissão, distribuição e comercialização. 

A carta traz os anseios do setor elétrico para o futuro da política energética no país, disse o secretário-geral do Enase, Rodrigo Ferreira. Ele explicou que o documento não trata de particularidades de um determinado segmento.

“É um documento que aborda preocupações comuns a todos, como a sustentabilidade, a progressão de crescimento do mercado. O objetivo da carta é deixar claro para a sociedade, para todos os partidos e pessoas envolvidas com o processo eleitoral, quais são as demandas do setor para o futuro da política energética”, afirmou Ferreira.

Na carta, as associações dão prioridade a temas como a transparência e estabilidade regulatória para o mercado, a participação e integração entre os agentes setoriais, o equilíbrio e hegemonia entre empresas públicas, estatais, privadas, estrangeiras e nacionais e a eficiência e competitividade.

“Ou seja, precisamos ter no Brasil uma energia eficiente para que a indústria possa competir no mercado mundial. Precisamos ter uma energia que ofereça crescimento e sustentabilidade. Não podemos ignorar questões ambientais, a preocupação do mundo com o meio ambiente. Essa precisa ser também uma preocupação do Brasil”.

Para o secretário-geral do Enase, a energia precisa respeitar o meio ambiente e ser renovável, porque “essa é a vocação do Brasil”, a partir de recursos naturais como o sol, os ventos, rios, a biomassa. Essa energia precisa também ter segurança, acrescentou. Para isso, ele ressaltou a necessidade de outras fontes de  geração que possam proteger o país de situações de escassez de água. “Estou falando de geração térmica, que também é fundamental para oferecer estabilidade ao mercado”.

Segundo Rodrigo, não se pode falar em sustentabilidade olhando apenas para uma parte da sociedade. “É preciso olhar também para a questão da segurança do sistema. E não vai ser sustentável enxergando apenas um lado da moeda, que é o lado exclusivamente de fontes renováveis, por exemplo”.

Ele advertiu que as fontes renováveis deverão ser a base do crescimento, mas que outras possibilidades não podem ser desconsideradas para assegurar ao país um crescimento sustentável, sem sobressaltos ou obstáculos, como os enfrentados atualmente com o período de seca - reservatórios em baixa, preços em alta e falta de chuvas. “Precisamos ter uma blindagem contra isso. É sustentabilidade para o setor elétrico também”.

Agência Brasil

jornalvarginhahoje

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo