quinta-feira, 3 de março de 2011

Convocada conferência para discutir tempestades solares

Porém, sobre a baixa atividade do astro-rei
Por Inovação Tecnológica 

Previsão feita em fevereiro de 2011. 
Crédito: David Hathaway/NASA/MSFC
A Agência Espacial Norte-Americana (NASA) anunciou a realização de uma teleconferência neste 02 de março, para discutir o baixo nível de atividade que o Sol vem apresentando ao longo dos últimos anos. Segundo a agência, os cientistas apresentarão o primeiro modelo capaz de explicar o período de baixa atividade solar atualmente em curso.

Em janeiro deste ano, a NASA começou a utilizar um modelo de previsão do clima solar, capaz de prever as tempestades solares com uma antecedência de um a quatro dias. Ele tenta prever a ocorrência dos jatos de plasma solar e das ejeções de massa coronal voltadas em direção à Terra. Uma das cientistas que participará da conferência, Delores Knipp, trabalha na Universidade do Colorado, onde o protótipo foi desenvolvido.

O clima solar sempre chamou a atenção dos cientistas, mas só agora está ficando ao alcance do grande público, graças às sondas espaciais que geram imagens nunca antes vistas das manchas e das tempestades solares. No entanto, o impacto sobre a imprensa e o público parecem estar sendo grandes demais, a ponto de, há poucos dias, a NASA ter emitido uma nota para tranquilizar os ânimos.

Emissões das tempestades solares atingem a Terra, interagindo com o campo magnético do nosso planeta, potencialmente criando uma tempestade geomagnética e gerando as belas auroras. Mas elas podem também "interagir", interromper e até danificar os sistemas de telecomunicações e de transmissão de energia elétrica, quando são fortes o bastante.

Os cientistas ainda não sabem se o período de calmaria do Sol agora irá se reverter, ou se o próximo máximo solar será muito fraco - as atividades do Sol seguem ciclos muito precisos de 11 anos. Previsões à parte, o fato é que sempre há espaço para surpresas. A maior tempestade solar já registrada ocorreu em 1859. Ela foi tão forte que atingiu a Terra em 18 horas, quando o normal é que leve de três a quatro dias.

Mesmo em uma época onde as telecomunicações engatinhavam, houve relatos de interferências nas comunicações via rádio. O impacto hoje seria provavelmente muito maior, devido à grande quantidade de equipamentos, embora as tecnologias de proteção dos mesmos também tenham avançado.
 
 
Agradecimentos a:
Paulo R. Poian.
Coordenação Portal da Ufologia Brasileira 
Consultor da Revista UFO Brasil

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo