quinta-feira, 3 de março de 2011

Os nazistas também tiveram a sua grande fuga em 1944

Eu imagino que todos nós sabemos, em maior ou menor grau, as fugas por parte dos aliados nos campos de concentração nazista . Estão bem documentados historicamente, muitos ainda têm os seus próprios filmes,  como este post que Guillermo  dedicou aos verdadeiros protagonistas da grande fuga .

No entanto, existe uma determinada fuga, que é pouco conhecida. Foi perdida nas névoas do tempo, esquecida ou ignorada, e que seus personagens não tem desfrutado das mesmas glórias cinematográficas que seus homólogos aliados . Se trata da incrível fuga de "Papago Prisioners Camp", em Phoenix, Arizona .


Prisão  Papago Park Camp, Arizona | Fonte | Domínio Público

Mas ... O que acontecia com os prisioneiros de guerra alemães capturados pelo inimigo? Como soldados aliados, muitos foram levados para campos de prisioneiros (havia cerca de 500 campos espalhados por todo os Estados Unidos ) e como os prisioneiros britânicos, os alemães também estavam presos e, em território hostil.

Hoje vamos mergulhar em uma história surpreendente que, como o de Steve McQueen, também teve seu protagonista: o capitão alemão do Uboat 162 ... Seu nome: Jürgen Wattenberg .
 
Jürgen Wattenberg

Wattenberg era um oficial de carreira da marinha alemã, capitão de submarino, que se distinguiu pela sua coragem e bravura em combate. Em um dos confrontos no mar, seu barco foi danificado e foi capturado.

Junto com sua equipe, Wattenberg foi trancado em uma prisão na África do Sul, mas, antecipando o que seria a sua grande aventura na América, escapou de lá e voltou para se juntar às fileiras, no comando do submarino U-162.

Esta fuga do sul da africa foi seu primeiro aviso.


Fonte | | U162 Domínio Público

Na tarde de 03 de setembro de 1942 , enquanto a patrulhava as águas do Mar do Caribe, o submarino alemão se deparou com o destróier Inglês  HMS Quentin . A batalha apresentava a frente do nosso comandante e ele estava se preparando para entrar em combate com surpresa, verificou que não era só um navio inimigo  ...

Na verdade, o HMS Quentin era seguido por dois destróiers, o HMS Vimy  e HMS Pathfinder ... este  último, que acabaria por s derrota-lo após mais de seis horas de caça e cargas submarina .



Destroyer HMS Pathfinder | Fonte | Domínio Público

O U162 tentou mergulhar para escapar das cargas de profundidade lançadas pelos três destroyers, mas vários impactos e com o submarino cheio de vazamentos, foi obrigado por um longo tempo ficar a meio caminho entre a superfície e o naufrágio ...

A decisão foi difícil, mas, depois de várias camaras foram inundadas levando consigo dois de seus tripulantes, o capitão Wattenberg emergiu e se rendeu antes do submarino afundar sob as águas do Caribe .



U 162 | Fonte | Domínio Público

A tripulação do U162, Jürgen Wattenberg e seus 49 homens, depois de nadar toda aquela noite com os salva-vidas para se manter à tona, foram resgatados pelos destróiers inimigos.

O próximo passo, Wattenberg ... foi novamente preso.

Seu primeiro destino foi a ilha de Trinidad, onde eles foram interrogados um a um ... Mais tarde, eles foram separados e distribuídos entre um número de campos de prisioneiros que tinham sido preparados nos Estados Unidos.

Desde aquela noite fria em outubro de 1942, o alemão foi levado a vários campos nos Estados Unidos.  O capitão do U162 foi preso pela segunda vez, e na cabeça, começou a aparecer de novo o desejo e as idéias de uma fuga.

De todos os campos que foi transferido tentou fugir varias vezes. Cansado, os americanos acabaram por envia-lo a sua "prisão estrela ", que tinha a menor taxa de fuga por estar no meio de um deserto.

Foi assim que a 27 jan 1944 , Jürgen Wattenberg foi colocado no campo de Papago em Phoenix, Arizona.


Prisão Park Papago Camp | Domínio Público | 1942

Também tenho a dizer que uma das razões pelas quais houve tão poucas fugas do lado alemão, era que os campos americanos eram muito diferentes dos nazistas ... Lá, os soldados nazistas eram bem tratados, a comida era boa e eles eram pagos até mesmo por seu trabalho.

A idéia dos americanos era "redirecionar" o inimigo, mostrando o "american way of life", a democracia e os benefícios de seu sistema ... Para fazer isso, eles sempre foram muito atenciosos e gentis para com os seus cativos, eles mostraram documentários sobre o estilo de vida americano, que ofereciam  limpeza e higiene no campo, muitas atividades ... muitas vezes até deixavam passear fora do campo com pouca vigilância.

Realisticamente, temos de reconhecer que havia pouca chance de escapar ... Fora do campo, só existia o vasto deserto do Arizona  ... E acima de tudo, eles estavam na América.

Alem de escapar da prisão, tinham que atravessarr este país imenso, atravessar um oceano para voltar  a Europa, ou no máximo, viajando milhares de quilômetros para chegar à América do Sul. ... a  idéia de fugir era considerada por muitos soldados alemães como loucura e a maioria preferia passar o resto da guerra nesse país que tão bem os estavam tratando ...

No entanto, a Convenção de Genebra estabeleceu que era o direito e a obrigação de cada soldado preso tentar escapar ... e Jürgen Wattenberg,  não pretendia passar o resto da guerra trancado naqueles barracões.


Igual  a fuga do filme "Great Escape" Jürgen começou uma organização dedicada durante todo o dia e noite para planejar a sua própria fuga ... Foram concebidos mapas, bússolas, trajes e roupas para a viagem para fora do campo ... Wattenberg assumiu o comando e ordenou que na noite de Natal, ele fazer uma surpresa para seus captores, realizando uma fuga com mais 25 presos.

Depois de várias reuniões ficou decidido que o melhor caminho para sair de lá era, como no grande filme, fazendo um túnel sob as barracas do acampamento que iria levá-los perto de um canal, nos arredores de Papago.



 Entrada do túnel escavado pela Wattenberg em Papago Park | 1944 | Domínio Público

Em seu plano de fuga e, especialmente, na construção do túnel, os alemães encontraram várias diferenças da fuga do grande Steve McQueen ... algumas os ajudaram e outras os prejudicaram seriamente.

A grande decepção encontrada pelos homens de Wattenberg  foi a dureza do solo ... O túnel tinha que ter pelo menos dois metros de profundidade, no entanto, em várias sessões, eles encontraram um piso de pedra, que enfrentaram por quase um ano para conseguir 1,80 metros.


A favor de seu plano era que a sujeira e detritos que foram extraídos eram da mesma cor que tinham espalhadas pelo campo, e não tinham muito trabalho para esconder.


prisioneiros alemães que trabalham em Papago | 1944 | Domínio Público

Junto com o trabalho agrícola que os prisioneiros desenvolviam em Papago, Wattenberg surgiu com a idéia de construir um campo de voleibol e usá-lo para esconder os escombros retirados do túnel.

 Solicitou permissão as autoridades do campo as mesmas concederam-lhe.


prisioneiros alemães a jogar vôlei em Papago | 1944 | Domínio Público

O túnel evoluiu para uma média de 90 centímetros por dia ...

Os alemães construíram trilhos para tirar os escombros e dos banheiros do campo pegaram eletricidade para iluminar o túnel para que eles pudessem trabalhar durante a noite.

No total, foram 54 metros de túnel escavado em rocha íngreme, eles estavam prontos para o grande dia ... Em 25 de dezembro de 1944.


Aquele dia de Natal, aproveitando que os guardas do campo era menor do que em outros dias, os soldados alemães com o comando de Jürgen Wattenberg, começaram a deslizar por aquele túnel escuro, a caminho para a liberdade ...

Os outros soldados que estavam no campo concordaram em iniciar uma luta fictícia  para enganar  os guardas, enquanto seus companheiros atravessavam pelo túnel ...

Em menos de duas horas, os 26 alemães  que compunham o destacamento de fuga, estavam fora da visão das torres ... tinham conseguido escapar.

Mas o que havia de vir, foi um fracasso ... Os mapas, apontavam para uma linha azul, pensaram ser um grande rio ... Fizeram até uma espécie de balsa para ser usada na fuga ... No entanto, todos no Arizona (menos eles) sabiam que o rio estava seco há décadas, e na chegada, encontraram apenas um canal vazio com um pouco de lama ...

Após esta derrota, os soldados alemães decidiram se separar ... Desejando a cada um que tivesse sorte, ir o mais longe o que pudesse. O deserto acabou com eles em poucos dias e decidiram entregar-se por sua própria vontade.

Mas Jürgen  resistiu ... Wattenberg com poucas provisões e uma bússola  conseguiu através o deserto e chegar a  Phoenix, onde foi capturado em uma tentativa de chegar à estação de trem.

Em seu retorno ao campo, duas semanas depois daquela noite da fuga, Jürgen Wattenberg foi saudado com aplausos por todos os seus colegas. Depois de ser alimentados pelos guardas, Jürgen foi mantido incomunicável durante uma semana como castigo ...

Coloque na geladeira ... mas, desta vez, não creio que lhe deram uma bola para se divertir nos longos dias que ficara entre aquelas paredes ...



Mais informações e fontes:
É uma pena, mas não há nada em portugues (ou pelo menos eu não encontrei nada) sobre a aventura épica de Jürgen Wattenberg. Os dados e história desta evasão particular surgiu a partir de uma menção em um dos documentários do History Channel , Fugas da IIWW. No documentário que eu tenho as datas, detalhes e algumas imagens que eu usei fotografias. As outras fontes e fotografias, têm seus links no texto.


aldea-irreductible

2 Comentários:

Rioblogger - Eduardo Rey disse...

Bela matéria. Nunca tinha ouvido nada a respeito. Parabéns

Prof. Adinalzir disse...

Essa eu também não conhecia. Muito bom! Valeu! :)

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo