sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Mortalidade materna diminuiu um terço em todo o mundo

Estimativas da ONU revelam que poucas mulheres morrem devido a doenças relacionadas com a gravidez, mas 1000 continuam a morrer por dia e muito ainda deve ser feito para se atingir as metas. 

Luanda, 16 de Setembro de 2010 - O número de mortes de mulheres durante a gravidez e o parto diminuiu 34% de uma estimativa de 546 000 em 1990 para 358 000 em 2008, de acordo com um novo relatório, "Tendências na mortalidade materna", lançado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF), a Organização das Nações Unidas para a População (FNUAP) e o Banco Mundial.

O referido relatório revela que em Angola, entre 1999 a 2008, a mortalidade materna baixou de 1000 mortes em cada 100,000 nascimentos vivos para 610 e a mortalidade de crianças menores de cinco anos reduziu de 250 mortes em cada 1000 crianças para 161.

Os progressos são notáveis, mas o nível anual de redução é menos do que a metade necessária para atingir os Objectivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM) ligado a redução dos níveis de mortalidade materna em cerca de 75% entre 1990 a 2015. Isto vai requerer uma redução anual de 5.5%. Os 34% de redução desde 1990 traduz-se numa média anual de redução de 2.3%. "A redução global da mortalidade materna é uma notícia encorajadora," disse a Dra Margaret Chan, Directora-Geral da OMS.

"Países onde as mulheres enfrentam alto risco de mortalidade durante a gravidez ou o parto estão a providenciar as medidas efectivas; nestes países estão a capacitar mais parteiras, e a fortalecer os hospitais e centros de saúde para assistirem as mulheres grávidas. Nenhuma mulher devia morrer devido ao acesso inadequado de planeamento familiar, gravidez e acesso aos cuidados especializados durante o parto."

Mulheres grávidas continuam a morrer devido a quatro causas fundamentais: sangramento severo depois do parto, infecção, desordem hipertensiva, e abortos inseguros. Todos os dias em 2008, cerca de 1000 mulheres morreram devido a estas complicações. Das 1000, 570 viviam na África subsariana, 300 no Sul da Ásia e cinco nos países mais desenvolvidos. O risco de uma mulher morrer por doença relacionada com a gravidez durante o seu tempo de vida num pais em desenvolvimento é cerca de 36 vezes mais alto, comparando com uma mulher a viver num país desenvolvido.

"Para atingir a nossa meta global de desenvolver a saúde materna e salvar a vida das mulheres, precisamos agir mais para abranger aquelas que estão mais em risco, " disse Anthony Lake, Director Executivo do UNICEF. "Isto significa atingir as mulheres nas áreas rurais e famílias pobres, mulheres de etnias minoritárias e de grupos indígenas, e mulheres vivendo com HIV e nas zonas em conflitos." 

As estimativas demonstram que é possível prevenir mais mortes de mulheres.

Os países necessitam investir nos seus sistemas de saúde e na qualidade dos cuidados de saúde. "Qualquer parto devia ser seguro e qualquer gravidez desejada,” disse Thoraya Ahmed Obaid, Directora Executiva do FNUAP. “A falta de cuidados de saúde materna viola o direito à vida da mulher, à saúde, igualdade e a não à descriminação. O ODM 5 pode ser alcançado," acrescentou, " mas nós urgentemente precisamos direccionar as acções para a falta de profissionais de saúde e aumentar os fundos para os serviços de saúde reprodutiva." 
As agências da ONU, doadores e outros parceiros têm aumentado a coordenação da sua assistência aos países. OMS, UNICEF, FNUAP e o Banco Mundial estão a focalizar nos países com grandes barreiras e ajudar os Governos a desenvolver e alinhar os seus planos do sistema nacional de saúde, de modo a acelerar os progressos na saúde materna e de natalidade.

“Mortalidade materna é causada pela pobreza e também, é a causa disto. O custo da natalidade pode rapidamente acabar com as receitas de uma família, provocando com isso mais dificuldades financeiras,” disse Tamar Manuelyan Atinc, Vice-presidente para o Desenvolvimento da Mulher do Banco Mundial.

“Dado o fraco sistema de saúde em muitos países, nós temos de trabalhar estreitamente com os Governos, doadores e agências, e outros parceiros para fortalecer estes sistemas, de modo que as mulheres ganhem significativamente acesso a planos qualitativos de famílias e serviços reprodutivos de saúde, parteiras qualificadas nos seus partos, cuidados urgente de obstetrícia, e cuidados pós-parto para a mãe e o recém-nascido.”

O relatório que cobre o período de 1990 a 2008 também destaca o seguinte:

• Dez dos 87 países com o nível de mortalidade materna igual a 100 em 1990, equivalem a uma redução de 5.5% entre 1990 a 2008. E por outro lado, 30 realizaram insuficientes progressos desde 1990.
• O estudo demonstra progressos na África Subsariana, onde a mortalidade materna diminuiu em 26%.
• Na Ásia, o número da mortalidade materna é estimado ter reduzido de 315 000 para 139 000 entre 1990 a 2008, e 52% diminuiu.
• 99% de todas as mortes materna em 2008 ocorreram nas regiões em desenvolvimento, com a África subsariana e Ásia do Sul somando 57% e 30% de todas as mortes, respectivamente.

"Nós precisamos fazer mais para fortalecer o sistema nacional de recolha de dados," disse Dr Chan.
"É vital apoiar o desenvolvimento de um sistema de registo civil actual que inclua o registo de nascimento, mortes e causas das mortes. Todas as mortes maternas precisam ser enumeradas," acrescentou.

A estimativa de mortalidade materna da ONU é desenvolvida em estreita colaboração com um grupo de especialistas e usa todos os dados disponíveis de mortalidade materna dos países, assim como métodos desenvolvidos de estimativas. A consulta intensiva dos países levado a cabo como parte de desenvolvimento destas estimativas, tem sido instrumental para identificar os esforços de aumento de dados coleccionados nos últimos anos, incluindo o sistema especial para captar dados materno.

Existem contudo muitas lacunas na disponibilidade de dados para muitos países onde os níveis de mortalidade materna são altos, e apenas através dos modelos de estatísticas é possível obter uma percepção das tendências.
UNICEF Angola
Fonte: Pravda.ru

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo