sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Berlusconi reitera não ter intenção de deixar o cargo

Roma -  O premier italiano, Silvio Berlusconi, reiterou hoje não ter nenhuma intenção de deixar o cargo, em meio às tensões em seu país, devido ao pedido de renúncia contra o chefe de Governo, feito por seu ex-aliado Gianfranco Fini, titular da Câmara dos Deputados, no último domingo.

A posição do primeiro-ministro foi anunciada por fontes governistas, após um telefonema de Berlusconi, que encontra-se atualmente em Seul, Coreia do Sul, onde lidera a delegação italiana presente à cúpula do Grupo dos 20 (G20, que reúne os países ricos e os principais emergentes).

Também o partido Povo da Liberdade (PDL), fundado em 2009 por Berlusconi e seu então aliado Fini, declarou que "os coordenadores, os líderes e a delegação do PDL, neste momento político, com posição compartilhada e coesa, consideram inaceitável que a legislatura possa continuar com um diferente premier e um diferente governo".

O grupo manteve nesta quinta-feira uma reunião na Câmara. "Qualquer um que queira cultivar hipóteses diversas deverá passar do inequivocável veredicto da soberania popular", informou a legenda, em um comunicado depois do encontro.

Mais cedo, Umberto Bossi, líder da Liga Norte, cujo apoio a Berlusconi é fundamental neste momento, reuniu-se com Fini, na tentativa de chegar a um acordo para manter a maioria governista. Porém, o diálogo terminou sem êxito.

"Não foi resolvido nada", disse à imprensa um dirigente do novo partido do deputado, Futuro e Liberdade para a Itália (FLI), após o encontro, que durou cerca de uma hora.

Ainda segundo fontes próximas, Fini teria dito a seus colaboradores que continua "esperando uma resposta formal por parte de Berlusconi".

Logo após o pedido de renúncia, foi anunciado na Itália que Berlusconi não teria pretensão de deixar o governo, visto que obteve recentemente respaldo do Senado e também da Câmara dos Deputados ao seu programa de governo.

As divergências entre Berlusconi e Fini se arrastam há alguns meses. O parlamentar foi retirado do partido governista após se pronunciar, em diferentes ocasiões, contrariamente às propostas da administração italiana.

Ao deixar o PDL, Fini levou mais de 30 legisladores da bancada governista, o que poderia causar a ruptura da maioria. Na terça-feira passada, viu-se uma prévia do que poderia ocorrer no país, ao enfrentar a primeira votação solicitada pela oposição desde então.

A Câmara dos Deputados aprovou, com 274 votos a favor contra 261, uma medida relacionada ao âmbito do Tratado de Amizade, Associação e Cooperação entre Itália e Líbia.

www.ansa.it/www.ansalatina

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo