quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Cidade de Guarabira na Paraíba relembra épocas de grandes pesquisas

Região já foi palco de manifestações ufológicas intensas
Por Paulo Dantas/Paraíba 
Atividade ufológica é onerosa e requer tempo disponível. 
Crédito: Google Maps
A cidade de Guarabira (PB) já foi considerada a capital dos UFOs por algumas revistas especializadas. Hoje, apenas duas pessoas continuam estudando os acontecimentos - Max TX e Wellington da Telemar. Mas, segundo Carlos Belarmino, também um dos apaixonados pelo assunto, mas já há algum tempo distantes das vigílias noturnas em busca de flagrar um objeto no céu, as aparições permanecem acontecendo. "Os estudos pararam, mas sempre vêm pessoas de outros países para a Serra da Borborema e passam a noite por lá fazendo vigília. Sempre há evidência", relatou ele, que agora se dedica a ensinar na Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Segundo o professor, houve apenas um caso de abdução, na década de 90. "Uma história de um moço encontrado na Serra de Amarelinha, município de Pilõezinhos. Ele foi encontrado com alguns cortes. Passou um bocado de tempo impressionado. Ele disse que estava num local e foi levado para outro, onde lhe retiraram o cabelo e unha", contou.

Mas, no entender de Belarmino nem tudo que se vê pode se afirmar que um UFO. "A característica de um UFO é diferente, ele voa em zigue-zague, não faz um trajetória linear", garantiu. Segundo o estudioso, no auge das descobertas o grupo já chegou a coletar 63 horas de aparições. De 1999 para cá foi diminuindo o interesse pelo estudo e o grupo foi se dispersando. "Tínhamos um grupo eclético, com professores, médicos, jornalistas, de todas as áreas", revelou. A cidade chegou a ser matéria do Fantástico e recebeu jornalistas da Folha de São Paulo, gente do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA) de Recife e da Revista UFO.

Áureos tempos

Segundo Belarmino, parte do material gravado foi comprovado como verídico pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), como objetos não identificados. A justificativa para o grande número de aparições na cidade seriam linhas (imaginárias) que permitem quase uma abertura dimensional. "Essas linhas – chamadas de tectônicas – onde a lei da gravidade é menor, começam em Mamanguape e terminam em Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul", disse.

Conforme o estudioso, as aparições têm sua maior configuração nos meses de setembro e outubro, quando não tem chuva. "A cidade vive seu período seco e se vê mais", avisou Belarmino, que contou como situação mais estranha já vivida um fato que aconteceu na década de 90. "Foi num dia que houve um blecaute. No dia estava aqui uma equipe do Estado de São Paulo, eles passaram a noite em vigília. Nesse dia cerca de 80% das pessoas de Guarabira viram algo estranho no céu. Nós pudemos registrar algo em torno de 18 tipos de UFOs", lembrou.

Um outro fato era uma moça que acompanhava o grupo, Maria Célia. "Toda vez que ia haver uma aparição ela entrava em transe e sabia dizer, onde e quando eles iriam surgir. Ela conseguia contar até o que eles faziam dentro da nave", ressaltou Belarmino. Explicando porque abandonou os estudos de UFOs, confessou que é uma dedicação dispendiosa. "Precisa de dinheiro e tempo. Hoje ainda acho muito interessante", conta. O pesquisador garantiu: é tudo verdade.
  
 
Agradecimentos a:
Paulo R. Poian.
Coordenação Portal da Ufologia Brasileira 
Consultor da Revista UFO Brasil

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo