quarta-feira, 30 de março de 2011

Conheça o projeto Busca por Genomas Extraterrestres (SETG)

JPL/NASA
Por David L. Chandler/MIT/Inovação Tecnológica 
Descendentes do planeta vermelho, ou vice-versa
Conforme muitos pesquisadores, é concebível que toda a vida na Terra descenda de organismos que se originaram em Marte e foram trazidos aqui para a Terra a bordo de meteoritos. Se isso for verdade, um instrumento que está sendo desenvolvido por pesquisadores do Massachusetts Institute of Technology (MIT) e da Universidade de Harvard poderia fornecer as provas.

A fim de detectar sinais de vida passada ou presente no planeta vermelho - se for de fato verdade que nós somos parentes - uma estratégia promissora seria procurar por DNA ou RNA, mais especificamente pelas seqüências particulares destas moléculas que são quase universais em todas as formas de vida terrestre. Essa é a estratégia que está sendo adotada por Christopher Carr, Clarissa Lui, Maria Zuber e Ruvkun Gary, este último um biólogo molecular que concebeu o instrumento e montou a equipe inicial para fabricá-lo.

O conceito foi batizado de Busca por Genomas Extraterrestres [Search for Extra-Terrestrial Genomes, SETG]. A idéia é baseada em vários fatos que já estão bem estabelecidos. Em primeiro lugar, nos primórdios do Sistema Solar, o clima de Marte e da Terra eram muito mais semelhantes do que agora - assim, a vida que tomou conta de um planeta poderia provavelmente ter sobrevivido no outro. Em segundo lugar, cerca de um bilhão de toneladas de rocha já teria viajado de lá para a Terra, arrancadas por impactos de asteróides e, em seguida, viajado através do espaço interplanetário antes de se chocar com a nossa superfície. Terceiro, os micróbios têm-se mostrado capazes de sobreviver ao choque de tais impactos e há alguns indícios de que eles também poderiam sobreviver por milhares de anos de trânsito pelo espaço antes de chegar a um outro planeta [Leia Bactérias sobrevivem 553 dias no espaço].

Assim, os vários passos necessários para que a vida comece em um planeta e se espalhe para outros são todos plausíveis. Além disso, a dinâmica orbital mostra que é aproximadamente 100 vezes mais fácil para as rochas de Marte viajarem para a Terra do que o contrário. Então, se a vida começou lá, os micróbios podem ter sido trazidos para cá e podemos ser todos seus descendentes [Leia Povos indígenas norte-americanos afirmam que somos descendentes de Marte e Dois planetas e uma órbita em comum podem comprovar teoria de formação da Lua].

Se somos descendentes de Marte, então pode haver lições importantes a serem aprendidas lá sobre a nossa própria origem biológica, por meio do estudo da bioquímica do nosso planeta vizinho - os traços biológicos que se apagaram há muito tempo por aqui podem ter sido preservados nas profundezas congeladas do planeta vermelho. O dispositivo que os pesquisadores estão projetando recolheria amostras do solo marciano e isolaria quaisquer micróbios vivos que possam estar presentes, ou mesmo restos microbianos, que podem ser preservados por até um milhão de anos e ainda conterem DNA viável.

Em seguida, o material genético seria separado para que técnicas bioquímicas padrão pudessem ser utilizadas para analisar suas seqüências genéticas...
 
 
 
 
Agradecimentos a:
Paulo R. Poian.
Coordenação Portal da Ufologia Brasileira 
Consultor da Revista UFO Brasil

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo