terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

A Invasão da Escandinávia

Alemães na Dinamarca
A decisão a que chegaram os aliados, no fim de março, de apertar de modo mais eficiente o bloqueio da Alemanha foi vista com especial apreensão na Escandinávia. Havia naturalmente muitas aberturas que os aliados pretendiam tapar - o petróleo e metais que a Alemanha estava obtendo dos Bálcãs, os gêneros alimentícios que recebia dos Estados danubianos, a ampla quantidade de produtos de além-mar que lhe chegavam através dos Países Baixos. Importantes porém como eram, havia razão para se acreditar que as questões de interesse mais imediato dos aliados fossem as relacionadas com o minério de ferro que a Alemanha estava recebendo da Suécia e o qual era transportado através das águas territoriais norueguesas.


Para essas duas nações, os problemas de neutralidade tinham-se tornado gradualmente mais difíceis desde que a guerra começara. Ao mais leve indício de que não estavam completamente subordinadas à Alemanha, a imprensa e o governo nazistas rompiam em grita ameaçadora. Ao mesmo tempo, a Alemanha na sua guerra aérea e submarina não fazia esforços para distinguir os navios suecos e noruegueses dos barcos beligerantes. Até o dia 6 de abril, 52 navios noruegueses, 33 suecos e 28 dinamarqueses tinham sido afundados, com uma perda de perto de mil vidas. Quando os protestos desses neutros à Alemanha foram respondidos apenas com novas recriminações, os aliados naturalmente começaram a achar que tal neutralidade deixava algo a desejar.

A guerra finlandesa tinha por um tempo acrescentado nova complicação a esse estado de coisas. Com o fim das hostilidades, os Estados escandinavos ficaram livres dos perigos inerentes dos planos aliados de intervenção em favor dos finlandeses. Mas o problema geral permaneceu, acentuado por uma crescente impaciência aliada pelo continuado acesso da Alemanha aos suprimentos escandinavos; e isto foi expresso pela irradiação de Churchill a 30 de março, a qual acentuava que os neutros estavam sendo forçados a suprir uma potência cuja vitória significaria a sua escravidão. Qualquer dúvida sobre o que essa atitude significava para a Escandinávia foi removida pela declaração de Chamberlain a 2 de abril, a qual atacava esse "duplo padrão de neutralidade" e insinuava fortemente que os esforços que estavam sendo realizados para bloquear a rota escandinava eram apenas a fase preliminar de operações mais efetivas. E dois dias mais tarde, falando à União Nacional dos Conservadores e Associações Unionistas, o primeiro ministro disse: "Embora jamais procuremos infligir danos ou perdas aos neutros, e embora estejamos ansiosos por guardar todas as regras, não se pode esperar que permitamos que a Alemanha tire vantagens indefinidamente dos nossos escrúpulos com o arrancar assistência e conforto aos neutros.

A esse ponto de vista foi dada expressão oficial nas notas aliadas apresentadas à Noruega e à Suécia a 5 de abril. Essas notas, de conformidade com a declaração do sr. Koht a 8 de abril, alegaram que os acontecimentos dos últimos três meses tinham mostrado a recusa da Alemanha de permitir que os estados escandinavos dirigissem livremente sua própria política externa. O resultado foi que a Alemanha, por seu acesso a importantes matérias-primas, beneficiava-se de vantagens nesses países para desvantagem e perigo das Potências Aliadas. Isto era algo que os aliados não mais podiam tolerar. Eles estavam lutando tanto por si próprios como pela causa das pequenas nações, e não podiam permitir que fossem prejudicados pelas vantagens que tal situação dava à Alemanha. Tinham, portanto, que se reservar o direito de tomar medidas que pusessem fim a todas as práticas que ajudavam a Alemanha ou feriam a causa aliada.

As medidas que tinham em mente referiam-se particularmente à rota do minério de ferro. Os navios alemães acharam possível viajar de Narvik à costa norueguesa sem deixar as águas territoriais até chegarem ao Skaggerak e à guarida dos campos de mina alemães. "Não tem havido", disse Churchill a 11 de abril, "nenhum impedimento maior ao bloqueio da Alemanha do que esse corredor norueguês. Foi assim na guerra passada, e tem sido assim nesta guerra." Durante a guerra passada, os aliados tinham induzido a Noruega a colocar campos de mina nessas águas; e quando a atual guerra iniciou, eles procuraram obter da Noruega permissão para colocar suas próprias minas ali. Mas a Noruega resistiu firmemente a essa exigência; e a sua virtual rejeição ao pedido aliado, consignada nas notas de 5 de abril, mostrava que nenhuma ação efetiva poder-se-ia esperar de sua parte. A 8 de abril, os aliados passaram das palavras aos atos. Na manhã daquele dia, os aliados anunciaram que tinham resolvido "impedir o uso continuado pelo inimigo de trechos de águas territoriais que lhe eram de especial valor", e que em conseqüência tinham colocado campos de mina em três pontos das águas norueguesas.

O governo norueguês protestou imediatamente e exigiu a remoção das minas. Parecia bem possível que uma grave situação resultasse daí entre a Noruega e os aliados. Mas antes que isso ocorresse, todo o quadro foi mudado pela ação da Alemanha. 

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo