quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Uma história contada pelos vencidos - Little Miss Sunshine

"There are two kinds of people in this world, winners and losers.” (Há dois tipos de pessoas nesse mundo, vencedores e perdedores.) São frases como esta que permeiam os diálogos entre as personagens de Little Miss Sunshine" - pessoas que, como muitos de nós, não conseguem escapar ao sentimento clichê de sentirem-se obrigados ao sucesso, tanto profissional, quanto emocional...


Sarcástico, politicamente incorreto, irreverente...são algumas das palavras que descrevem este filme de 2006 (Pequena Miss Sunshine, no Brasil, e Uma Família à Beira de um Ataque de Nervos, em Portugal).
Ao contrário do que muitos pensam, o filme não conta a estória de uma família feliz que, apesar de todas as dificuldades, trilha impávida o seu caminho. Muito menos faz parte da gama de filmes hollywoodianos que conduzem a trama para um final feliz. O enredo pode até ser decepcionante, se você é daqueles que esperam que no final tudo dê certo. A família Hoover é formada por indivíduos que não conseguem superar as próprias frustrações e não conseguem passar por cima de muitos obstáculos, creditando-a como uma das mais patéticas e fracassadas famílias de todo o cinema.
O filme tem algumas circunstâncias bem ridículas e que beiram o absurdo - mas o espectador se identifica com o drama dos protagonistas, com o sentimento de inquietação diante de uma vida que, aparentemente, não acontece, na qual os passos dados parecem não fazer sair do lugar. Um genuíno sentimento de impotência e autocomiseração, apesar do otimismo latente de algumas situações. A família Hoover é prejudicada pelos pressupostos sociais do que deveria ser ou ter.
Afinal, pergunta-nos este filme, qual o critério para sermos considerados perdedores ou vencedores? Quem estabeleceu esses critérios e porque cedemos a eles? Miss Little Sunshine satiriza todas essas questões.


A trama decorre enquanto os Hoover atravessam o Novo México, em uma velha kombi amarela, para levar a filha caçula a um concurso de beleza na Califórnia. A princípio, parece desinteressante, sugerindo, no máximo, um entretenimento recalcado em típicos temas de peripécias familiares mescladas de road movie. Mas o casal de diretores, Jonathan Dayton e Valerie Faris, vai além. O roteiro enfoca as seis distintas personalidades dos membros da família, tão diferentes que sua coexistência chega a ser histérica. Cada um, ao seu próprio modo, busca adaptar-se ao papel que, acreditam, foram destinados a desempenhar numa sociedade abusiva que, por meio de seus dogmas, os escraviza e idiotiza com padrões absurdos.
Porém, a principal personagem do filme é a velha kombi amarela. Apesar das intransponíveis diferenças entre os membros da família, o tempo que passam dentro da kombi abre oportunidade para partilharem as suas experiências, aliviando o fardo de cada um. A kombi, por sua vez, precisa ser empurrada sempre que um novo trecho da viagem é iniciado. Uma grande metáfora que mostra que o lugar comum a todos é o elo que permite apoiarem-se mutuamente.


Mas se este filme nos faz refletir sobre questões sérias, ele sustenta o seu potencial cômico durante todo o tempo, com cenas muito bem arquitetadas e humor inteligente. Filosofias são descascadas nas entrelinhas dos diálogos, incluindo referências a Nietzsche e a Proust.
O filme é uma crítica violenta ao culto à beleza, aos estigmas de vencedores e perdedores, sugerindo que a vida não é um concurso permanente. A vida é fracassar, perder, cair, e, por fim, levantar-se para novamente empurrar aquela velha kombi no caminho certo. Talvez o sucesso não sejam todas as conquistas, mas sim todas as tentativas.
O elenco ostenta grandes nomes como Greg Kinnear, Toni Collette, Steve Carell e o veterano Alan Arkin, que contribuíram para o sucesso de crítica e público. Little Miss Sunshine levou duas estatuetas do Oscar; o de Melhor Ator Coadjuvante para o fantástico Alan Arkin e o de Melhor Roteiro Original, além de ter sido indicado a mais duas categorias: Melhor Filme e Melhor Atriz para a jovem Abigail Breslin. A trilha sonora é imperdível, com músicas de Mychael Danna, Devotchka e Sufjan Stevens.


Fontes das imagens: 1, 2, 3, 4.



fonte: http://obviousmag.org/

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo