quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

As frentes internas

arquivo virtual/Google
A declaração do gabinete de guerra britânico, a 9 de setembro, de que os planos estavam sendo feitos de acordo com a presunção de que a guerra durasse três anos ou mais podia ser tranqüilizadora, mas dificilmente será tida como inesperada. Em contraste com o ocorrido em 1914, quando se esperava uma vitória rápida e fácil, havia agora poucas ilusões sobre o caráter sério da luta em que as nações tinham entrado. Diante de tal perspectiva, ambas as facções pareciam determinados a evitar o mais possível as dispendiosas confusões da última guerra, no terreno civil não menos que no militar. Em 1914 se verificara arraigada relutância em perturbar o curso normal da vida civil, mesmo com sacrifício de uma maior eficiência militar. Em 1939 era evidente desde o começo que todas as atividades nacionais tinham que ser orientadas com o único propósito de se obter o máximo da eficiência bélica.

Para as democracias isto significou a regularização e coordenação dos esforços econômicos até um ponto muito mais extensivo que o que jamais tinham conhecido até então, dirigidas por uma concentração de autoridade muito mais poderosa que qualquer outra que existira em tempos de paz. A Grã-Bretanha e a França preferiram evitar a palavra "ditadura", como também o que ela representava. Mas para a direção eficiente das energias nacionais a uma finalidade suprema, alguma forma de autoridade central, munida de poderes adequados, era absolutamente essencial. O reconhecimento deste fato serviu de base à organização dos gabinetes de guerra em ambos os países.

Por trás dessa resolução, entretanto, ostentava-se um fato ainda mais fundamental. Este era a manutenção, em ambos os países, do sistema do governo parlamentar. A autoridade obtida pelos ministros franceses e ingleses descansava solidamente na sóbria decisão de uma maioria de representantes selecionados da nação. O parlamento britânico, a 24 de agosto, votou a Lei dos Poderes de Emergência (Lei da Defesa), que conferiu ao governo o direito de impor extensivas regulamentações decididas em sessão de conselho. O governo francês, a que já tinha sido dado o direito de agir por meio de decretos temporários, teve esse direito confirmado para a duração da guerra, por voto da Câmara, a 30 de novembro, e do Senado, a 1o de dezembro. Mas nenhuma dessas medidas era de alguma forma uma abdicação da autoridade fundamental do parlamento. O gabinete existia, e os ministros exerciam os seus poderes, sujeitos em última instância à aprovação das legislaturas eleitas; e ou o Parlamento podia anular esses poderes ou impor-se ao ministério toda a vez que tal ação se mostrasse desejável no interesse nacional.

Isto foi demonstrado pela crítica constante, se bem que razoável, que os governos dos dois países tiveram que sofrer e satisfazer. Nos primeiros dias da guerra, foi a Câmara dos Comuns que promoveu uma drástica modificação dos regulamentos do Decreto das Medidas de Guerra nos interesses de uma pior liberdade pessoal. Na França, semelhante criticismo pôs fim a alguns dos piores absurdos da censura, inclusive a supressão de toda a crítica à política governamental; na Inglaterra, isto teve resultado igual com a reorganização do impropriamente denominado Ministério da Informação. Mas tais realizações reforçaram a eficácia do governo democrático, ao invés de enfraquecê-la. Conforme Mr. Churchill disse numa irradiação de 27 de janeiro:

"No nosso país, os homens públicos sentem orgulho em serem servidores do povo. Envergonhar-se-iam de ser seus patrões. Ministros da Coroa sentem-se fortalecidos por terem ao seu lado a Câmara dos Comuns e a Câmara dos Lordes, a se reunirem com grande regularidade e buscarem contínuas oportunidades de estimular suas atividades. Naturalmente, é bem verdade que surgem muitas vezes severas críticas ao governo em ambas as Casas. Mas nós não nos ressentimos com a crítica bem-intencionada de qualquer homem que queira vencer a guerra. Nem mesmo a crítica honesta nós evitamos, e esta é a mais perigosa de todas."
 
 

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo