terça-feira, 28 de setembro de 2010

Especialista alerta para número de acidentes domésticos com idosos


Na passagem do Dia Nacional do Idoso, 27 de setembro, um alerta sobre o número de acidentes envolvendo quedas na terceira idade, que são problema de saúde pública. As quedas e as consequentes lesões causam impacto social em países em que ocorre expressivo envelhecimento populacional, como é o caso do Brasil. 

Segundo o IBGE, o número de idosos no Brasil, passou de 14,8 milhões em 1999 para 21,7 milhões em 2009, o que equivale a mais de 11% da população. A expectativa de vida atingiu 77 anos para as mulheres e 69,3 anos para os homens. 

No Hospital João XXIII, da Rede Fhemig, de janeiro a agosto deste ano, foram atendidas 6.583 pessoas com idade acima de 60 anos. Desse total, 2.024 (em torno de 30%), foram relativas a quedas. Na faixa etária de 60 a 69 anos foram 862 casos e acima de 70 anos 1.162.  Em 2009 foram 1.308 atendimentos por queda na faixa etária de 60 a 69 anos. Já a partir dos 70 anos foram 1.781 atendimentos.

A queda é o mais sério e freqüente trauma que ocorre com os idosos e a principal causa de morte acidental de pessoas acima de 65 anos. Além disso, 30% dos idosos com mais de duas quedas anuais, que sofrem alguma lesão, apresentam redução da mobilidade, da independência e aumento do risco de morte. Quase metade destas mortes associam-se a fratura de fêmur. Após a hospitalização, algumas complicações também podem culminar em morte, como pneumonia, infarto do miocárdio e embolia pulmonar.

De acordo com um estudo do Conselho Regional de Medicina, 55% dos idosos acima de 85 anos sofrem quedas e 30% caem pelo menos uma vez por ano. As quedas respondem por 70% das mortes acidentais  em pessoas  acima de 75 anos e é a sexta causa de óbito em pacientes com mais de 65 anos.

A médica Vânia Tanure, que trabalha a quase 30 anos no Hospital João XXIII, explica que a ocorrência de queda é maior em mulheres do que homens, por vários motivos: idade mais avançada, frequência menor de atividades externas e de movimentação e  maior uso de psicotrópicos, entre outras causas. A maioria dos idosos cai da própria altura (tombo) e 70% das quedas ocorrem em casa.

De acordo com a clínica geral Vânia Tanure, as quedas estão relacionadas a problemas com ambiente, tais como: piso escorregadio, relatado como maior causa de queda; objetos no chão, queda da cama e problemas com degrau, entre outros.

Ela assinala que a prevenção passa pelo conhecimento dos fatores de risco, como a história prévia das quedas. “Uma ou mais quedas no ano anterior aumentam o risco de novas quedas no ano seguinte”, explica. O consumo de medicamentos é outro fator risco. Entre eles, Vânia Tanure destaca as drogas psicotrópicas, como ansiolíticos, indutores do sono e antidepressivos, e as de uso cardiológico. Ela afirma que “o consumo de quatro ou mais medicamentos simultaneamente também aumenta os riscos. Essas drogas podem diminuir as funções motoras, causar fraqueza muscular, fadiga e vertigem”, alerta.

De acordo com a médica, a queda com frequência do idoso pode sinalizar, ainda, algo de errado com a saúde dele, podendo indicar a eminência de uma doença ainda não diagnosticada como hipertensão, diabetes, Parkson, artrose, artrites, osteoporose. O estado psicológico também influencia. O medo de cair novamente após um tombo está relacionado a novos episódios de quedas e também o estado depressivo. Segundo Vânia Tanure, o risco aumenta, ainda, em decorrência de deficiência nutricional, declínio cognitivo (demências e sequelas de acidentes vasculares cerebrais) e deficiência visual.

Quanto aos fatores externos, destacam-se a iluminação inadequada, superfícies escorregadias, tapetes soltos ou com dobras, degraus altos ou estreitos e obstáculos no caminho. Também contribuem para as quedas, a ausência de corrimãos em corredores e banheiros, prateleiras excessivamente baixas ou elevadas, roupas e sapatos inadequados e via pública mal conservada com buracos ou irregularidades.

Vânia Tanure chama atenção para a necessidade de avaliação médica periódica e a adoção de um programa de exercício físico, respeitando as limitações de cada idoso, para melhorar a força muscular e o equilíbrio.

Dados

A população no mundo está ficando cada vez mais velha e, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), por volta de 2.025, pela primeira vez na história, haverá mais idosos do que crianças no planeta. O Brasil, que já foi celebrado como o país dos jovens, tem hoje cerca de 13,5 milhões de idosos, que representam 8% de sua população. Em 20 anos, o País será o sexto no mundo com o maior número de pessoas idosas.

O avanço da medicina e a melhora na qualidade de vida são as principais razões dessa elevação da expectativa de vida em todo o mundo.

jornalvarginhahoje

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo