terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Coroa solar milhões de graus mais quente que a superfície é desvendada

Cientistas descobrem solução deste enigma
 Mosaico revela espículas no Sol fotografadas em 03 de agosto de 2010. Crédito: IBIS/DST/NSO
Por O Globo

Um dos maiores mistérios do Sol acaba de ser solucionado: o fato de sua coroa ser milhões de graus mais quente que sua superfície. Cientistas descobriram a maior fonte de gás quente que reabastece a coroa lançando jatos de plasma acima da superfície solar.

A descoberta foi publicada na revista Science e chama atenção para uma questão fundamental na astrofísica, como a energia se move do interior do Sol para criar calor na atmosfera.

"Sempre foi um quebra-cabeças descobrir por que a atmosfera solar é mais quente que a superfície", disse Scott McIntosh, físico solar do Centro Nacional de Pesquisa Atmosférica [NCAR, na sigla em inglês]. "Identificar que esses jatos inserem plasma na atmosfera solar aumenta nosso conhecimento sobre a sutil influência do Sol na atmosfera terrestre", continuou.

"Estas observações fornecem uma nova compreensão sobre a produção de energia do Sol e outras estrelas", comentou Rich Behnke, da Divisão de Ciências Atmosféricas e Geoespaciais. A pesquisa estava focada em jatos de plasma conhecidos como espículas [Saiba mais e veja imagens aqui], fontes de plasma propagados da superfície solar para a atmosfera.

Por décadas os cientistas acreditaram que as espículas poderiam mandar calor para a coroa, até a década de 80, quando se descobriu elas não alcançavam as temperaturas da coroa.

"O aquecimento das espículas a milhões de graus nunca foi diretamente observado, então seu papel no aquecimento da coroa foi dispensado", disse o pesquisador Bart De Pontieu. Em 2007, De Pontieu, McIntosh e seus colegas identificaram uma nova classe de espículas que se moviam muito mais rápido - freqüentemente a 100 Km por segundo - e viviam menos que as tradicionais.

O rápido desaparecimento desses jatos sugeriram que o plasma carregado poderia ser muito quente, mas a observação desse processo estava faltando. Os pesquisadores usaram então a observação da sonda não tripulada Solar Dynamics Observatory (SDO), da Agência Espacial Norte-Americana (NAS).

"A alta resolução espacial e temporal dos novos instrumentos foi crucial para revelar, pela primeira vez, a conexão entre o plasma a milhões de graus e as espículas que inserem esse plasma na coroa", completou McIntosh.
 
Agradecimentos a:
Paulo R. Poian.
Consultor da Revista UFO Brasil
 

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo