quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Alcoolismo aumenta entre as mulheres

Doença pode ser herança materna. 
 
Pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde aponta que 10,5% das mulheres brasileiras consomem bebidas alcoólicas em excesso. Os dados, que foram obtidos por meio da VIGITEL (Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico), mostram que os números superam os registros dos anos anteriores, quando os indicadores não chegaram aos 9%.  

As mudanças sociais que ocorreram na última década têm sido um dos motivos para o aumento do número de mulheres que sofrem com o problema do alcoolismo ou dependência química. Apesar da incidência do alcoolismo ser maior entre os homens, que atualmente representam 2/3 dos casos no país, o crescimento dos registros de abuso alcoólico pelo público feminino é preocupante. As mulheres desenvolvem problemas de saúde relacionados à bebida com mais facilidade do que as pessoas do sexo oposto, mesmo consumindo menores quantidades de álcool por um período de tempo mais curto.  

O alcoolismo aumenta a predisposição para adquirir doenças como hepatite, cirrose, hipertensão, cardiopatias, pancreatite, câncer na boca, garganta, cordas vocais e esôfago, além disso as mulheres dependentes ficam mais suscetíveis ao câncer de mama e distúrbios emocionais.  

O maior problema é que muitas mulheres não procuram ajuda. O motivo é que em nossa sociedade prevalece o mito de que o alcoolismo é sinônimo de fraqueza moral. Para a mulher, isso representa o comprometimento de seu papel como mãe e esposa. Por isso é tão difícil admitir que a ajuda é necessária, o que só faz piorar a situação. 

Mas não só quem faz a ingestão excessiva do álcool corre riscos de saúde. Algumas crianças nascem com anormalidades físicas, mentais e comportamentais devido à dependência de suas mães durante a gravidez.

A autora do livro recém-lançado “Um passado que vive – Transmissão Familiar do Alcoolismo Feminino”, a pesquisadora e psicóloga brasileira Ana Beatriz Pedriali acompanhou 62 mulheres alcoólatras e não alcoólatras na sua tese de doutorado e concluiu que, além do fator genético, o comportamento e as relações familiares são determinantes para o vício.
A psicóloga relatou que entre as alcoólatras, pelo menos uma em cada cinco era filha de uma mulher também viciada em álcool. “Há uma transmissão do comportamento, da violência e dos conflitos. Ao há registro desse fenômeno em homens”, enfatizou.

Ana Beatriz mencionou ainda que a maioria das mulheres dependentes tinha uma relação conflituosa com mães e avós. “Elas reproduzem o mesmo comportamento com as filhas. São mulheres que aprendem a resolver problemas bebendo”, completou.

Tratamento adequado é fundamental para a recuperação
 
Para o tratamento da doença é necessário acompanhamento profissional em clínicas de recuperação. No Brasil, a grande maioria das clínicas é especializada no tratamento do público masculino e, quando diferente, mistura homens e mulheres no mesmo ambiente. Mas o tratamento fica comprometido, porque é preciso fazer um trabalho mais profundo, abordando questões relacionadas à vida pessoal e familiar, como casamento, filhos, conquistas e derrotas específicas das mulheres.
A deficiência nessa área já foi constatada e já existem algumas clínicas para o tratamento exclusivo de mulheres.

Como detectar a doença?

O alcoolismo, também conhecido como "síndrome da dependência do álcool", é uma doença caracterizada pelos seguintes elementos:
  • Compulsão: uma necessidade forte ou desejo incontrolável de beber;
  • Perda de controle: a inabilidade frequente de parar de beber uma vez que a pessoa já começou;
  • Dependência física: a ocorrência de sintomas de abstinência, como náusea, suor, tremores, e ansiedade, quando se para de beber após ter passado um grande período bebendo;
  • Tolerância: a necessidade de aumentar a quantidade de álcool para sentir-se "alto".


Saúde Plena
 
jornalvarginhahoje

1 Comentário:

Ministério disse...

Olá, blogueiro (a),

Salvar vidas por meio da palavra. Isso é possível.

Participe da Campanha Nacional de Doação de Órgãos. Divulgue a importância do ato de doar. Para ser doador de órgãos, basta conversar com sua família e deixar clara a sua vontade. Não é preciso deixar nada por escrito, em nenhum documento.

Acesse www.doevida.com.br e saiba mais.

Para obter material de divulgação, entre em contato com comunicacao@saude.gov.br

Atenciosamente,

Ministério da Saúde
Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/minsaude

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo