terça-feira, 5 de outubro de 2010

O registro do pop - Revista Rolling Stone

O que é cultura pop? Alguns a definem como o conjunto de reações dos consumidores perante produtos, ideias e ideais lançados pela indústria do cinema, música e meios de comunicação. Outros defendem o contrário: é a torrente de interesses oriunda dos grupos sociais que reverbera nos meios. Complexo. O que importa é que em ambos os casos, gerada ou não por ela, a mídia “mastiga” conteúdos e os dissemina visando atingir altos níveis consumo ou proliferação de ideias. E esse movimento indústria-povo é uma definição aceitável para a pergunta do início do parágrafo.
Tão difícil quanto definir o termo é descobrir a origem do movimento. Com a técnica silogística baseada nos argumentos ditos acima, é plausível fundir o início da cultura pop com o da comunicação em massa. Os jornais como os conhecemos hoje adquiriram este formato juntamente com a evolução de técnicas gráficas e do sistema postal – e isso se deu, veja lá, entre o final do século XIX e início do século XX. Tornaram-se os percursores na divulgação da programação cultural e no destaque de personalidades do teatro, da música e do cinema. As primeiras salas de espetáculo lotadas por conta da divulgação não só do trabalho, mas também da vida pessoal dos artistas, podem ser consideradas o suspiro inicial da cultura pop e da revolução da informação.
Um pouco depois, já em 1967, o movimento hippie, o rock’n’roll e a guerra do Vietnã ocupavam as manchetes da imprensa conservadora. Enquanto isso, protestos causavam mudanças no pensamento comum que, aliados ao boom de expressões artísticas nas mais variadas formas, foram o grande alimento para o fortalecimento da cultura pop em escala industrial. Surgia um terreno fértil e ainda carente de publicações que gerou público sedento por um veículo que cobrisse toda essa expressão artística. E, em novembro, lá estava ele, imponente: John Lennon estampava a capa da primeira edição da Rolling Stone. Havia outra maneira de uma magazine causar maior impacto?
Podemos considerar Jann Wenner – estudante da Universidade da Califórnia – e seu mentor Ralph J. Gleason – crítico de jazz do San Francisco Chronicle – os fundadores da revista. Com apenas 20 anos, Wenner arrecadou U$7500 dólares em empréstimos com seus familiares e parentes de sua noiva (com quem logo se casou) para reunir capital suficiente e lançar a primeira edição de forma independente. Assim que publicada em São Francisco, a repercussão foi tamanha que uma editora e vários patrocinadores se dispuseram a apoiar o projeto. Anos mais tarde, a sede foi transferida para Nova Iorque a fim de se aproximar mais ainda das agências publicitárias.
Inicialmente dedicada à contracultura hippie, com o passar do tempo a revista foi se afastando das políticas de edição underground por estas serem demasiado radicais. Começou, então, a adotar um jornalismo mais tradicional, mas movido a atitudes inovadoras. A música, o foco primordial, é um produto artístico decorrente do mundo que a envolve, logo, está intrínseca e completamente relacionada com o que acontece ao seu redor. E a proposta se baseia nisso: abordar um universo de assuntos a partir de seus reflexos musicais. Logo na primeira edição, Wenner deixou isso claro ao publicar a pequena nota: "Não falamos só sobre música, mas sobre as coisas e atitudes que a música envolve".
Hoje podemos ver o resultado: a edição americana é publicada quinzenalmente e exportou a fórmula para 17 países, incluindo o Brasil, desde 2006. Em 1997, Wenner foi incluído no Hall da Fama com o mérito de ter sido o editor mais jovem da história (ainda ocupa o cargo) e em 2004 no Hall da Fama do Rock and Roll pelo seu empreendimento de apoio à cultura do rock. Manter um ideal firme por 43 anos cada vez mais preocupado em não desvirtuar do propósito inicial gerou uma conseqüência indiscutível: a documentação da história da cultura pop.
Sempre contando com fotógrafos e ilustradores competentes que promovem ensaios muito originais (mas ainda comerciais), as capas da Rolling Stone são o registro histórico fotográfico dos grandes destaques do mundo pop das últimas quatro décadas. Confira um acervo de capas que contempla boa parte do período entre a primeira edição e outubro de 1999 clicando aqui.


Fontes das imagens: 1, 2, 3, 4, 5, 6.
Fonte: http://obviousmag.org/

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo