quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Hiroshima, sempre na memória.

Os bombardeios de Hiroshima e Nagasaki mataram mais de 250.000 pessoas e deixou um legado de terror que ainda hoje existe. Nos anos seguintes, a destruição das duas cidades foi associado com imagens de prédios em ruínas e planícies cobertas de entulhos. Mas onde estavam as vítimas? No início de 1946, autoridades dos EUA ordenaram a destruição de centenas de fotografias e proibiu a divulgação de qualquer testemunha sobre o acontecido. Proibiu a população japonesa de fazer quaisquer comentários sobre os ataques ou informação que poderia "perturbar a tranqüilidade pública".

Ao longo dos anos, veio à tona alguns dos documentos classificados como "top secret", mas Hiroshima e Nagasaki, seguiria como uma figura terrível na enciclopédia, diferentemente do que aconteceu com outros massacres - as pilhas de cadáveres de Mauthausen ou por gases no Curdistão - em Hiroshima e Nagasaki nenhuma imagem, nenhuma consciência do horror, apenas algumas centenas de milhares de vítimas anônimas, se transformou em uma figura assustadora para que ninguém mais se esqueça. 
O que você vai ver é um testemunho da terrível destruição causada pelo homem, uma coleção de fotografias que já foram publicadas antes, mas raramente em conjunto. Aqueles que não estão preparados, ou apenas sentir o impulso de ver a morte , por favor, mudem de pagina. Aos outros, olhem com respeito, o único propósito deste post é para evitar que este horror fique no esquecimento. 

1. Os Sinais
Um dos muitos relógios encontrados em torno de Hiroshima, todos permanecem  na mesma hora fatídica, 20:15, o momento exato da explosão.
Em muitas áreas a força imensa de calor da explosão deixou uma marca em paredes e pisos. Em alguns casos, como esta ponte que está situada a um quilômetro do centro da explosão, fica claro que a chamada "sombra nuclear" que a explosão deixou marcada na ponte.
Em outros lugares, como neste muro, a explosão deixou impresso as silhuetas de algumas pessoas cujos corpos foram pulverizados em um piscar de olhos.


A imagem abaixo, localizado a cerca de 250 metros do centro da explosão, mostra a sombra de uma pessoa sentada nos degraus de um banco, provavelmente esperando para abrir. As temperaturas de 2.000 º C  ele foi incinerado.
 2. O horror
Em 6 de agosto de 1945, às 08h15, a bomba lançada pelo Enola Gay explodiu a uma altura de 580 metros acima do centro de Hiroshima, matando 70.000 pessoas instantaneamente. A explosão, com cerca de 6.000 graus de temperatura, não deixou um edifício  e nem árvores em pé  ficaram todos queimados a 120 quilômetros de distância.
Alguns minutos depois, a nuvem cogumelo subiu cerca de 13 quilômetros de altura e espalhou a precipitação radioativa condenado à morte milhares de pessoas que tinham escapado ao calor. Duas horas depois 120.000 pessoas morreram, 70.000 ficaram gravemente feridos e 80% da cidade tinha desaparecido.
Segundo a Wikipedia, a área afetada, de 5 quilômetros quadrados era densamente povoada. Havia milhares de casos de incineração instantanea, carbonização parcial e a queima de pessoas expostas no hepicentro da explosão, a mais de 10 km do marco zero.
Mas o horror não tinha acabado. Dias após a bomba atómica destruir a cidade, os médicos descobriram espantado que as pessoas continuavam a morrer sob uma forma enigmática e assustadora, os sintomas desconhecidos, "os médicos e cirurgiões tratavam as queimaduras como qualquer outra ,mas os pacientes foram queimados por dentro e morriam. Nenhum médico nunca tinha visto nada parecido."

"Sem qualquer razão aparente, sua saúde começa a deteriorar-se", escreveu Wilfred Burchett no seu relatório, "... Os médicos japoneses injetavam  vitaminas, mas a carne estava podre quando em contato com a agulha. Existe algo que destruiu o células brancas do sangue, mas não sei o que é. "

Esta imagem mostra o olho de uma vítima com "catarata de radiação." Muitos dos afetados estavam em um raio de dois quilômetros. A maioria dos casos ocorreu anos mais tarde.

3. Hibakusha


Hibakusha ("Pessoa bombardeadas") foi o termo que designava os sobreviventes japoneses. Oficialmente, houve mais de 360.000 hibakusha dos quais a maioria, mais cedo ou mais tarde, sofreu deformações físicas e outras doenças, como câncer e dano genético.

Paradoxalmente, muitos dos hibakusha foram duplamente vítimas: ". Acreditavam que a radiação era contagiosa" dos americanos e de seus próprios compatriotas, foram discriminados por anos 

"As pessoas normais não nos deixava aproximar", explicou um dos hibakusha anos mais tarde. "Algumas vítimas das bombas escondia o incidente e conseguia encontrar trabalho, mas assim que eles declararam uma das mil e uma doenças decorrentes da radiação eram demitidos imediatamente".

 4. Yamahata, o fotógrafo de Nagasaki


Em 10 de agosto de 1945, menos de 24 horas após a explosão da segunda bomba Yosuke Yamahata, Fotógrafo do exército japonês chegou à cidade de Nagasaki com a tarefa de documentar os efeitos do "novo tipo de arma." Yamahata andou por horas sob os escombros as cenas mais horríveis que ele tinha imaginado. Suas fotografias são uma das provas mais angustiantes da monstruosidade humana:




"Um vento quente começou a soprar - ele explicou anos mais tarde - em toda parte tinham pequenos incêndios, como tochas apagando-se: Nagasaki foi completamente destruída ... praticamente tropeçava em corpos humanos e animais que estavam em nosso caminho ..."

"Era um verdadeiro inferno na Terra. Aqueles que mal conseguiam sobreviver à radiação intensa, com os olhos queimados e a pele calcinada e ulcerada, vagavam inclinados apoiados por paus à espera de ajuda. Nem uma única nuvem para amortizar os raios do sol. Naquele dia de agosto, brilhando sem piedade no segundo dia após a explosão. "

Vinte anos depois, em 06 de agosto de 1965, quando ele recordou o vigésimo aniversário do bombardeio de Hiroshima, Yamahata subitamente doente. Aos 48 anos de idade, foi diagnosticado com câncer terminal do duodeno, provavelmente devido aos efeitos dos resíduos radioativos que recebeu em Nagasaki em 1945. Ele faleceu em 18 de abril de 1966 e foi enterrado no Tama Cemetery em Tóquio. 
Mais informações: http://www.gensuikin.org/english/photo.html

Mais informações e fontes: 1, 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10



fonte: http://www.fogonazos.es/

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo