quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Levitação magnética volta a ser testada pela NASA

Por Paula Rothman 

No final da década de 90, a Agência Espacial Norte-Americana (NASA) já investia na chamada MagLev - a levitação magnética. Hoje, a tecnologia volta a ser notícia enquanto a agência tenta reduzir custos. Conseguir sair da Terra com um foguete certamente não parece ser uma tarefa fácil. O que pouca gente talvez saiba, no entanto, é que um dos grandes desafios para engenheiros espaciais não é o projeto do foguete em si, mas sim o combustível.
Vencer a gravidade requer uma grande quantidade de propelente – o que implica em muitos custos e um peso elevado para ser lançado. Para se ter uma ideia, cada meio quilo colocado em órbita custa US$10 mil para ser lançado. Reduzir essa quantidade a apenas algumas centenas de dólares requer da NASA investimentos em novas formas de lançamento. O Centro Espacial Marshall é um dos muitos locais de testes de novas tecnologias que poderiam dar aos foguetes um “empurrãozinho” extra em sua ascensão à órbita.

Uma das propostas seria uma nave com jatos para lançamento vertical em um trilho elétrico ou trenó movido a gás. A nave chegaria a Mach 10 usando então os jatos e as asas para chegar às camadas superiores da atmosfera. Lá, um segundo estágio seria acionado para que ela entrasse em órbita. Outra proposta é a MagLev, uma tecnologia que tem um conceito similar: ela poderia levitar e acelerar um veículo de lançamento ao longo de uma pista a velocidades muito altas antes dele deixar o chão. Usando eletricidade e campos magnéticos, um sistema MagLev de auxílio colocaria a nave em um trilho horizontal até que ela alcançasse a velocidade desejada para, então, acionar os motores e se lançasse em órbita.

Um trilho desses, de cerca de 2,4 quilômetros, teria a capacidade de acelerar um veículo a mais de 900 km/h em 9,5 segundos. Uma vez que usa eletricidade, uma fonte de energia fora da nave, o peso no lançamento poderia ser até 20% menor do que em um foguete comum, o que resultaria em redução significativa de custos. Cálculos da NASA feitos no ano 2000 estimam que, usando este sistema, custaria apenas US$75 de eletricidade. Há mais de 10 anos a tecnologia já se mostrou viável, experimentos foram validados em uma pista de seis metros e outras duas pistas maiores foram construídas. No entanto, fica a pergunta: quantas outras décadas serão necessárias para os experimentos realmente  decolarem?

Agradecimentos a:
Paulo R. Poian.
Consultor da Revista UFO Brasil

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo