terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

A ocupação da Dinamarca

Quando cruzaram a fronteira dinamarquesa em Flensburg, as tropas alemães transpuseram o que era quase a última fronteira não-fortificada da Europa. A Dinamarca, mais ainda do que seus vizinhos escandinavos, sentia-se compelida, em virtude de seu tamanho e posição estratégica, a depender mais da boa fé internacional do que de força armada para a sua possível defesa. Nação de menos de quatro milhões de habitantes, cuja única fronteira terrestre confinava com o Reich alemão, havia muito ela tinha reconhecido que não poderia oferecer resistência eficaz a uma invasão; e mesmo suas recentes confiscações para a defesa aérea eram mais um gesto significando o desejo de manter sua independência do que uma garantia real contra a conquista. Como o seu premier tinha dito na irradiação do Ano Novo: "O povo dinamarquês só tem um caminho a seguir. Temos de prosseguir no caminho da neutralidade e confiar no valor das promessas e acordos que conosco foram firmados."

O principal desses acordos era o pacto de não-agressão com a Alemanha. Em abril de 1939, em resultado da mensagem do presidente Roosevelt pedindo penhores de paz, Hitler tinha convocado os pequenos vizinhos da Alemanha para perguntar se eles se sentiam ameaçados, e oferecera-lhes a conclusão de tratados que pretensamente removeriam quaisquer receios que porventura alimentassem. Nem a Suécia, nem a Noruega tinham aceito a oferta, em vista dos exemplos de quão perigoso era para um país pequeno aceitar qualquer garantia alemã. A Dinamarca, entretanto, julgou que não podia; de modo algum, arriscar-se a ofender sua despótica vizinha; e a 31 de maio firmou com a Alemanha um tratado por meio do qual ambas prometiam que "em nenhuma circunstância recorreriam à guerra ou a qualquer outra forma de violência uma contra a outra."

Era essa uma garantia débil bastante, em vista dos antecedentes da Alemanha; contudo, era a única garantia que a Dinamarca possuía. Ela não tinha aliança e não recebera garantia alguma de qualquer outra nação. Com os restantes neutros ocidentais, durante anos tinha depositado suas esperanças na Liga das Nações e na perspectiva de um desarmamento geral; e quando tudo isso ruiu, somente lhe restou a esperança de que, num novo conflito, não oferecesse nem ofensas, nem tentações a qualquer facção que lhe pudesse pôr em perigo a neutralidade. Estava ela ligada com frouxos laços de cooperação econômica e política ao Grupo de Oslo, que consistia nas nações escandinavas e nos Países Baixos; mas esses Estados tinham evitado toda a idéia de aliança militar, por consentimento mútuo. Quando, em março, a Finlândia obteve da Suécia e da Noruega a promessa de que um pacto de assistência mútua se seguiria à sua paz com a Rússia, a Dinamarca foi deixada fora desse projeto, como sendo mais um passivo do que um ativo; e o próprio projeto desfez-se quando a Rússia lhe interpôs o veto decisivo. Em resultado, os Estados escandinavos todos ficaram sozinhos e isolados diante da nova acometida alemã.

A força que a Dinamarca poderia opor a tal acometida era insignificante. Em teoria, ela podia colocar cerca de 150.000 homens em pé de guerra; mas a maioria desses homens era deficientemente treinada, e os efetivos de paz disponíveis não passavam de 11.000 homens. Dificilmente, portanto, poderia causar surpresa o não ter o invasor encontrado resistência real alguma. As forças que se lançaram ao assalto em meia dúzia de pontos, por terra e mar, eram calculadas na ocasião em cerca de 40.000 a 50.000 homens. Apenas a Guarda Real, em Copenhague ofereceu breve resistência, que foi prontamente dominada. Pelas quatro horas da tarde, o país estava sob controle alemão.

Esse controle, de acordo com o governo alemão, não era o de um conquistador, mas sim de um protetor. Numa nota aos governos dos países invadidos, o Reich alegou que as medidas aliadas de bloqueio constituíam "um golpe destruidor na concepção de neutralidade". O Reich estava de posse de provas de que a Inglaterra e a França estavam planejando a invasão dos países nórdicos, e era claro que esses países não poderiam oferecer resistência eficaz. A Alemanha interviera portanto "para proteger a paz do norte contra todo o ataque anglo-francês e obter a sua garantia definitiva." Em vista desse altruísmo sem exemplos, a Alemanha esperava que os países em questão compreendessem seus motivos e não lhe oferecessem oposição. "Toda a resistência", - advertiu-lhes a Alemanha, - "teria de ser e seria quebrada por todos os meios disponíveis pelas forças armadas alemães que aqui aportaram, e levaria portanto a uma efusão de sangue absolutamente inútil."

Em face dessa perspectiva, a Dinamarca não tinha outro recurso senão ceder. Depois de conferenciar com o seu gabinete, o rei Cristiano deu à publicidade uma proclamação, também assinada pelo primeiro ministro, aceitando a situação sob protesto. A população foi solicitado evitar a resistência afim de se salvar o país dos desastres da guerra. Numa sessão especial do Parlamento, à tarde, o primeiro ministro fez uma declaração em que disse: "A Alemanha assegurou-nos que não tinha intenção alguma de violar a independência e integridade territorial da Dinamarca... Nosso povo sem dúvida perceberá a necessidade da atitude do governo... Só a Dinamarca, nada senão a Dinamarca importa agora."

Mas se o reino dinamarquês se mostrou, assim, uma presa fácil, com a Noruega a coisa foi muito diferente.
 
 

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo