sexta-feira, 11 de março de 2011

O erro que condenou o projeto atômico nazista

Uma clara demonstração de como é importante a verificação independente da ciência.
porYuri

Para este post, temos os originais dos documentos secretos do programa nuclear da Alemanha nazista, que não foram desclassificados pelos proprietários posteriores, até muitos anos depois. No Deutsches Museum de Munique.
Havia muitas razões científicas, material, política e humana pela qual a Alemanha nazista nunca produziu uma bomba nuclear.
Entre elas, não acreditavam que poderiam produzi-la antes do final da II Guerra Mundial e, portanto, dedicaram os seus esforços em outras coisas mais importantes .

Vamos lá, que nunca levaram a intenção a sério e que a história mudou nas estradas que já conhecemos .

No entanto, a questão perdeu seu aguilhão: uma parte desta negligência feita por cientista atômico devido a um erro crucial, mas  facilmente sanado com uma simples verificação independente. Tal verificação e o erro foi cometido por um futuro ganhador do Prêmio Nobel, fez-lhes crer que a energia nuclear era muito além do que, talvez poderia ter sido. Poderia ser diferente? Haveria possibilidade de que o Terceiro Reich tivesse a bomba atômica e, portanto, mudasse o curso da história?

O submarino U-202 da Marinha nazista. Em 12 de junho de 1942, a navio desembarcou com sucesso uma equipe de sabotadores, em Long Island, Nova York. Seis dias depois, U-584 fez o mesmo perto de Jacksonville, Flórida. Embora os sabotadores foram traídos antes que eles atingissem seus objetivos, os dois navios tinham completado a sua missão e retornaram com segurança para sua base, em Brest. Durante 1942 e 1943 havia mais de vinte submarinos alemães que operavam no Golfo do México até a foz do Mississippi. E então quanto em 05 de maio de 1945, dois dias antes da rendição, o U-853 torpedeou  um navio mercante dos EUA na frente de Rhode Island, antes de ser afundado, por sua vez. Qualquer um deles poderia ter a bordo uma bomba atômica primitiva destinados à costa leste dos Estados Unidos.
 O clube de urânio.
Em 03 de julho de 1967, vinte anos após o fim da Segunda Guerra Mundial , o físico teórico alemão Werner Heisenberg deu uma entrevista a um professor universitário americano , em várias declarações feitas surpreendeu muitos cientistas:

Desde o início, suspeitamos que, fosse realmente possível fazer explosivos [atômicos], mas exigiria muito tempo e esforço tão grande que havia uma boa chance de que a guerra terminasse antes que nós conseguissemos. 

Quando conseguimos exito com o experimento L-4, sabíamos que poderíamos fazer reatores e, graças ao trabalho de Weizsacker, que assim podiasse fazer plutónio ou algo parecido, nós sabíamos que em princípio, eramos capazes de criar bombas atômicas. 

Mas mesmo assim não fizemos nenhum esforço nesse sentido. Vamos ser sérios: se nós quiséssemos fazer a água pesada necessária , levaria de 1-3 anos para conseguir o suficiente. Produzir plutônio suficiente iria demorar mais três anos. Assim, com a melhor consciência do mundo, diriamos ao governo "não vai ser possível fazer uma bomba, serão necessários pelo menos cinco anos." 

Já sabíamos que seria proibido qualquer empreendimento que não poderia ser utilizado durante o próximo ano assim estava claro que eles diriam: "Não, não! Não dedicar esforços para a bomba atômica! ". E foi isso que aconteceu.

A mais proeminente líder do programa atômico alemão está nos dizendo que, basicamente ... não havia nenhum projeto atômico alemão digno desse nome. Que, na corrida para a bomba, os EUA estavam essencialmente sozinho, apesar de todos os grandes temores cientistas estavam emigrando prá lá fugindo do  nazifacismo. E, acrescenta:

A decisão de não fazer a bomba atômica [] tomadas por nosso governo foi muito sensata. Teria sido muito sensível, mesmo para o governo de vocês, porque poderia ter vencido antes da guerra contra a Alemanha, se não tivesse sido colocados para fazer bombas. Não há dúvida sobre isso: Se vocês fizessem todo esse esforço para fabricar aviões, tanques e assim por diante, a guerra iria acabar logo. Isto pode não ser verdade no Japão, porque a guerra contra o Japão era diferente, mas se falarmos apenas da guerra contra a Alemanha, este é um fato.

Alguém poderia pensar que Heisenberg tentou limpar sua biografia com as palavras. Nós não fizemos nada de errado , não sabíamos nada do que estava acontecendo e todas essas coisas. O que acontece é que a evidência fala de forma convincente em seu favor. Ou melhor, a falta de provas. Por toda a Alemanha derrotada a Missão Alsos  norte-americana como sua versão soviética só encontraram evidência de alguma pesquisa, apenas recursos voltados principalmente para a construção de reatores experimentais ... nenhum dos quais conseguiu atingir massa crítica . Documentos, depoimentos, provas físicas, parece que a Alemanha nunca considerou seriamente a possibilidade de desenvolvimento de armas nucleares. A corrida para a bomba não existia.
Como pode uma coisa dessas? Vamos lá, a sério, os nazistas não eram exatamente uns pacifistas ou pessoas exigentes perante o derramamento de sangue dos outros. É muito duvidoso que os fundadores de Auschwitz , Treblinka e Sobibor , os autores do Generalplan Oriente que queria exterminar os infrahombres desta tanto como judeus, ciganos e comunistas, teriam hesitado muito quando poderiam ter mandado pelos ares um milhão de pessoas com bombas atômicas. Heisenberg  apontou-nos uma razão para os líderes nazistas  descartarem essa possibilidade: a possibilidade duvidosa de construir uma arma nuclear antes do final da guerra. O ganhador do Nobel alemão, na entrevista mencionada, sugere mesmo um pouco mais:

Houve, naturalmente, uma intenção muito clara da nossa parte: tínhamos de nos manter envolvido em um grande esforço para fazer bombas atômicas. O que queríamos era conseguir dinheiro suficiente para continuar o nosso projeto de reator, mas nada mais. Estávamos com muito medo de que em outro caso, alguém ordenasse: "Agora, vamos para a bomba atômica." [...] Isso veio como esperado. Definitivamente não queriamos que a gente se envolvesse neste  assunto da bomba.

Não quero idealizar esta questão: fizemos também pela  nossa segurança pessoal. Pensavamos que a probabilidade de que isso levaria ao desenvolvimento de bombas atômicas durante a guerra seria quase zero. Se não tivéssemos feito isso, seriam colocados para trabalhar milhares de pessoas e sem resultados ... poderia ter tido consequências muito desagradáveis para nós.
Experiência com que Lise Meitner, Otto Hahn e Fritz Strassmann descobriram a fissão de núcleos atômicos na Alemanha, em 1938. Deutsches Museum de Munique. (Clique para ampliar)

E a liderança nazista não observou nada? Ou seja, muitos cientistas e alguns políticos e militares já ouviram falar sobre o advento da energia nuclear antes da guerra. Mas, se Otto Hahn e Lise Meitner tinham descoberto a fissão nuclear na Alemanha nazista em 1938! Em 22 de abril de 1939 Joos Georg e Wilhelm Hanle comunicaram a Abraham Esau , diretor da divisão de física do Conselho de Investigação do Reich - possíveis aplicações militares da fissão nuclear. Apenas dois dias depois  Paul Harteck , assessor científico do Instituto de Munições do Reich , fez o mesmo, dirigindo se aos militares. Em 29 de setembro, um monte de físicos se reuniram no Ministério da Educação a considerar todas estas questões, fundando o primeiro Uranverein : o clube de urânio . Eles tiveram de Hans Geiger , o mesmo do contador Geiger . Manfred von Ardenne estava  investigando a separação de isótopos com o apoio entusiástico do Ministro dos Correios nazista Wilhelm Ohnesorge . Tudo no mais estrito segredo ... mas nas áreas do poder nazista. Obviamente, o Führer e seus assessores políticos e militares tinham que ser avisados do que estava acontecendo.

De fato. Em junho, o químico nuclear Nikolaus Reihl , diretor científico da empresa Auergesellschaft , entrou também em contato com o Gabinete de Munições do Reich  para anunciar que a empresa estava em posse de uma quantidade respeitável de resíduos de urânio, como resultado da produção de rádio . E se estivessem interessados, eles poderiam  processar o urânio, obtido a partir de minas da  Tchecoslováquia ocupada .   

Estavam interessados e logo inauguraram a fábrica em Oranienburg, ao norte de Berlim, que iria produzir óxido de urânio e outros metais de interesse até o fim da guerra.

Em 01 de setembro de 1939 estourou a II Guerra Mundial , não foram pegos de surpresa, estava vindo algo grande . Nesse mesmo dia, fundou-se o segundo Uranverein sob os auspícios do Conselho de Pesquisa do Reich, agora nas mãos de militares. No dia 19 deste mês, enquanto as últimas tropas polonesas  caiam ante a Wehrmacht na Batalha de Buzra , os cientistas atômicos alemães do segundo clube se reuniram em segredo pela primeira vez. Pouco depois do Instituto de Física Kaiser Wilhelm e do Instituto Max Planck, as duas mais importantes instituições da Alemanha, em matérias relacionadas com a física avançada, também passarem à jurisdição militar. Eles sabiam que o isótopo de urânio-235 era a chave para todo o assunto e tinha uma ainda mais promissora, não presentes na natureza, mas também descoberto na Alemanha: um certo eka-ósmio , o que hoje chamamos de plutónio .

Werner Heisenberg em 1940, pouco antes de descobrir que ele poderia construir um reator nuclear. Deutsches Bundesarchiv.
Em dezembro, o professor de Heisenberg, então, mesmo na Universidade de Leipzig, descobriu com grande entusiasmo que era possível construir um reator nuclear de urânio-235, que se estabiliza em torno de 800 º C, temperatura funcional. Nos últimos dias de 1939, Heisenberg escreveu uma carta ao Departamento da Guerra do Reich que terminava assim:

Conclusões: Com base nas evidências atuais, o processo de fissão do urânio por Hahn e Strassmann descobriram pode ser usado para produzir energia em grande escala. O caminho certo para construir um reator capaz de fazer isso enriquecer o urânio-235 isótopo. 

Quanto maior o grau de enriquecimento menor será o reator. O enriquecimento de urânio-235 é a única maneira de obter o volume do reator é pequeno quando comparado com um metro cúbico. 

Também é o único método de produzir explosivos várias ordens de magnitude, mas potente que os explosivos mais poderosos conhecidos até agora.

No entanto, para geração de energia pode ser usada até mesmo o urânio comum, sem enriquecimento do isótopo 235, quando utilizado em conjunto com outra substância que retarda, sem absorver os nêutrons de urânio. A água não é apropriada para isso. Em contraste, a água pesada e grafite de alta pureza pode ser suficiente como prova atual. As menores impurezas pode impedir a geração de energia.

Uau. Você acha que nesses momentos finais de 1939, o bom doutor Heisenberg não estava tão claro que omitindo a possibilidades explosivas da invenção. Por outro lado, também torna clara a necessidade de um moderador de nêutrons e as melhores opções para começar: o carbono sob a forma  ultra-pura de grafite e água pesada . Em meados de 1940 foram feitas várias tentativas para construir reatores pequenos, em Berlim-Dahlem, demasiado primitivo para o trabalho (eles tentaram usar o papel como moderador). Na carta seguinte, de Georg Joos ao Gabinete de Munições do Reich, datado de março de 1940, já refletia as necessidades de carbono puro para uso em reatores nucleares. Mas o que é isso de um moderador de nêutrons ?
Georg Joos carta ao Departamento de Munições do Reich  explicando os detalhes do carbono puro para formar grafita para uso nuclear. Ele especifica em detalhes as maiores proporções de boro, um absorvente de nêutrons poderoso para alterar as propriedades da reação em cadeia. Deutsches Museum de Munique. (Clique para ampliar)

Moderadores de Neutrons.
Reação em cadeia da fissão de núcleos atômicos. Para manter o urânio pouco enriquecido, temos de reduzir a energia de nêutrons rápidos e convertê-los em nêutrons térmicos. Isso torna o moderador. (Clique para ampliar)
Na reação em cadeia , os nêutrons produzidos durante a fissão provocar fissões novos núcleos atômicos de átomos ao redor. Se houver massa suficiente de material físsil para esses nêutrons encontrar algo útil, a massa crítica -, então a reação é capaz de se sustentar, gerando mais energia e mais fissões. Nos explosivos nucleares esta reação é muito rápida, usando o urânio 235 altamente enriquecido ou plutônio-239 sem restrições de qualquer espécie, procurando um pico de potência máxima. No entanto, em um reator nuclear é o oposto : você quer uma reação em cadeia de forma eficiente, econômica progressiva, operando com uma baixa proporção de material físsil que usam urânio natural seria possível ( urânio refinado e concentrado, mas com a mesma razão isotópica que ocorre na natureza). Naqueles dias era ainda mais importante: a quantidade de urânio disponível era baixa e as possibilidades de enriquecimento, diabolicamente difícil e caro usando a tecnologia da época.

Acontece que enquanto a maioria dos nêutrons de fissão são emitidos sob a forma de nêutrons rápidos , de alta energia. Você pode pensar que é ótimo para causar novas fissões  para garantir a reação em cadeia, mas ...  não é bem assim. A fissão do núcleo atômico ocorre melhor quando é atingido por nêutrons térmicos , menos energia. Simplificando, os nêutrons rápidos "são rápidos demais" para produzir uma resposta eficaz, enquanto que o calor se faz na velocidade certa. Portanto, a construção de um reactor nuclear exige eficiente desaceleração desses nêutrons rápidos, a substância responsável por tal é o moderador . Entre os moderadores de nêutrons são as melhores, como previsto por Heisenberg e outros, o grafite e água pesada.

No entanto, esta substância não deveria ser tão eficaz que tende a impedi-los completamente, porque então não temos um moderador, mas um absorvedor de nêutrons , que capta os nêutrons e interrompe a reação. Entre estes estão, pois, cádmio ou boro exemplo. Essa "resistência à passagem de nêutrons" pode ser medido de várias maneiras. Um deles é o comprimento de absorção , distribuição ou atenuação, o que indica a probabilidade que uma partícula não deve ser absorvida durante sua passagem por estas substâncias. Para construir um reator de urânio natural , sem enriquecimento de um lado, o comprimento de difusão de um moderador deve ser de aproximadamente 40 centímetros a um metro ou mais. Se for maior, não causa atenuação necessária e a reação em cadeia não irá ocorrer. Se menor, a substância atua como absorvedor de nêutrons e para completamente. O comprimento de difusão mínima para um moderador basíco de urânio natural é de 37 cm.

Norsk Hydro água pesada a 99,6%. Em toda a Europa não havia nenhuma outra instalação que produzia em quantidades industriais precisas. (Clique para ampliar)
A água pesada é H 2 O, com átomos de hidrogênio substituídos por átomos de deutério , ou seja, 2 H 2 O (ou D 2 O, óxido de deutério). Com um comprimento de difusão de 116 cm, é um excelente moderador de nêutrons. Mas ela apresenta vários problemas práticos. Fundamentalmente, é difícil, caro e complicado de produzir, e  com a pureza necessária (mais de 99%), de modo que, em última análise são caras e vem com um conta-gotas. Tanto assim que no tempo dos nazistas era apenas uma fábrica na Europa, que produzia, e que, devido a um acúmulo de coincidências e curiosidades: o fundamento da Norsk Hydro no Vemork, na Noruega. A Norsk Hydro desde 1927 mantém uma parceria com o grupo químico alemão enorme IG Farben e, além disso, a Noruega foi invadida pelos nazistas em abril de 1940, que teve livre acesso a este recurso. Mas isso não faz a água pesada ser mais barata, mais fácil ou mais rápido para produzir. Também tinha que ser transportada em uma jornada complicada para os laboratórios atômicos alemães.

O Grafite, em contraste, e principalmente de carbono  estão por toda parte. No início custava um pouco para produzir a pureza exigida, que é trabalhoso, mas depois deixados por toneladas na forma de blocos econômicos, de fácil manuseio, transporte e utilização. Portanto, todos os primeiros reatores construídos por todas as potências nucleares de urânio natural foram moderados a grafite . Quando se parte do zero, esta é a maneira mais rápida, barata e simples para obter energia nuclear e  armas atômicas.

E o reator, para quê?
Para tudo isso, para que precisamos de um reator para fabricar bombas? Por dois motivos básicos. A primeira é que, sem um reator de operação e uma série de detalhes sobre o funcionamento interno do núcleo atômico, que não pode ser aprendida, e sem esses detalhes, você ira construir a sua arma nuclear cegamente em uma montanha de importantes considerações técnicas. E segundo, para a produção de plutónio em quantidade facilmente e rapidamente .

Existem essencialmente duas abordagens para fazer a sua primeira bomba atômica. Uma delas é a captura de minério de urânio e enriquecê-lo uma e outra vez até chegar dezenas de quilos do precioso isótopo de urânio-235 para fazer uma bomba do tipo de Hiroshima . Esta é uma bagunça, que custa uma fortuna fora desse tipo de bomba , uma arma de uso restrito. Houve um momento em que, para este processo, a planta norte-americana em Oak Ridge consumia um sexto de toda a eletricidade produzida nos Estados Unidos. Alemanha nazista não poderia suportar tal coisa, mesmo por casualidade, ou em Oranienburg ou qualquer outra parte.

O reator B de Hanford , que produzia plutônio americanos para Trinity, Nagasaki e numerosas armas de guerra, era de urânio natural moderado por grafite  .
Os  Americanos é que foram para as duas faixas de uma só vez , mas as pessoas que sabem o que querem e como conseguir um preço justo opta sempre por plutónio. O plutónio é muito mais prático como uma arma do que o urânio, que custa muito menos para produzir e separados, torna mais fácil criar mais armas avançadas , e não precisam de tais infra-estruturas, grandes, caras e bem visível. Assim, a primeira bomba atômica foi de plutônio, a de Nagasaki era de plutónio, o primeiro dos Sovieticos foi  de plutónio e hoje  são totalmente ou parcialmente de plutónio. Confie em mim,  jovem para brincar com soldadinhos atômicos de urânio kk , cool plutónio. E voluntária ou involuntariamente, a Alemanha ficou com  ir por meio de plutónio .

O plutónio tem apenas duas maneiras de consegui-lo,  uma delas é que não ocorre na natureza. Estamos diante de um elemento sintético a ser produzido completamente. Há apenas uma maneira de fazê-lo em escala industrial: um reator nuclear. É muito simples. Bem, muito simples. Metes o urânio natural, que consiste principalmente de urânio-238 com uma pequena proporção de urânio-235. O urânio-235 físsil é o -238 não (normalmente). Aí você dá o pavio do reator. -235 Cisão da cadeia Iniciar e uma parte de seus nêutrons alcançar a -238. Mas, como já mencionado, o -238 não pode cisão, por isso é absorvido e se torna o urânio-239. O urânio-239 é violentamente instável e se decompõe em poucos minutos de neptúnio-239, que não é muito p'acá e transformada em ... pronto! Nossa expectativa de plutónio-239! Tudo isso acontece na linha, sem qualquer esforço adicional. A única coisa que você tem que tomar cuidado é que você não está fora de controle do reator (pelo acúmulo de material físsil novo, plutónio si-239) e não acumular muito plutónio-240, que a este nível só serve para jogar fora. Indo no caminho para obter uma bomba de plutónio melhor, mais rápido e mais possibilidades. Todas as vantagens.

Mas você precisa de um reator. Apesar de um reator experimental  . Sem o reator de plutônio ali (ou eletricidade nas aplicações civis da energia nuclear). Para todos os efeitos práticos da Alemanha nazista, não há  reator não tem bomba ou o programa nuclear ou qualquer outra coisa.

Assim, não havia outro meio para construir um reator. Eles tinham o conhecimento, os especialistas tinham as matérias-primas (não muitos, mas tinham) e duas opções para o moderador: a água pesada, difícil, remoto e cara, e grafite, fácil, fácil e barato (como carvão na Alemanha!). Qual você escolheria? Correto: ao contrário de todos os outros, escolheram a água pesada. Mas por quê?

As opções tecnológicas para o desenvolvimento das primeiras armas nucleares 1940-1960. (Clique para ampliar)
Walther Bothe em uma reunião de
físicos em Stuttgart, 1935
Um pequeno erro de um homem, um grande golpe para o projeto atômico nazista.

Enquanto Heisenberg foi convencido por razões teóricas que tanto grafite e moderador de nêutrons água pesada, era preciso verificar experimentalmente e determinar quanto com precisão absoluta. Com precisão germânica , como assim desejavam. A água pesada foi responsável por si mesmo, em colaboração  de Robert e KlaraDöpel  .

Devido à importância deste estudo. O estudo do grafite foi muito prestigiado por um outro físico, que sofreu uma rivalidade Heisenberg: Dr. Walther Bothe de Heidelberg, diretor da unidade física do Centro de Pesquisas Médicas Kaiser-Wilhelm, pai do primeiro acelerador Partículas alemão digno do nome e do futuro Nobel. Se você acha que são mais capazes do que ele, você sempre pode levantar sua mão e oferta voluntária Kamerad .
A esfera Bothe  para medir o comprimento de difusão de nêutrons na electrografite, em 1940. Em Walther Bothe, "O comprimento de difusão de nêutrons térmicos no electrografite", datado de 20 de janeiro, 1941, Kernphysikalische Forschungsberichte (G-71). Deutsches Museum de Munique.

Além disso, o Dr. Bothe tinha experiência neste domínio. Outros trabalhos sobre o urânio como combustível para energia nuclear, 05 de junho de 1940 já havia feito um estudo correspondente em uma amostra de carbono comum, concluindo que o comprimento de difusão era de 61 cm. Ou seja, bem acima do limite mínimo de 37 centímetros e mais de metade da água pesada, convencionalmente localizados entre 100 e 116 cm. Pensava que esta faixa de 61 centímetros ainda podia ser melhorada, porque a amostra de carbono estava bastante contaminado com cálcio, magnésio e outras coisas que alteram o resultado, de acordo com estimativas, utilizando grafite ultrapuro pode ser alcançado 70 cm. Isso se reflete nas suas conclusões:
... Depois [os dados] G1. (3) a absorção é de 6%, com um comprimento de difusão de 61 cm. Esta é a próxima, quer para o valor de 70 cm, onde Heisenberg mostrou que é possível que a máquina [o reator] [...]. Com o limite de erro estimado, é determinado o limite inferior do comprimento de difusão (37 cm). [...] Usando o carbono puro, o comprimento de difusão pode ser maior que 70 cm, com uma seção transversal de captura de menos de 0,003 x 10 -24 . 

Em qualquer caso, precisamos de mais experimentos com carbono. Parece que a idéia é unir-se para preparar imediatamente uma máquina de 38 [de urânio] e carbono. O carbono puro pode ser obtido, por exemplo, através dos meios propostos por Joos, em seguida, levá-la ao método do electrografite  para uma densidade de 1,5.

"Walther Bothe," O comprimento de difusão de nêutrons térmicos em carbono ". Datado de 05 de junho de 1940, Forschungsberichte Kernphysikalische (G-12).

Assim, durante as últimas semanas de 1940 o Dr. Bothe Heidelberg  começou a trabalhar com Peter Jensen e alguns estudantes universitários contratados como assessores de confiança. Com o máximo sigilo, montado em um porão de um Centro Médico de Pesquisa aparato para a medição utilizando a mais alta qualidade electrografite fornecidos pela Siemens-Plania: o melhor  grafite que pode ser conseguido na Alemanha na época.

Este dispositivo era basicamente uma esfera de 110 cm de diâmetro, formados por blocos de electrografite com um escudo exterior de borracha, que estava submerso em um tanque de água. A área foi equipada com uma moldura de alumínio na parte inferior, montado em uma madeira polida e ferro, mas era de outra maneira auto-sustentável, do lado de fora tinha fitas de cádmio. Acima, à esquerda um canal livre para introduzir a sonda e a fonte de nêutrons, uma preparação de berílio, radônio com uma atividade de setenta milimetros curiosidades , este canal é fechado, introduzindo mais blocos de grafite cilíndricos. Em um ponto do relatório que iria escrever mais tarde, Bothe reclama de não ter meios para fazer uma montagem mais elaborada.

Em 20 de janeiro de 1941, o futuro prêmio Nobel anuncia os resultados entre os membros do segundo clube de urânio com um relatório secreto superior direito o comprimento de difusão de nêutrons térmicos no electrografite (W. Bothe e P. Jensen, Die para a absorção de nêutrons térmicos em Elektrographit em Kernphysikalische Forschungsberichte G-71). As medições são obtidas em fazem empalidecer todos:
[...] Para calcular o comprimento de difusão:
L = 36 ± 2 cm.
 O erro de Bothe  condena o programa atômico alemão no seu documento original secreto "O comprimento de difusão de nêutrons térmicos no electrografite", datado de 20 de janeiro, 1941. Forschungsberichte Kernphysikalische (G-71), Deutsches Museum, de Munique. O verdadeiro comprimento da difusão de nêutrons para o grafite são: 54,4 cm, 36 cm.
Então destacando, porque o resultado é mais surpreendente, contrariando assim a teoria foi uma jarra de água gelada para o programa atômico alemão. Trinta e seis polegadas eram radicalmente insuficiente, um abaixo do mínimo absoluto de 37. E um grande erro: o comprimento de difusão de neutrons do grafite é 54,4 centímetros, muito correto para um moderador, que nos Estados Unidos Szilárd mediu com sucesso. Imediatamente depois, Bothe afirma:

Com o [valor] com base em cálculos de Heisenberg seria de esperar um comprimento de difusão L 0 = 61 cm. Como o comprimento de difusão é muito menor e mais forte absorção, tanto o carbono duro aqui estudados deve ser considerado como um material moderador para a máquina [o reactor].
A conclusão do erro do Bothe, o grafite não serve como moderador de um reator nuclear. Este equívoco não desapareceria  até os últimos meses da guerra.
Com todas as letras. Aliás, o bom doutor Bothe parece-nos um pouco confuso deve-se lembrar que esses "valores com base em cálculos de Heisenberg" são as mesmas que ele chamou sete meses antes. Mas não importa: é um desastre de qualquer maneira. Após uma cuidadosa análise de impurezas obtido pela queima de uma quantidade de carbono para estudar as cinzas, determinando as conclusões:

Em qualquer caso, pode-se julgar pelo estado atual da teoria de que o carbono [de grafite], embora tenha sido fabricado com os melhores métodos técnicos conhecidos e livre de impurezas, provavelmente não servem como um material moderador para a máquina  a menos que se acumule [enriquecer], o isótopo 235.

 A conclusão final de Bothe, no mesmo documento: grafite servem apenas como um moderador de neutrons se utilizado de urânio enriquecido, que a Alemanha não poderia produzir em quantidade suficiente e de fato, nenhum país usou em suas primeiras tentativas.
Apogeu e declínio do projeto da bomba atômica alemã.
Estes resultados foram devastadores. Se para a Alemanha o grafite não serviu como moderador, e enriquecer urânio era economicamente inviável, então o percursor do plutónio necessariamente teriam que seguir o caminho da água pesada, longo, caro e complicado. A partir deste momento, o pessimismo começa gradualmente a se instalar na comunidade dos  cientistas atômicos nazistas, que se traduz em uma falta progressiva de interesse por parte dos líderes políticos. Após Werner Heisenberg:

[Não havia mais interesse em graffiti, apesar de saber que a água pesada era escassa] devido à experiência de Bothe não estava correta. Bothe tinha feito esta medida, o coeficiente de absorção de carbono puro e deslizou um erro no experimento. Seus valores eram muito altos [na absorção, e baixa em difusão], mas supomos que elas estavam corretas enão acredito que o grafite poderiá ser usado.

Volte a atenção para as datas. As datas são importantes:
Data e assinatura do documento errado Bothe "O comprimento de difusão de nêutrons térmicos em electrografite". Forschungsberichte Kernphysikalische (G-71), Deutsches Museum, de Munique.
 Adolf Hitler em Paris, com Albert Speer (esquerda) e Arno Breker (direita), 23 de junho de 1940, a França se rendeu no dia anterior. No início de 1941, a maior parte da Europa foi controlada direta ou indiretamente pelos nazistas. As grandes batalhas contra os Estados Unidos e a União Soviética ainda não tinha começado. Todas as opções políticas e militares ainda estavam abertas no momento.

Nós ainda estamos em janeiro de 1941. A Europa continental inteira, a partir do Vístula e do Danúbio ao Atlântico, cabe aos nazistas ou amigos dos nazistas, exceto por um par de países neutros: bem posicionada para consolidar-se. Eles não invadiram a União Soviética , com os quais mantêm uma paz inquieta. Pearl Harbor ainda não ocorreu: os Estados Unidos permanecem fora do conflito.

Atualmente, apenas tropeçam na Batalha da Grã-Bretanha  que obscurece o sucesso dos alemães. A guerra é travada agora na África , longe da Europa-fortaleza . Grandes bombardeios iriam depois aniquilar cidades e indústrias caem agora , principalmente no Reino Unido , nas mãos da Luftwaffe.  

Faltando mais de um ano para o Projeto Manhattan, entrar em operação. Von Braun e seus homens permaneceram na Alemanha. Todas as possibilidades foram abertas ainda.

O que teria acontecido se Bothe não tivesse  errado e alguém contasse a liderança nazista durante a primavera de 1941: "podemos construir um reator de grafite e produzir plutônio, nós podemos fazer bombas atômicas, consígamos algum tempo e urânio, é uma questão de quatro ou cinco anos, talvez menos, se nos for dado a metade dos recursos que será necessário para invadir a União Soviética no próximo verão " ?
Naturalmente, é impossível saber. Sabemos, no entanto, o que realmente aconteceu. Por esta altura de 1941, a empresa Auergesellschaft eu mencionei acima já tinha feito várias dezenas de toneladas de óxido de urânio e Degussa de Frankfurt, o primeiro de 280 kg de metal de urânio para o reator de Heisenberg (em parte com minerais capturados durante o conquista da Bélgica). Os americanos não tinham este material até 1942, quando cientistas alemães já tinham sete toneladas e meia. Em dezembro de 1942, o Chicago Pile-1 Fermi e Szilard, levaram 6 toneladas de urânio puro e 34 de óxido de urânio  para se tornar o histórico operacional da primeiro reator. Mas não estamos em 1942: ainda estamos em 1941, e o Terceiro Reich teria quase todo o urânio necessário.

Na Alemanha, havia (e há) as minas de carvão de grande porte, com ele as empresas como a Plania  Siemens, IG Farben, a Degussa e outras poderiam ter produzido grafite de qualidade nuclear  com pouco que seus cientistas atômicos contassem-lhes como fazer. Isso obviamente não aconteceu. Em vez disso, a água pesada tornou-se um primeiro recurso estratégico, a única possibilidade. A partir dessas datas, ocorreram inúmeras ações para garantir a água pesada da norueguesa Norsk Hydro, e também para iniciar a produção na Alemanha, este último com sucesso limitado. No final do verão de 1941, a Norsk Hydro comissionados de 1.500 quilos de água pesada. Fim do ano, já haviam recebido os primeiros 361.

Durante o mesmo 1941, houve várias tentativas de enriquecimento de urânio de forma mais eficiente, o que teria acendido um interesse renovado em grafite (possivelmente um de seus erros). Mas, apesar de alguns bem sucedidos, não eram capazes de continuar neste caminho, devido a restrições financeiras. Então, estava definitivamente fechado o caminho do urânio . Isso só foi possível através do plutónio , como a singular conclusão de Fritz Houtermans em agosto deste ano, o que exigiu a construção de um reator . Desde final de 1941, todas as tentativas dos  cientistas atômicos alemães foram orientados para criar este reator de urânio natural  de água pesada. Nas palavras de Heisenberg, foi em setembro de 1941, quando vimos diante de nós um caminho seguro para a bomba atômica.

Em outubro, um Heisenberg incomodado conheceu Niels Bohr, na Dinamarca, para discutir a moral de cientistas para contribuir para este tipo de invenções terrível; Bohr  interpretou mal a conversa e retransmitiu aos EUA que a Alemanha estava perto de conseguir a bomba atômica   (para onde Bohr também fugiria logo depois). Você pode imaginar o alarme que causou estes termos, reforçando a recente decisão de Roosevelt de dar início ao desenvolvimento desta nova classe de arma (neste momento, e durante alguns meses, o Projeto Manhattan, que consistem na investigação ainda isoladas).
Em 22 de junho de 1941, a Alemanha invadiu a União Soviética. Assim começou a maior batalha da história da humanidade, seria acusado de dezenas de milhões de vítimas civis e militares e resultou em total colapso do regime nazista. Isso causou enormes tensões na economia alemã desde o inverno de 1941, forçando-os a se concentrar em projetos que possam fornecer resultados mais imediatos militar. Deutsches Bundesarchiv.
Em dezembro de 1941, as forças alemãs presa às portas de Moscou, o ministro de Armamentos e Munições Fritz Todt comunicava a Hitler que a economia de guerra alemã estava se aproximando de seu ponto de ruptura. Desde aquela época, qualquer aumento nos gastos em uma área deveria necessariamente conduzir a uma redução em outro ou o país  entraria em colapso. Assim, as ordens foram enviadas para avaliar todos os programas de armas e concentrar os recursos sobre aqueles que poderiam obter resultados antes do final da guerra. O Professor Schumann, diretor de pesquisa militar, escreveu para os vários institutos de urânio , passando  estas instruções.

Houve uma primeira reunião de avaliação no início de 1942. Durante a reunião foi de que suas expectativas militares eram muito remotas , passaria um longo tempo antes que eles pudessem construir um reator de urânio natural - e água pesada capaz de produzir plutônio em quantidade . Não haveria nenhuma bomba atômica. Assim, foi decidido levar esse projeto dos militares e retorna-lo para o controle civil do Ministério da Educação. Naquela época, o auge do programa atômico nazista, só tinha um total de setenta pessoas diretamente envolvidas nele.

Nos dias 26 e 27 de fevereiro de 1942 duas reuniões simultâneas foram convocadas para discutir o assunto com a participação de todos os cientistas nucleares chave. Foram convidados  Himmler e Keitel , mas devido a um erro administrativo, ambos recusaram o seu apoio (mandei o programa de palestras científicas, por engano, em vez das reuniões de caráter político-militar, que os fez pensar "que demonios pintamos nos para estarmos em uma conferência de físicos? " ). Apesar disso as reuniões foram um sucesso e acelerou a construção de uma usina de água pesada em Leuna em nome da IG Farben. Mas ainda depende da Norsk Hydro, agora produzindo cerca de 140 kg de qualidade a mais de 99% a cada mês, a fábrica de Leuna não estaria pronta até o fim da guerra ... fazendo água pesada a apenas 1%. No entanto, o programa nuclear não retornou aos militares.
A pilha L-IV atômica de Leipzig, a primeira tentativa séria de construir um reator nuclear na Alemanha nazista. Foi ativado em maio 1942 e produziu mais nêutrons que gastou cerca de 13%, ainda longe de ser necessária para sustentar uma reação em cadeia.

Em maio, a Degussa tinha fabricado  três toneladas e meia de urânio para a pilha atômica de Heisenberg. No fim de maio fez a primeira tentativa em Leipzig: o reator L-IV, com 750 quilos de urânio puro e água pesada 140. Nêutrons produzidos 13% a mais do que consumiu, mas ainda estava longe de sustentar uma reação em cadeia. No entanto, foi um sucesso simplesmente aumentando seu tamanho, resultaria em um reator nuclear real. Heisenberg estimava em dez toneladas de urânio metálico e cinco de água pesada seria suficiente. Em 28 de maio, Degussa enviou a primeira tonelada a suas oficinas em Frankfurt, para cortar em pedaços de tamanho apropriado. Mas a água pesada da Noruega estava chegando ao ritmo lento  angustiante. Se havia algo para substituí-la ...! Ao redor das fábricas germânicas produzindo constantemente milhares de toneladas de carbono purificado  e grafite com bom  carbono alemão, para multi-usos civis e militares, sabendo que eles tinham em suas mãos a chave para a bomba atômica.

04 de junho foi o momento mais decisivo ao programa atômico alemão. Heisenberg viajou a Berlim para se reunir com o poderoso ministro do Reich Albert Speer , intímo de Hitler. A reunião, realizada no Instituto Kaiser Wilhelm, em Berlim-Dahlem, também estavam presentes outros pesos pesados da ciência, política e militar. Heisenberg explicou que era possível construir uma bomba do tamanho de um abacaxi que poderia aniquilar uma cidade. Mas, em seguida, anunciou que a Alemanha não pode construí-la em meses e, na verdade, era uma impossibilidade econômica com as tecnologias disponíveis. Os participantes, que testavam muito animados com a primeira afirmação, ficaram decepcionados depois da segunda.

Em 23 de setembro, Speer reuniu-se com Hitler. Durante uma longa conversa sobre vários temas, apenas mencionou a questão da bomba atômica. Assim, o programa nuclear dos nazistas, finalmente, perdeu o interesse de políticos e soldados. Embora tenha continuado a financiar e apoiar até o fim da guerra, mas como um projeto civil de importância secundária para a futura produção de eletricidade.

Por esta altura, os parceiros identificaram o interesse nazista no deutério norueguesa e lançou uma campanha de sabotagem e atentados contra a instalação da Norsk Hydro no Vemork, conhecida na história como a batalha da água pesada . Havia grandes atos de heroísmo e de filmes famosos ... mas, na realidade, naquele momento, a Alemanha já estava fora da corrida para a bomba atômica. Todos eles chegaram a estas ações militares e atrasaram ainda mais o inquérito civil. Por volta de 1944, a instalação estava tão danificada que produziu apenas 1% de água pesada.

Ainda assim, continuaram a avançar. Mais lento, como a guerra no Oriente cada vez mais exigia da sociedade alemã, bombardeiros aniquilando cidades ocidentais e indústrias, a água pesada, vinha mais lenta e mais impura mais . Vários serviços essenciais foram destruídos durante o bombardeio . O fornecimento de energia era aleatória a cada dia, a raros e caros recursos. No outono de 1944, os V-2 contra mísseis balísticos de Von Braun começou a atacar as cidades inimigas ... com peças feitas em grafite de alta qualidade muito semelhante ao programa nuclear teria economizado anos e meio antes.

Foi também nessa época que, pelo progresso da ciência, os cientistas alemães se tornam conscientes de que eles estavam errados o tempo todo. Que as medições de Bothe estavam erradas,o grafite era um otimo moderador de neutrons ,que teria permitido que rapidamente a Alemanha nazista  criar reatores geradores de plutônio. No entanto, chegou a construir um ultimo reator em Março de 1945, o VIII Haigerloch-B , utilizando uma solução mista de água pesada e grafite. Tinha as características tecnológicas para alcançar a auto-sustentação da reação em cadeia, mas ainda era muito pequena devido à falta de água pesada. Nesse ponto, os Estados Unidos já  produziam industrialmente plutônio de Hanford . Com  urânio natural e grafite, é claro.
Soldados americanos e britânicos desmantelando o reator nuclear nazista Haigerloch B-VIII, após sua captura. Reino Unido Banco de Governo.
No final de abril de 1945, tropas anglo-americanas conquistaram Haigerloch e outras infra-estruturas essenciais para o programa nuclear alemão, enquanto o Exército Vermelho fazia o mesmo para o leste. No dia 30, Hitler se suicidou em seu bunker. Em 02 de maio, o comandante de Berlim se rendeu à capital do Terceiro Reich para o General soviético Vasily Chuikov . Cinco dias depois, os restos da Alemanha nazista rendiam-se incondicionalmente aos Aliados. Os EUA e as missões Alsos Soviética fizeram seu agosto particular. A história ainda teve um último suspiro: 14 de maio, um navio americano capturado pelo submarino U-234 . Estava carregado com materiais nucleares e outros componentes de tecnologia avançada na direção do Japão. Alguns destes produtos chegam ao seu destino ... três meses, como parte das bombas de Hiroshima e Nagasaki .

O que deu errado?
Ainda hoje se discuti por que um físico tão extraordinário como Walther Bothe, que ganhou o prêmio Nobel em 1954, cometeu o erro fatal nas suas medições de grafite. Alguns acreditam que o electrografite puro fornecidos pela Plania  Siemens para o experimento estava contaminado com boro , um poderoso absorvente de nêutrons  que pode alterar os resultados: um único grama de captura de neutrões de boro quantos de uma centena de quilos de carbono. Naquela época era comum para o processo industrial de grafite incorporando , carboneto de boro , um fato que Szilard sabia e levou em conta durante as experiências semelhantes nos Estados Unidos. Bothe mas aparentemente não sabia desse detalhe. Apesar da análise cuidadosa da pureza do grafite por esta última, mesmo pequenas quantidades de boro suficiente para reduzir o comprimento de absorção da amostra inferior ao mínimo exigido em um moderador de nêutrons. Outros concluem que os blocos de grafite usados não se encaixam perfeitamente e, quando imersa em água, bolhas de ar permaneceu dentro. Neste caso, o nitrogênio do ar poderia ter produzido um efeito semelhante. Esta foi a opinião de Werner Heisenberg si mesmo.

Algumas pessoas ainda pensam que Bothe sabotou os resultados. Walther Bothe desprezava os nazistas para a emissão de aria física , era casado com uma russa e, ao contrário do que aconteceu com seus colegas - os vencedores não se incomodaram após o final da Segunda Guerra Mundial. Bothe Neste caso, o conhecimento perfeito dos pontos fortes e fracos da Alemanha, tinha deliberadamente bloqueado o único caminho possível para os nazistas obterem a bomba atômica. Ao cortar o passo grafite, sabendo das dificuldades relacionadas com o enriquecimento de urânio e água pesada, também, de fato, fechou o percurso de plutónio para o Terceiro Reich. Ou, pelo menos, ficou muito difícil. Bothe nunca reconheceu essa possibilidade, embora sem dúvida teria feito com que pareça um herói depois da vitória dos Aliados. A única coisa que ele disse sobre os resultados errados era que Heisenberg não levará em conta as margens de erro (embora, como vimos no texto original eram muito apertadas as margens .)
soldados soviéticos no Hotel Adlon, em Berlim, em frente ao Portão de Brandemburgo, em maio de 1945. Algumas das principais instituições científicas localizadas na área de Berlim, e caiu nas mãos da URSS. Deutsches Bundesarchiv.

Na realidade, a falha fundamental da ciência alemã no programa nuclear era não ter um mecanismo de verificação independente . Isto foi reconhecido por Heisenberg, na entrevista mencionada no início:

Havia tão poucos grupos [de investigação] que nunca repetia uma experiência  duas vezes. Cada grupo foi atribuída uma tarefa. Nós, em Leipzig, faziamos as medições para a água pesada e a partir desse momento todo o mundo aceitava o nosso resultado, ninguém comprovava. E nem as  medidas de Bothe.

Se houvesse um mecanismo de verificação independente para verificar os dados de seus colegas, o erro  de Bothe teriam se tornado evidentes em 1941 e mesmo a Alemanha poderia ter usado grafite como moderador, desde o início. Na ausência de uma verificação independente, qualquer reclamação deve ser para o bem, sem nenhuma garantia, mesmo que isso vai contra tudo o que se sabe até agora (como neste caso: a teoria previu uma difusão muito curta duração, nem as próprias medições anteriores  preliminares de Bothe ). Assim, a ênfase é tantas vezes: cada experimento deve ser reproduzível e reproduzida, todos os resultados devem ser verificadas independentemente . Isto é essencial para o método científico. Quando não for respeitado, e nós vemos as conseqüências neste ou em qualquer outro campo.

Mas o que seria realmente possível?

O erro de Bothe  não foi nem longe, o único problema que assolou o programa nuclear da Alemanha nazista. Uma das mais fundamentais foi o volume da econômica  total do Terceiro Reich, pelo menos em comparação com os Estados Unidos. Durante a maior parte da guerra, o Produto Interno Bruto alemão foi maior do que os britânicos, franceses ou pelos russos, mas duas ou três vezes menor do que o americano. Este fosso econômico por si só explica a relativa facilidade com que o poder dos EUA pode desenvolver o Projeto Manhattan. No entanto, os Estados Unidos ao mesmo tempo percorrido o caminho do plutónio e urânio , muito mais caro. Indo apenas por plutónio, um programa nuclear é significativamente menos caro, talvez até mesmo ao ponto de até mesmo essas diferenças de poder econômico total.

Comparação do volume econômico dos principais concorrentes na Segunda Guerra Mundial. Dados de Mark Harrison (1998), "A Economia da Segunda Guerra Mundial: Seis grandes potências em Comparação Internacional, Cambridge University Press. Clique para ampliar.

Outro grande problema foi a chamada geração perdida de cientistas alemães . Devido à perseguição política e racial, um grande número de cientistas alemães e especificamente europeu fugiu para os Estados Unidos, onde viria a constituir a espinha dorsal do Projeto Manhattan. racista estúpido como a questão da ariana Física , juntamente com as várias ciências patriótica ou expurgo político dos professores, não fez nada para melhorar o estado da ciência na Europa foi controlada pelo fascismo nazista e seus aliados. E ainda, como vimos, a Alemanha manteve um número significativo de cientistas proeminentes que pertencem à geração anterior.

Um terceiro problema significativo foi a dificuldade de acesso aos principais produtos.A europa não é um continente que se caracteriza pela abundância de recursos naturais, mesmo ganhando a maioria, como foi o Terceiro Reich, em 1940, você ainda precisa de um monte de coisas. O mesmo urânio suficiente, mas teve que cavar através de várias fontes diferentes, das minas da Tchecoslováquia para a reserva, na Bélgica. Eles não tinham hélio. Petróleo e combustíveis foram uma dor de cabeça para os nazistas durante a guerra. E assim, mil coisas. Em geral, tudo foi para a Alemanha mais caro e difíceis de obter, porque tinha que sair da Europa. Esta foi também lacunas importantes para a população. No entanto, não há nenhuma razão clara para essas deficiências, poderiam ter parado ou atrasado significativamente o percurso de plutónio , se não tivesse sido para o caso da água pesada.
 
E, claro, como o progresso da guerra e a derrota o bombardeio da economia alemã mais restrito e eles foram privados das indústrias e recursos básicos. No fim do conflito, algumas instalações-chave para o programa nuclear foram destruídas ou gravemente deslocado. Mas quando isso aconteceu, a guerra já estava perdida e o caminho para armas nucleares, há muito abandonada em favor dos últimos reatores brinquedo .

O erro de Bothe foi o único fator que decisivamente encerrou o único caminho possível para a bomba atômica para o Terceiro Reich. Justamente por causa de todas estas limitações, a Alemanha deveria ter tido desde o primeiro momento e sem dúvida a forma de o plutônio produzido em reatores de urânio natural  e grafite. Assim os conseguiram todas as potências nucleares. Como vimos, o urânio e grafite tinham o bastante para tentar, assim como um número de proeminentes cientistas que já tinham atingido muitas das habilidades necessárias já em 1941.Tinham nomes como Einstein e Szilard, Fermi e ou Oppenheimer, os cientistas atômicos  alemães eram muito brilhantes, sem dúvida. No entanto, forçando-os a seguir o caminho de água pesada, erro Bothe absurdamente atrasado  impediu o programa nuclear nazista até que se tornou completamente inviável no curto espaço de tempo disponível.
Walther Bothe em 1954 depois de ganhar o
Prêmio Nobel. Fundação Nobel, na Suécia
Seriam esses atrasos para desencorajar a liderança política e militar do Terceiro Reich, assim como os próprios cientistas. Se na Alemanha não havia nenhuma ação política decisiva para unificar o projeto atômico e dar-lhes meios abundantes foi precisamente porque o longo caminho da água pesada, se fez cara e menos atraente ao resultado da guerra. Se houvesse um rápido reator  de grafite ", certamente teria tido muito interesse.

Eu acho que sem o erro Bothe,  um programa nuclear determinado e bem equipados, a Alemanha nazista teria concluído o seu primeiro reator de urânio natural de grafite, ao mesmo tempo ou logo após os americanos: No final de 1942, início de 1943. Mesmo  antes, Eu não vejo nenhuma razão clara para que não pudessem começar a produzir plutónio em escala industrial até o final de 1943 ou início de 1944 (os norte-americanos fizeram em meados de 1943). E uma bomba entre 1945 e início de 1946.

Obviamente, a Segunda Guerra Mundial, teria durado um pouco mais, mas não devemos esquecer que as grandes decisões científicas foram realizadas no início de 1941, quando todas as opções políticas e militares ainda estavam abertas. Não era estritamente necessário  invadir a URSS em junho de 1941, especialmente se você acha va que iria ter em breve bombas nucleares para destruí-la ao seu gosto. Também não era absolutamente necessário que o Japão atacasse Pearl Harbor em dezembro de 1941, facilitando assim a entrada dos Estados Unidos na guerra e na ativação final do Projeto Manhattan durante 1942. Tudo isso foi amplamente inevitável e teria acabado por acontecer de uma forma ou outra, mas não tinha que acontecer tão rapidamente como aconteceu . Se os nazistas tinham sustentado a convicção interior de que seus cientistas estavam atrás de algo importante, uma Wunderwaffe como a humanidade nunca viu, teria uma motivação clara para esfriar a evolução do conflito em vez de acelerá-lo como o fizeram. Em 1941-1942 , de intensidade moderada (semelhante ao que foi o período de agosto 1940 - junho de 1941, com confrontos predominantemente periféricos e o fortalecimento da Defesa do Reich ) teria sido suficiente com alguma probabilidade.

Pois se a Alemanha tivesse sido capaz de acompanhar o caminho de plutónio reatores utilizando urânio natural grafite,  - creio - que seria suficiente para abrandar as coisas em quatorze a dezoito meses para fazer uma bomba atômica como a de Nagasaki no final da guerra. Como não havia nenhuma razão para atrasar, como o programa nuclear alemão tornou-se pouco mais que uma curiosidade científica irrelevante do erro  de Bothe em janeiro de 1941 e especialmente desde o encontro com Speer junho 1942 , as coisas aconteceram como aconteceram. O Terceiro Reich invadiu a URSS em junho de 1941, o Japão atacou Pearl Harbor em dezembro, os Estados Unidos e a União Soviética entrou como um exagero , e o resto da história é bem conhecida. Para o bem.
A última tentativa nazista de alcançar a criticidade: a pilha atômica Haigerloch B-VIII, capturada pelos Aliados em abril de 1945. Nunca poderia alcançar a auto-sustentação da reação em cadeia: deveria ter sido 50% maior para alcançar. Replica Museu Haigerloch Atômica, na Alemanha.




para uma tradução mais completa veja o
original em:


lapizarradeyuri
 

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo