segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Bispo recusa comenda do Senado Federal em protesto

Por ANTONIO CARLOS LACERDA
BRASILIA/BRASIL - PRAVDA.RU


No Brasil, o já desmoralizado Senado Federal, foi humilhado por um bispo da Igreja Católica Apostólica Romana, que compareceu à solenidade de entrega da Comenda de Direitos Humanos Dom Hélder Câmara, mas, se recusou a recebê-la, proferindo um discurso fulminante, recheado de linguagem bíblica com violência e veemência verbal, contra senadores e políticos corruptos.

O ato de coragem e ética foi do bispo de Limoeiro do Norte, no Ceará, Nordeste do Brasil, dom Manuel Edmilson da Cruz, de 86 anos, que recusou a comenda em protesto contra o aumento de 61,8% aos parlamentares aprovado pelo Congresso Nacional e a expectativa de apenas 8% no salário mínimo da grande massa trabalhadora brasileira.

Dom Manuel Edmilson da Cruz era um das cinco pessoas agraciadas com a comenda, que o Senado Federal conseguiu entregar apenas às outras quatro homenageadas: Marcelo Freixo, Wagner de La Torre, Antônio Roberto Cardoso e dom Pedro Casaldáliga, outro bispo da Igreja Católica Apostólica Romana que, por motivo de doença, enviou um representante.

Depois de criticar o não pagamento de precatórios, o baixo valor das aposentadorias, os salários mínimos "que crescem em ritmo de lesmas", dom Manuel lembrou o aumento dos parlamentares e o efeito cascata que a decisão deverá impor nos Estados e municípios.

No último dia 16, os deputados federais aprovaram, em tempo recorde, o próprio reajuste salarial de 61,8%, aumentando o vencimento do Congresso Nacional de R$ 16,5 mil para R$ 26,7 mil. O aumento salarial também englobou o do presidente da República (133,9%) e vice-presidente (148,6%).

Os deputados passaram dos atuais R$ 16,5 mil mensais para R$ 26,7 mil, enquanto que o salário mínimo vai passar de R$510,00 para R$540,00, o que significa um aumento de somente 8 %. Uma Vergonha Nacional!

"O povo brasileiro, hoje de concidadãos e concidadãs, ainda os considera Parlamentares?", indagou dom Manuel. "Quem assim procedeu não é Parlamentar. É para lamentar", fulminou o bispo.

"A Comenda hoje outorgada não representa a pessoa do cearense maior que foi Dom Hélder Câmara. Desfigura-a, porém. Sem ressentimentos e agindo por amor e com respeito a todos os senhores e senhoras, pelos quais oro todos os dias, só me resta uma atitude: recusá-la. Ela é um atentado, uma afronta ao povo brasileiro, ao cidadão contribuinte para o bem de todos com o suor de seu rosto e a dignidade de seu trabalho".

Dom Manuel acrescentou que, se aceitasse a homenagem, estaria agindo contra os direitos humanos. "O aumento a ser ajustado deveria guardar sempre a mesma proporção que o aumento do salário mínimo e o da aposentadoria. Isso não acontece! O que acontece é um atentado contra os direitos humanos de nosso povo".

O discurso foi encerrado com um pedido para "se desfazer o erro". "Deve-se retroceder", concluiu o bispo, indicado para a premiação pelo senador Inácio Arruda (PCdoB-CE), que justificou a escolha apontando a dedicação do bispo à defesa dos pobres, fracos, oprimidos.

Dom Manuel Edmilson da Cruz disse, também, que "Votar em político corrupto é votar na morte". O aumento salarial de 62% que os parlamentares deram a si mesmos é, para o bispo dom Manuel Edmilson da Cruz, equivalente a um crime com morte.

Enquanto a cerimônia ocorria no plenário do Senado, um grupo de estudantes protestava do lado de fora do Congresso também contra o aumento dos salários.

Leia, abaixo, trechos de uma entrevista de dom Manuel Edmilson da Cruz ao Terra Magazine.

Por que o senhor decidiu recusar o prêmio e fazer esse protesto em Brasília?

Dom Manuel Edmilson da Cruz - É muito claro. Quando você pensa nos brasileiros contribuintes, todos nós pagamos. Tiramos do nosso suor, do nosso trabalho, da nossa vida. Esse é um direito do contribuinte. E dizer que é uma homenagem a Dom Helder é outra coisa aberrante. Porque Dom Helder jamais pensaria assim. A vida dele foi o contrário de tudo isso.

E como foi a reação dos senadores?

O senador Cristovam Buarque aplaudiu assim que ouviu. Mas pouca gente estava lá. Outros fecharam um pouco o rosto e não gostaram, não! Acharam que não era o caso de dizer aquilo lá naquela ocasião. Mas a ocasião era aquela exatamente.

Por que o senhor foi a Brasília mesmo sabendo que não ia aceitar a homenagem?

Porque, se eu não fosse, não haveria o que houve. Não haveria uma palavra representando todo o povo brasileiro. O povo todo disse que aquilo sim era a palavra deles. Que eles se sentem felizes sendo cristãos por causa disso. Então o momento era aquele mesmo. Mas não é coisa arrogante, não. Eu falo é por amor.

O senhor acha que as pessoas deveriam protestar mais?

Acontece que, tirando exceções, a nossa política não pensa em povo. Pensa em época de eleições de um modo falso. Conhece os problemas, mas em teoria.

O senhor tem 86 anos. Já houve outras situações que o indignaram tanto?

Sim. É uma coisa muito pesada, mas eu já disse isso em Câmara, em Assembléia... Que votar em político corrupto é votar na morte. Isso está provado mais uma vez. Esses milhões que eles tiram da saúde estão matando gente. E na educação? Quando o menino não tem coisa para comer, mata a educação. E o transporte? Nas estradas todo o dia perdem a vida, os trechos esburacados. A pessoa perde a vida e o bandido leva o carro dela. Isso são crimes. Eu tenho aqui no bolso, vou ler para você a palavra de Deus, escrita há séculos. (Faz uma pausa para ler).

Eclesiastes capítulo 34, versículos 25 a 27: O pão dos indigentes é a vida dos pobres. Quem dele os priva é sanguinário. É assassino do próximo quem lhes rouba os meios de subsistência. Derrama sangue quem priva o assalariado de seu salário. É isso que está acontecendo.

Em que outros casos o senhor ficou tão indignado como dessa vez

O caso do Paulo Maluf, por exemplo.

É um celerado (sinônimo de criminoso). Eu não julgo a pessoa, pode ser até um santo filho de Deus, mas o que ele faz... Não é só de um cinismo. É celerado aquilo ali. O presidente do Senado (José Sarney), por exemplo. É um grande homem, mas tem aquelas acusações. Eu o admiro muito, mas o colocaram no Amapá. O que é que ele tem a ver com o Amapá? A família dele hoje também tem as mesmas consequências desastrosas. Eu estou falando assim com muita veemência, mas é também com muito amor. Rezo por ele todos os dias.

Mas o que falou que aconteceu no Maranhão?

Eu estava lá quando era bispo novo e ele (Sarney) ainda era governador. Ele desbancou lá. Estava fazendo aquilo que ele faz hoje, mas muito pior. Isso é que acaba com a vida de cada cidadão. Tem gente morrendo por causa disso. O SUS (Sistema Único de Saúde) é uma coisa maravilhosa, mas tem gente que espera dois anos para ser atendido e morre. Então é assassino mesmo. Não matou diretamente com um punhal, mas matou num processo que a pessoa nem percebeu. É pesado demais isso, eu fico morrendo de pena disso.

O senhor está otimista com o novo governo, que começa ano que vem?

Eu espero que sim. Eu não sou partido nem candidato, minha função é outra. Nem todo bispo pensa assim não, mas eu sustento que entre uma Igreja e poderes não pode haver ligação. Deve haver, sim, colaboração para o bem de todo o povo.

Então o senhor não gostou do que houve na eleição, quando vários religiosos tentaram influenciar o debate?

Não é função deles, não. Eu até entendo, mas na época de eleição lançar o problema do aborto... Foi uma coisa pouco pensada. Eu sei que foi com a melhor das intenções, mas não era o caso, não era o momento.

Até mesmo a orientação do Papa, que disse que a Igreja deveria dizer para os fiéis não votarem em quem fosse a favor do aborto?

Naquela hora não era para ser dito. Quando houve a Segunda Grande Guerra, houve aquela palavra forte do Papa Pio XI, a encíclica Mit brennender Sorge (que condenava o nazismo). Quando ela chegou à Polônia secretamente, o cardeal Adam Stefan Sapieha mandou queimar a palavra do Papa. Tem que dizer as coisas no momento exato. O cardeal nunca foi contra a palavra do Papa, mas ele viu que não poderia fazer aquilo porque iria haver muitas mortes contra os cristãos na Polônia. Então ele queimou na hora.

ANTONIO CARLOS LACERDA é Correspondente Internacional do PRAVDA.RU no Brasil. E-mail:- jornalistadobrasil@hotmail.com

fonte: pravda.ru

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo