quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Volta da CPMF é tema controverso no Senado, sem consenso mesmo entre aliados

A possibilidade de volta da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) no ano que vem tornou-se um tema controverso no Senado. Falta consenso até mesmo entre os integrantes da base aliada. O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), por exemplo, afirma que a cobrança da CPMF apenas se viabilizaria no contexto de uma reforma tributária.

“A CPMF é um mecanismo de arrecadação. Não podemos discutir simplesmente o aumento de tributo mas, sim, [temos que avaliar] substituir tributos. Fora disso, a discussão não prospera”, diz Jucá. Para ele, tratar isoladamente desse tema no Congresso não é a forma mais eficaz. "E não adianta abrir uma guerra santa [pela CPMF]”.

A líder do governo no Congresso, senadora Ideli Salvatti (PT-SC), por sua vez, afirma que a única possibilidade de aprovar a volta da CPMF seria sua substituição por outro tributo. Ideli lembrou que a presidenta eleita, Dilma Rousseff, mostrou, de forma clara, que pretende baixar impostos incidentes na folha de pagamentos, nas importações e na área de investimento.

Nesse contexto, acrescentou a senadora, caberia pensar no reforço de caixa da saúde pública com recursos da CPMF. Segundo ela, esse é um imposto “de melhor qualidade, mais justo e praticamente sem condições de sonegar”.

É consenso no PSB não discutir qualquer tema que represente aumento da carta tributária, diz o senador Renato Casagrande, eleito pelo partido governador do Espírito Santo. Assim como o líder Romero Jucá, Casagrande ressalta que o debate sobre a CPMF só terá cabimento se vier junto com a reforma tributária.

“Criar um tributo de forma isolada é inoportuno. Se quiserem criar um tributo, tem que desonerar em outra área. Não pode ter aumento da carga tributária”, afirma Casagrande. No entanto, com a recriação da CPMF, ele teria o caixa do governo que chefiará a partir de 1º de janeiro reforçado com mais recursos para aplicar em saúde pública, uma vez que caberia à União usar o dinheiro arrecadado com a contribuição em investimentos nos hospitais da rede pública estadual.

O vice-presidente do PMDB, Valdir Raupp (RO), também tem restrições à volta da CPMF e diz que é “mais simpático” à regulamentação da Emenda 29, que define os compromissos da União, estados e municípios com investimentos orçamentários em saúde pública. “Tenho recebido muitos e-mails dizendo não à CPMF. Apesar disso, ele admite que o PMDB poderá apoiar uma proposta do governo que estabelecesse um percentual “palatável” para o cidadão, como, por exemplo, 0,10% sobre as transações financeiras.

O líder do PDT, Osmar Dias (PR), avisa que ainda vai conversar sobre o tema com sua bancada no Senado, mas diz que, pessoalmente, seria favorável à volta da CPMF desde que todo o dinheiro arrecadado fosse investido em saúde. Dias lembra que o tributo, extinto em dezembro de 2007, não era aplicado em sua totalidade no setor – parte cobria despesas da seguridade social.

Osmar Dias, que votou contra a extinção da CPMF, considera esse tributo mais justo, porque preserva os trabalhadores que ganham até dois salários mínimos. “A partir do momento em que vejo a Fiesp [Federação das Indústrias do Estado de São Paulo] se manifestar contra, crio a convicção que este é um imposto que só contraria os ricos. Os mais pobres, aqueles que ganham até dois salários mínimos, não pagam CPMF e são os que utilizam a rede pública de saúde.”

Agência Brasil
jornalvarginhahoje

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo