sábado, 11 de dezembro de 2010

Segunda Guerra Mundial - Setembro a Dezembro de 1939 - A campanha da Polônia

A campanha da Polônia 
 
imagem ilustrativa
A Polônia, como nação, havia muito se acostumara a viver perigosamente. Sua situação no Báltico tornou-lhe o território uma estrada natural de exércitos em marcha para leste ou oeste; sua carência em defesas naturais fê-la presa de vizinhos poderosos e vorazes. Entre 1772 e 1796, a Áustria, a Rússia e a Prússia tinham decidido extinguir o Estado polonês. Sua opressão continuou no decorrer de todo o século dezenove. Mas, embora os poloneses tenham sido vencidos e divididos, jamais foram subjugados. O espírito do nacionalismo polonês sobreviveu a todos os esforços de dominação, e o sonho do Estado polonês revivido permaneceu sendo a finalidade de todos os patriotas poloneses. Com o irromper da guerra de 1914, sua oportunidade chegou. Um chefe militar emergiu na pessoa de Pilsudski; um Comitê Nacional Polonês foi formado na França e obteve o apoio dos aliados para a independência polonesa; e em 1919 um Estado livre polonês mais uma vez foi tornado existente.

Desde então, até a sua morte, em 1935, Pilsudski foi a figura dominante na Polônia. Depois que morreu, az tarefa da chefia ficou a cargo de dois homens - o coronel Beck, ministro dos negócios exteriores, e o marechal Smigly-Rydz, comandante-chefe do exército. Sua tarefa era manter a independência da nação num momento em que ela se tornava gradualmente mais ameaçada. Um ataque pela Alemanha ou pela Rússia; uma guerra entre a Alemanha e a Rússia; um acordo entre a Alemanha e a Rússia, a expensas da Polônia - tudo isto era possível, e tudo isto ameaçava a existência da Polônia. Os líderes poloneses procuraram preparar-se para tais eventualidades com a organização de um exército eficiente, a manutenção de uma atitude correta, e onde possível amigável, em relação tanto à Rússia como à Alemanha e a procura de apoio alemão e francês. Embora desejassem a paz, não pretendiam comprá-la à custa de sacrifícios que pudessem ameaçar a independência polonesa. Quando Hitler apresentou exigências que envolviam tal ameaça, os poloneses estavam plenamente resolvidos a lutar antes que render-se.

A Polônia sobre a qual se despencou a avalancha alemã era um país de trinta e cinco milhões de habitantes, dois terços dos quais viviam da agricultura. Era tudo, menos um país opulento. O padrão de vida do campônio polonês era bem mais baixo que o do alemão. Era um país de poucos recursos industriais, e com pouco capital disponível para financiar o desenvolvimento da indústria. A aquisição da Alta Silésia significou-lhe a posse de uma área industrial com importantes depósitos carboníferos. Havia alguns depósitos de óleo ao sul, nas proximidades dos Cárpatos. Todos os esforços foram feitos pelo governo para a organização de uma indústria pesada na região sul-central, uma indústria cuja natureza e localização eram influenciadas por considerações de ordem militar. Mas, embora esses esforços tivessem determinado certos progressos, a organização econômica da Polônia era ainda tudo menos adequada a propósitos bélicos.

Sob o ponto de vista da defesa, a geografia era de pouca vantagem para os poloneses. Os Cárpatos formavam-lhe uma fronteira natural ao sul; mas a absorção pela Alemanha da Boêmia e Morávia e a ocupação da Eslováquia, que ocorreu a 18 de agosto, fez desses limites naturais um prolongamento de flanco de uma fronteira já por si muito longa para ser eficientemente defendida. No oeste, havia algumas fortificações a cobrir a Silésia, e certo número de importantes cidades tinham sido também fortificadas. Mas nada havia que lembrasse a linha Maginot para deter o invasor. O choque principal tinha de ser aparado diretamente pelo exército polonês.

O exército polonês era bem treinado e bom em qualidade. Com trinta e duas divisões de primeira linha e trinta divisões de reserva, ele somava perto de um milhão de homens; e mobilizações subseqüentes aumentaram esse total para milhão e meio. Mas ele era ainda inferior às forças alemães, não somente em número, como em equipamento. Havia deficiência de artilharia pesada, canhões anti-tanques e canhões anti-aéreos. Embora teoricamente possuísse uma divisão blindada, esta tinha sido relegada, ou obrigada a ser relegada, em favor de uma força móvel de cavalaria. E, sobretudo, a sua força aérea, embora composta de 1.200 aviões, iria mostrar-se de uma fatal fraqueza no conjunto da organização defensiva da Polônia.

De acordo com a estratégia alemã, deveria ser desfechado um golpe esmagador que obtivesse a rápida e completa eliminação da Polônia como beligerante. Contava ela obter isto durante o período que a França e a Inglaterra necessitariam fazer com que suas forças tomassem posição, e antes que uma ofensiva maior pudesse ser desfechada por essas potências no ocidente. Para tal propósito, das 90 divisões de infantaria mais 8 divisões blindadas, três quartas partes, isto é, mais de um milhão de homens, eram concentradas contra a Polônia, ficando a cargo da defesa no ocidente 20 divisões de reserva de tropas veteranas.

Os planos alemães foram baseados num ataque envolvente por dois exércitos principais em direção a Varsóvia. Cada uma dessas forças principais ia, por sua vez, realizar uma série de ataques que resultariam no amplo movimento final. Ao norte, o Corredor deveria ser cortado por ataques procedentes da Pomerânia e da Prússia Oriental, enquanto uma segunda força na Prússia Oriental devia provocar uma diversão avançando diretamente rumo a Varsóvia. Ao sul, duas forças deviam envolver a Silésia e depois dirigir-se para nordeste a fim de fazer junção com uma terceira força atacando na direção de Lodz. Exércitos do norte e sul iriam então convergir num movimento final para esfacelar o que restasse da defesa polonesa.

Para fazer frente a esse ataque, os poloneses planejaram uma resistência retardadora em certo número de pontos próximos à fronteira. Atrás dessas forças avançadas, três grupamentos principais tomariam posição para proteger Varsóvia e o triângulo industrial mais ao sul. Numa série de ações retardadoras, essas forças recuariam afinal até a linha fluvial interior do Narew-Bug-Vístula-San, onde seria travada a batalha decisiva.

Três fatores foram primariamente responsáveis pela desorganização desse plano defensivo. Primeiro, a mobilização polonesa ainda estava incompleta quando o golpe foi desfechado. A mobilização alemã já começara a 9 de agosto, e estava bem encaminhada pelo dia 20 do mesmo mês. Mas, desejosos de evitar provocação - desejo encorajado pela Grã-Bretanha e França - os poloneses retardaram a mobilização geral até 31 de agosto, o dia em que precedeu o ataque germânico. Embora a semana precedente tivessem tomado as medidas preliminares, isto significava que os poloneses careciam de tempo para desenvolver por completo os seus planos. Segundo, a eficácia do ataque aéreo alemão foi devastadora e total. O bombardeio das estradas de ferro da Polônia desorganizou completamente os transportes e comunicações e tornou difícil a coordenação. Os ataques às bases aéreas polonesas, auxiliados por um serviço de espionagem de grande eficiência, destruíram a quase totalidade da força aérea polonesa mesmo antes dela deixar o solo. Dentro de dois dias, os alemães tinham o domínio completo do ar, e o exército polonês foi deixado às cegas. Terceiro, a velocidade e a audácia do avanço mecanizado alemão ultrapassaram todas as previsões. Os poloneses contavam com más estradas e com a lama polonesa para neutralizarem os tanques e transportes. Mas, os rios estavam pouco profundos e as chuvas tinham cessado, e assim esses obstáculos naturais deixaram de desempenhar todo o papel que lhes fôra atribuído. O avanço arrojado das colunas mecanizadas alemães levava-as, de quando em quando, a perder por completo o contacto com o grosso da tropa, e em muitos lugares mostrou-se extremamente dispendioso, mas a sua contribuição para a desorganização das forças polonesas valeu plenamente esse preço.

Os dois primeiros dias da campanha demonstraram a natureza arrasadora do ataque alemão. Lançando-se sobre as forças polonesas ainda não preparadas e antes que elas se pudessem estabelecer em posições defensivas adequadas, os alemães levaram por diante a primeira linha dos defensores em direção à Varsóvia e à linha do Vístula. Ao norte, os movimentos combinados partidos de Posen e da Prússia Oriental ameaçavam flanquear as forças polonesas e obrigaram-nas a retirar para o sul. Isto permitiu que as forças alemães fizessem junção a 5 de setembro e cortassem o Corredor, embora a resistência ainda continuasse em torno de Gdynia e da península de Hela. Ao sul, os alemães avançaram rapidamente sobre o distrito industrial da Silésia, e com a captura de Cracóvia a 6 de setembro a região inteira estava em suas mãos. Em ambas as frentes, forças alemães mecanizadas progrediram com o fim de romper as comunicações e cortar a retirada polonesa. Esses dois movimentos de pinça, ao norte e ao sul, abriram o caminho ao avanço principal pelo centro, o qual a 7 de setembro chegou até a importante cidade de Lodz.

A primeira fase da campanha foi assim completada em uma semana. A resistência inicial dos poloneses tinha sido esmagada e áreas contendo recursos importantes transpostas pelos invasores. Os alemães não tinham sido bem sucedidos entretanto no plano de destruir ou mesmo separar os principais exércitos poloneses. A sua resistência estava mostrando sinais de revigoramento, e os poloneses recuaram para linhas defensivas mais curtas a fim de fazer frente ao ataque alemão concentrado, que agora convergia sobre eles. A segunda fase mostrou o aumento dos ataques de flanco, os quais fizeram com que os poloneses recuassem incessantemente, precipitando a convergência das unidades alemães sobre a região de Varsóvia. Uma penetração de elementos mecanizados alcançou os subúrbios da capital a 8 de setembro, embora não tenha sido senão no dia 15 que o exército alemão chegou diante da cidade. Entrementes, incursões partidas do norte desenvolveram-se para leste até Brest Litovsk, e, ao sul um forte destacamento mecanizado foi lançado em direção a Lemberg com o objetivo de cortar a linha de comunicação com a Romênia. No dia 16, a região de Varsóvia fôra praticamente cercada e o avanço meridional chegara bastante além do Vístula. Mas, conquanto as comunicações polonesas tenham sido rompidas e o comando militar estivesse mostrando sinais de desorganização, a crescente severidade da resistência deu esperança de que uma defesa eficaz ainda pudesse ser organizada na Polônia oriental.

Esta era a situação quando, a 17 de setembro, a União Soviética efetuou uma invasão do leste. O governo russo anunciou que, segundo o seu ponto de vista, o Estado Polonês tinha cessado de existir, e que os tratados com ele concluídos, tais como o pacto de não-agressão de 1932, tinham perdido o valor. Em conseqüência, a União Soviética achou necessário, intervir para proteger seus irmãos de sangue na Polônia. Ao mesmo tempo, Berlim declarou que a intervenção havia tido lugar com o pleno conhecimento e aprovação do governo alemão.

Para o destino da Polônia, este foi o golpe decisivo. Embora os russos tenham encontrado pequena resistência, essa nova invasão completou a desorganização das defesas polonesas e impediu a possibilidade de criar uma verdadeira frente a leste. É verdade que na área de Varsóvia continuaram a ser travados duros combates por cerca de três semanas. Conquanto os alemães tenham exigido a sua rendição no dia 17, a própria Varsóvia manteve heróica resistência sob constante bombardeio e privações crescentes até o dia 27. A fortaleza de Modlin resistiu até o dia 29; na península de Hela a resistência continuou até o dia 2 de outubro; e uma força de 16.000 poloneses ao norte de Lublin manteve a luta até o dia 5 de outubro. Estas porém não passaram de lutas isoladas, e os esforços da Polônia como Estado ruíram com a invasão russa.

Mesmo antes de terminada a luta, os despojos tinham sido repartidos pelos conquistadores. Após uma temporária "divisão militar" que trouxe a Rússia até o Vístula, o acordo de 29 de setembro fixou uma fronteira mais para o leste e seguindo linhas gerais etnográficas. Assim, a Rússia se contentou com menos de metade da Polônia, deixando para a Alemanha a porção mais rica, mas adquirindo uma população de cerca de 12 milhões, racial e economicamente aparentados aos camponeses russos. Da parte restante a Alemanha anexou as seções ocidentais ao Reich e criou ao centro uma província teoricamente autônoma de 112.000 km² e de uma população acima de 13.000.000, como uma espécie de território em que poloneses e judeus ficassem segregados dos outros habitantes do Reich.

Esperava-se que quando Hitler acabasse com a Polônia faria um apelo de paz aos aliados, sob o fundamento de que o objetivo original da guerra estaria desaparecido. Tal apelo foi sugerido no discurso de Hitler em Dantzig: a 19 de setembro; e a 6 de outubro, dirigindo-se ao Reichstag, ele sugeriu um ajuste fundado nas conquistas alemães já existentes e das necessidades ainda insatisfeitas. Tão pouco contribuiu esta iniciativa para uma base aceitável que a Itália, dois dias antes, virtualmente refutou qualquer intenção de se associar a um esforço alemão de paz. "As propostas contidas no discurso do chanceler alemão" - disse Mr. Chamberlain a 12 de outubro - "são vagas e incertas e não contêm sugestão alguma para reparar os erros cometidos em relação à Tchecoslováquia e à Polônia... Seria ainda necessário perguntar-se por que meios práticos o governo alemão pretende convencer o mundo de que a agressão cessará e os tratados serão cumpridos." Sob tais condições, a paz estava ainda longe de ser alcançada; e com o fim da campanha polonesa, os esforços militares seriam concentrados na frente ocidental.
 
 

fonte: http://www.2guerra.com.br

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo