terça-feira, 12 de abril de 2011

Perito faz duras criticas a plano nuclear do Brasil

Atualmente o País possui duas usinas nucleares em
operação, ambas localizadas em Angra dos Reis (RJ).
A polêmica sobre usinas nucleares que se instalou mundialmente após os incidentes que provocaram vazamento radiativo em Fukushima, no Japão, também atingiu o programa nuclear brasileiro. Enquanto o presidente da Associação Brasileira de Energia Nuclear (Aben), Edson Kuramoto, defende a manutenção dos planos de expansão, grupos ambientais, como o Greenpeace, e especialistas na área criticam duramente o projeto.

O professor Ildo Luís Sauer, doutor em engenharia nuclear pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT) e coordenador do Programa de Pós-Graduação em Energia da Universidade de São Paulo (USP), vai além do discurso imediato dos riscos de acidente. O especialista aponta problemas que considera "heranças difíceis" caso o País leve adiante a ideia de construir mais quatro usinas até 2030 - além de Angra 3, no Rio de Janeiro, que está sendo terminada.

"O Brasil tem recursos naturais que interferem menos com a biosfera. São do ciclo hidrológico e do ciclo eólico, da própria biomassa, que deixam menos impactos que qualquer um dos outros. A energia nuclear deixa dentro da terra, em algum lugar, um material perigoso, que sujeito a outras atividades naturais, como terremotos, tsunamis e mudanças no equilíbrio geológico, exige cuidados de 300 a 2.000 mil anos. São heranças difíceis", diz Sauer.

O pesquisador concluiu a pouco um estudo em que tenta provar que o País é capaz de atender à demanda futura sem a necessidade das novas usinas nucleares. "A população brasileira, segundo o IBGE, vai se estabilizar em 2043, chegando próximo aos 220 milhões de habitantes. Se nós formos dobrar o consumo per capita de energia de hoje, de 2,5 mil quilowatts/hora por ano, para 5 mil, nós podemos produzir toda a demanda de energia combinando a apropriação de 50% do potencial eólico hoje existente no Brasil e 70% do potencial hidráulico, com alguma complementação térmica nos períodos hidrológicos críticos, para diminuir o custo. Então o Brasil tem essa capacidade", afirma.

Segundo ele, a queda de custos também seria expressiva - uma economia de metade do capital. "Nosso estudo mostra que o custo da energia eólica já é competitivo com o da nuclear e tende a cair à medida que a escala aumenta. Eu proponho a retirada das quatro usinas nucleares previstas, além de Angra 3. Elas vão custar R$ 40 bilhões só de capital direto, mais o custo do combustível, o custo da operação, de cuidar delas no futuro, daqui uns 30 ou 40 anos, além de cuidar dos dejetos por 300 anos com muita cautela e por mais 2.000 anos com cuidados menores. Nós temos contas mostrando que essa mesma energia de Angra 3, mais os quatro novos reatores, podem ser produzidas custando apenas R$ 20 bilhões de capital, em uma combinação de recursos", diz o professor.

Reatores úteis

Mesmo com críticas ao programa nuclear brasileiro, Sauer aponta que este tipo de investimento seria útil à população, contanto que seja repensado. Ele defende a construção do reator previsto para a cidade de Iperó (SP), se este for utilizado para pesquisas, e mais um para atender a necessidade de radiodiagnóstico da população.

"Eu proponho montar o reator que está projetado para Iperó, e que ele seja operado experimentalmente, para consolidar tecnologia nuclear segura com resfriamento do reator, sem bombas, só com confecção natural, e que outro reator de alto fluxo seja feito e dedicado para produzir condições de pesquisa de novos materiais, pesquisa na biologia, agricultura e, acima de tudo, produzir radioisótopos para diagnóstico, que hoje são importados e acessíveis só à elite brasileira. Dá pra popularizar isso e atender todo o SUS com apenas um reator de pesquisa. Se a gente quiser mudar a estratégia, vamos poupar R$ 20 bilhões, produzir a mesma energia e não teremos como herança aquela carga de material radioativo a exigir cuidados por séculos e até milênios", alerta o pesquisador, que acredita que o reator custaria menos de R$ 1 bilhão de reais.

Segundo o especialista, tais reatores seriam pequenos e não representariam risco significativo, comparado com os que estão nos projetos do governo federal. "Esses reatores menores trazem benefícios, os outros só trazem problemas: custos incrementais e heranças a deixar para as próximas gerações, de forma que o governo brasileiro foi, no mundo, um daqueles que menos se dispôs a rever os planos futuros, ainda mais agora, frente ao caso de Fukushima".

Segurança

Após o acidente acontecido no Japão, a Eletronuclear - estatal responsável pelas operações de Angra 1 e 2 - anunciou que estuda construir uma Pequena Central Hidrelétrica (PCH) nas imediações das usinas. A PCH tem como objetivo manter o sistema de refrigeração das centrais nucleares em caso de acidente e poderá ter no máximo 30 megawatts (MW). Duas opções de local são consideradas para a construção da usina: o rio de Mambucaba e o rio Bracuhy.

Durante a audiência pública sobre a segurança das usinas de Angra dos Reis, o presidente da Aben ressaltou a importância da energia nuclear para o desenvolvimento do Brasil e afirmou que a opção de energia hidráulica é limitada e que estará esgotada a partir de 2025. Disse ainda que as usinas nucleares deveriam ser tratadas como alternativas estratégicas. As afirmações foram recebidas com questionamentos da comunidade científica.

"O governo Lula ficou anos e anos na dúvida sobre isso, e no seu acaso, resolveu anunciar esses cinco projetos nucleares, ressuscitando um contrato de construção de uma usina da década de 70, ao invés de fazer uma nova licitação, por exemplo. Isso foi só para atender à pressão e ao interesse da construtora que ganhou aquele contrato que estava inteiramente superado. O projeto tem que ser alterado", diz o professor da USP. O especialista ainda afirma que, no caso brasileiro, praticamente um terço das usinas nucleares ¿não podem nem devem ser feitas, por razões de custos, por razões sociais e por razões ambientais".

"Hoje nós conhecemos 143 mil megawatts de energia eólica por fazer e 150 mil de hidráulica. Nem todas serão feitas, e as eólicas são muito pouco estudadas no País. Aqui no Brasil, o custo no último leilão, em 2009, foi muito baixo, o que permitiria dizer que a energia eólica é mais barata que a nuclear e que coloca ainda mais na berlinda a decisão de fazer Angra 3 e mais quatro usinas. Isso deixou insustentável o discurso dos dois ministros responsáveis pelo assunto. Estamos às raias da inconsequência", completou.

Procurado pela reportagem do Terra, o Ministério das Minas e Energia não respondeu às perguntas feitas, alegando estar sem porta-voz.

Terra
jornalvarginhahoje

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo