sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Nasce o Pólo Nacional, dos desiludidos

Por Paola Spadari, Roma,  Pouco importa se o chamarmos de "Pólo da Nação" ou "Pólo para a Itália". O que conta é que os 100 parlamentares dos partidos do chamado Terceiro Pólo (aliança dos três líderes de centro, Fini, Rutelli e Casini), entre deputados e senadores, a partir de hoje falem em uníssono.

O denominador comum: trabalhar "pelo bem do país", para "reunificar a Itália e pacificar o país". Eram 19h ontem (15) quando Pier Ferdinando Casini fez o anúncio depois de se reunir em Roma com Gianfranco Fini e Francesco Rutelli, com MPA e os democrata-liberais, Giorgio La Malfa e Paolo Guzzanti.

Este movimento não ocorreu só para cerrar as fileiras contra a pressão do Cavaliere (como o premier italiano Silvio Berlusconi é chamado), que pretende atrair individualmente os parlamentares desiludidos após o voto de confiança do dia 14 ("irrelevante" para Casini), mas também para batizar uma força de "oposição responsável e séria, pronta para discutir sobre eventuais medidas que atendam aos interesses gerais dos italianos, a partir das econômico-sociais e das grandes reformas a serviço do país".

"É preciso trabalhar para a Itália, sem polêmicas, após o momento dos confrontos e da votação de confiança na terça-feira (14). Agora temos um governo e também uma oposição responsável de mais de 100 parlamentares que decidem se unir pelo bem do país. Não é nossa intenção iniciar guerras, mas sim unir as forças responsáveis", disse Casini.

O chamado terceiro pólo "está muito vivo!", disse Rutelli respondendo a Berlusconi, que dava esta experiência (do terceiro pólo) por encerrada antes mesmo de nascer.

"Hoje - afirma - nasce um novo pólo e ele parece robusto. Berlusconi é que tem mais problemas do que antes". O voto do dia 14 portanto não paralisou este projeto (do terceiro pólo) que, ao contrário, olha para frente e estabelece um plano de ação: em janeiro os 100 parlamentares da nova coordenação se reunirão em assembleia para identificar as estratégias organizacionais de sua ação (se pensa em uma federação), para apresentar ao Parlamento e ao país as prioridades programáticas para abrir as discussões com o governo e com as demais forças de oposição responsável.

Para mostrar que se trata de um projeto bem estruturado e de perspectiva, a nova 'formação' teria até pensado em como apresentar as listas no caso de votação antecipada, inclusive para as eleições administrativas. A linha era uma lista única para o Senado e duas para a Câmara: uma constituída pelo setor católico (UDC E API) e a outra 'laica' integrada por FLI, MPA e os outros partidos.

Sobre o nome, que foi discutido em uma reunião prévia em Montecitorio (sede da Câmara) entre Casini, Fini e Bocchino, ainda não há acordo.

Há os que prefeririam Pólo da Nação (cujas cotações parecem ter subido), ou "Pólo para a Itália" (como agradaria mais a Casini). No entanto, não se exclui que o líder da UDC aceite um nome diferente daquele indicado por ele, se for verdade - como indicam os primeiros rumores, que a liderança da federação futura ficaria em seu poder. O que conta é o momento presente e Rocco Buttiglione - ao dizer "enquanto isso, nos unimos, falamos depois" - importuna ninguém menos que Benjamin Franklin que, no Congresso Constituinte dos Estados Unidos disse: "Ou ficamos todos juntos ou nos enforcamos um por um".
 
www.ansa.it/www.italianos.it

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo