sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

O que esperar de 2011

por:Milton Lourenço (*)

O Brasil começa a segunda década do século XXI com um desafio: não pode desperdiçar o momento histórico especial que vive e, a exemplo da China, precisa investir tudo o que puder no incremento de sua infraestrutura. Só assim poderá continuar a crescer nas próximas décadas e alcançar níveis semelhantes aos dos países desenvolvidos.

Dessa maneira, até 2022, terá de investir pelo menos R$ 2 trilhões em obras de Norte a Sul, incluindo aportes públicos e privados, o que significará aplicar 5% do seu Produto Interno Bruto (PIB) em infraestrutura, dobrando o volume que investe hoje. É o que mostra estudo preparado pela consultoria LCA, a pedido da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), com o objetivo de mapear oportunidades e gargalos em todas as áreas da infraestrutura.

Em outras palavras: o Brasil de 2020 e 2030 vai depender muito das escolhas que serão feitas pelo novo governo nestes próximos quatro anos. O que equivale a dizer que o novo governo começa com um dilema: será o Brasil dentro de duas décadas uma economia industrial avançada ou uma economia primária exportadora?

É verdade que, num país tão imenso, não há nada que impeça que venha a ser as duas coisas ao mesmo tempo. Assim, o Brasil poderá se tornar um grande exportador de petróleo, minério de ferro e soja, sem deixar de apresentar um parque industrial e exportador moderno e dinâmico. Tudo vai depender da capacidade e inventividade de seus administradores públicos e de sua classe empresarial.

Portanto, o que se espera desde já é que o novo governo continue a investir, sobretudo, nos acessos rodoviários e ferroviários, além de estimular a criação de terminais para aumentar a capacidade de movimentação e armazenagem. Sem se esquecer de expandir a capacidade dos maiores corredores de carga aérea: Guarulhos, Viracopos e Manaus. Ao mesmo tempo, será necessário reduzir não só a burocracia aduaneira com a ajuda da tecnologia da informação como aumentar a produtividade e cortar custos das operações portuárias.

Quem trabalha no dia a dia do comércio exterior sabe muito bem que, apesar do ufanismo que marcou os pronunciamentos das autoridades do último governo, o País, na última década, deixou de arrecadar um grande volume de tributos e de movimentar ainda mais a sua economia por problemas de infraestrutura.

Segundo dados do Centro Nacional de Navegação (Centronave), entidade que reúne armadores responsáveis por 70% do comércio exterior marítimo, houve um número excessivo de cancelamento de escalas de navios em portos brasileiros em 2010. Foram mais de três mil dias à espera de atracação e embarque e desembarque, levando-se em conta o número de navios que escalaram e o tempo que gastaram para realizar a operação.

Isso provocou filas de caminhões em rodovias e nos acessos portuários e prejuízos que foram estendidos indistintamente a todas as empresas que necessitam de serviços portuários mais ágeis e a custos menores. Essa redução de custos nos portos, obviamente, passa não só por vias de acesso menos obstruídas como também por maior oferta de serviços e competição entre os terminais.

Para tanto, o novo governo não poderá fugir à responsabilidade de estabelecer um ambiente mais favorável aos empreendedores, o que significa reduzir uma carga tributária que já consome 37% de todas as riquezas do País e diminuir uma burocracia que alcança níveis quatro vezes superiores à média internacional.

Só dessa maneira será possível atrair mais capital do exterior e depender menos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que, ao que parece, está perto de atingir seu limite de financiamento. Por seu lado, há muitos empresários que precisam aprender a viver menos à sombra frondosa do Estado.

_____________________________

(*) Milton Lourenço é presidente da Fiorde Logística Internacional e diretor do Sindicato dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística do Estado de São Paulo (Sindicomis) e da Associação Nacional dos Comissários de Despachos, Agentes de Cargas e Logística (ACTC).

E-mail: fiorde@fiorde.com.br Site: www.fiorde.com.br



 fonte: pravda.ru

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo