quarta-feira, 2 de fevereiro de 2011

A libertação do Altmark

imagem ilustrativa/arquivo google
Mas, o episódio mais emocionante da guerra no mar foi um que produziu menos efeito sobre a força naval alemã do que sobre o restante do prestígio alemão. O caso do Altmark foi uma seqüência triunfante da destruição do Graf Spee. Esse navio, que tinha à bordo a tripulação de sete navios ingleses destruídos pelo cruzador de bolso, fôra objeto de uma busca meticulosa da armada britânica mesmo desde a batalha do rio da Prata. Por dois meses, o navio-prisão iludia os caçadores. E então, a 16 de fevereiro, foi localizado por aviões britânicos de reconhecimento quando deslizava pela costa norueguesa ao sul de Bergen, rumo a Hamburgo e à segurança.

Três destróieres britânicos saíram no encalço de sua presa. Mas a tentativa do Intrepid de capturar o Altmark foi frustrada por um navio armado norueguês cujo comandante exigiu que os britânicos respeitassem as águas territoriais da Noruega. Durante as discussões, o Altmark penetrou no abrigo de um fiorde próximo; e então os navios britânicos retiraram-se para além do limite de três milhas e radiografaram por ordens ao Almirantado.

O almirante respondeu com uma ordem de penetrar na zona neutra e libertar os prisioneiros. Foi depois do escurecer que o destróier mais antigo, Cossack, aproximou-se do norueguês e pediu que o Altmark fosse levado a Bergen sob guarda unida e ali revistado à cata de prisioneiros britânicos. Quando isto foi recusado, da mesma forma como foi recusado o pedido de que o comandante norueguês permitisse uma busca no local, o Cossack foi adiante. O Altmark, libertando-se dos gelos em que tinha sido colhido, tentou enfrentar o Cossack, mas o destróier abordou-o e um grupo de marinheiros galgou a coberta do navio alemão. Houve tiros de ambos os lados; um número de marinheiros alemães que tinha escapado pelos lados abriu fogo da terra, e o fogo com que os ingleses responderam causou entre eles numerosas baixas. Encerrados nos paióis de munição, depósitos e num tanque vazio de óleo havia 299 marujos britânicos, muitos deles em sérias condições físicas causadas pelas fadigas penosas do aprisionamento. Com estes a bordo, o Cossack deixou o Altmark paralisado entregue à respectiva tripulação e rumou com os homens libertados para a Inglaterra.

Seguiu-se a isto um feixe de protestos diplomáticos. A Alemanha protestou junto à Noruega por ter esta permitido a violação de sua neutralidade. A Grã-Bretanha, alegando que o Altmark era um navio armado e que as autoridades norueguesas tinham-no abordado e revistado em Bergen, protestaram junto à Noruega por ter esta deixado de descobrir e de libertar os prisioneiros. A Noruega, negando que o navio tivesse parado em Bergen e afirmando que ignorava que houvesse prisioneiros a bordo ou que o Altmark estivesse armado, protestou contra a ação do Cossack e exigiu a volta dos marinheiros libertados - exigência provavelmente feita mais para satisfazer a Alemanha do que com a esperança de ser atendida. A cólera apoplética dos porta-vozes nazistas ofereceu o espetáculo algo cômico da Alemanha expressando horror por uma violação do direito internacional. O contraste entre a atitude normal alemã e essa repentina exigência de legalidade foi sutilmente estabelecido por Mr. Chamberlain, a 24 de fevereiro.

"De tal maneira os nazistas respeitam os interesses alheios que os navios neutros não mais estão livres de seus ataques, mesmo quando navegam apenas entre um ponto neutro e outro. Podem afundar navios mercantes, podem destruir cargueiras cujas tripulações são deixadas a navegar ao léu e morrer de inanição, mas os países neutros não devem reclamar. Porém, se nós, os britânicos, a fim de salvar 300 homens, ilegalmente feitos prisioneiros, da brutalidade de um campo de concentração, cometemos assim uma quebra meramente técnica de neutralidade, que não envolve vidas e não toca na propriedade neutra, então é quanto basta para que os nazistas fiquem exaustos de tantas exclamações de histérica indignação."

Cumprido o seu dever, por meio de formais e vigorosos protestos, acompanhados por uma oferta de arbitramento, a Noruega por sua vez mostrou-se contente em aceitar um compromisso que deixou o caso no ponto em que estava.
 
 

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo