sábado, 18 de setembro de 2010

Demissão de Erenice vira derrota política de Lula e Dilma

Nesta quinta-feira (16), aconteceu o que o presidente Lula buscou evitar desde o último sábado (11). Lula foi o principal artífice da operação de defesa da ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, resistiu por cinco dias, exposto ao desgaste juntamente com a sangria da substituta de Dilma, e capitulou ao sexto dia, diante da gravidade das novas denúncias. 

O presidente estava convencido de que o afastamento de Erenice criaria uma marola altamente contraproducente para a campanha petista, de tamanho e impacto imprevisíveis. Apesar de opiniões divergentes no PT e na comitê de Dilma, Lula montou uma operação de reação às denúncias que incluiu um número crescente de explicações oficiais, notas, comunicados, e que apenas serviram para demonstrar que as denúncias haviam posto todo o governo na defensiva.  

Obedecer à determinação presidencial custou ao ministro da Justiça, Luís Paulo Barreto, um inesquecível momento de constrangimento, ao ter de anunciar a abertura de inquérito para apurar tráfico de influência, sem que o agente público detentor da dita influência fosse alvo da apuração.

A situação começou a fugir ao controle de Lula quando a própria Erenice divulgou a desastrosa nota em que mencionou o candidato tucano, José Serra, que chamou de "aético e derrotado". Com o gesto, a então ministra derramou seus problemas no meio da sala da campanha de Dilma Rousseff e firmou o vínculo que o presidente tanto lutou para abortar. Lula teria ficado furioso com a iniciativa.

A derrota política do presidente no episódio arrastou Dilma, que teve de admitir a conveniência da demissão de seu braço direito dos tempos da Casa Civil, para o bem das investigações - justificativa que vai na contramão de toda argumentação do governo, para quem até então Erenice nem devia ser investigada.

A três meses de descer a rampa coberto de popularidade e repassando a faixa à sucessora por ele escolhida, Lula terá pelo menos quinze dias da incômoda turbulência política que ele tanto quis evitar. No entanto, se Dilma mantiver razoável vantagem sobre o adversário tucano, que seja suficiente ainda para levá-la à vitória no primeiro turno, a tendência é que o escândalo vá perdendo o foco. O adesismo se encarregará de enterrá-lo, não sem o justo esperneio da oposição.

Fonte: R7

jornalvarginhahoje

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo