terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

A queda de Chamberlain

O colapso da campanha norueguesa levou ao auge uma crise política que havia muito se vinha desenvolvendo. Nas primeiras etapas da invasão nazista, o público tinha sido encorajado a acreditar que Hitler tinha dado um passo descuidado, cujas conseqüências cedo sentiria. Com o passar do tempo sem que essas conseqüências surgissem, crescente obstinação se tornou aparente; e com a revelação da completa falta de habilidade dos aliados na realização de um contra-golpe decisivo, o sentimento de decepção achou vasas numa explosão de ira contra o governo, e especialmente contra o primeiro ministro.

Mas o responsável não era apenas o fracasso norueguês. Como Attlee disse durante debates subseqüentes: "Reina grande ansiedade entre o povo deste país, que não está convencido de que a guerra está sendo conduzida com suficiente energia, capacidade, força e resolução. e isto não somente na Noruega. A campanha norueguesa é o auge de outros descontentamentos". Isto ficou delimitado pela diferença na atitude geral em relação a Chamberlain e Churchill. Este era responsável pelo Almirantado, cuja política foi alvo de considerável crítica sob a acusação de falta de audácia crítica orientada pelo almirante Keyes, que se mostrava ressentido com a rejeição de sua oferta de dirigir um ataque a Trondheim. Churchill falara de modo otimista a respeito da ação de Hitler, classificando-a de "erro estratégico e político tão grande como o cometido por Napoleão ao invadir a Espanha." Prometera que os exércitos aliados iriam "limpar o solo dos Vikings da imunda mácula da tirania nazista". Mas Churchill, fossem quais fossem os seus enganos, teve pequena parte na responsabilidade pelas grandes deficiências que tinham condenado a campanha ao fracasso. Logo que Hitler começara a rearmar-se, ele tinha estado a martelar o governo, num esforço para persuadi-lo da necessidade de se preparar para a luta vindoura. E agora apontava para antecedentes de que não teve culpa quando dizia: "A razão da séria desvantagem decorrente da falta de iniciativa nossa é daquelas que não podem ser rapidamente removidas. Foi falha nossa não termos nos últimos cinco anos mantido ou reconquistado a paridade com a Alemanha no ar. Esta é uma velha e comprida história."

Por outro lado, Chamberlain não podia deixar de compartilhar uma parte, ao menos, de tal situação. E à luz do fracasso norueguês, toda a política do governo chamberlainiano começou a assumir uma perspectiva diferente aos próprios olhos dos que o apoiavam. A lembrança de tentativas inúteis para apaziguar os ditadores, a exclusão inexorável de seu conselho de homens que advogavam uma orientação mais briosa, a carência de vigor mesmo depois de iniciada a guerra e o otimismo frívolo de alegações como que "Hitler tomou o bonde errado" - tudo isso agora refluiu sobre ele. Qualquer possibilidade que tivesse de recuperar a posição era desfeita pela sua arrogante impenitência. A desculpa implícita em seu discurso de 7 de maio visava menos o fracasso da expedição do que o fato mesmo de tal expedição ter sido enviada. Recusava-se a estudar quaisquer mudanças sérias de pessoal ou a criação de algum gabinete de guerra realmente eficiente. Reiterou a convicção de que "a balança das vantagens até o presente pende para o lado das forças aliadas". Era claro que sob sua chefia não se poderia esperar um novo impulso de vigor ou imaginação.

O resultado foi uma revolta dentro do próprio Partido Conservador contra a continuação dessa inexorável falta de habilidade. Este foi o fato vital em torno da votação de 8 de maio na Câmara dos Comuns. O governo estava à superfície, sustentado por uma votação de 281 contra 200. Mas o Partido Conservador na Câmara somava 365 membros, e destes apenas 252 votaram pelo governo. Entre os 65 conservadores que não tinham votado pode ter havido algumas abstenções normais, mas o grosso se abstivera deliberadamente de votar como expressão de sua desaprovação. Os 33 conservadores que votaram contra o governo incluíam figuras proeminentes tais como Duff Cooper, L.S. Amery, Leslie Hore-Belisha e Lord Winterton todos eles antigos ministros conservadores. Todos os membros conservadores dos serviços de guerra presentes à sessão votaram contra o ministério.

Apesar da maioria de Chamberlain, portanto, a votação era uma clara condenação de sua chefia. Ele tentou ainda endireitar a situação, alargando as bases do ministério. Mas os líderes trabalhistas se recusaram a unir-se a uma administração de que Chamberlain fosse o chefe, e essa recusa resolveu o caso. A 10 de maio, Chamberlain renunciou, e Churchill teve coroada a sua movimentada carreira com a obtenção, afinal, da pasta de primeiro ministro.

Mas a esta altura os aliados se defrontaram com uma nova crise, muito mais grave, pois Hitler lançou todo o poderio de seus exércitos contra os Países Baixos.
 
 
 

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo