quarta-feira, 30 de março de 2011

Os olmecas também demonstraram dragões em sua cultura

Por Antimio Cruz/El Universal - Tradução e adaptação: Paulo Poian 
Arqueólogos estudam imagens de seres extraordinários comparáveis com representações medievais ou chinesas
Desenho de um dragão olmeca realizado a partir de uma figura talhada em pedra, em Chalcatzingo. Crédito: INAH
A adoração aos dragões não foi exclusiva da Ásia e Europa. No México, arqueólogos do Instituto Nacional de Antropologia e História (INAH) identificaram nas localidades de Veracruz, Guerrero e Morelos imagens talhadas em pedra, pinturas em platôs e esculturas de barro que informam sobre rituais de veneração a um animal fantástico: o dragão olmeca.

Estes rastros arqueológicos e iconográficos datam do período entre 1.200 a 400 a.C. Não se trata da famosa serpente emplumada que recebeu os nomes de Quetzalcóatl e de Kukulkán, é outra bem mais antiga e ainda não foi definido se deve ser considerada como uma deidade, isto é, um deus. Em alguns casos o chamado dragão olmeca aparece como um tipo de animal sobrenatural que combina traços de serpente, ave e jaguar. Em outras representações resplandece como um humano que compartilha detalhes animais, identificando este ser mítico.

"Possui traços muito específicos da cultura olmeca, como é um tipo de sobrancelha em forma de fogo, que conhecemos como sobrancelha flamígera. Também tem no olho ou no torso uma cruz olmeca que chamamos Cruz de Santo André", explicou em entrevista a arqueóloga Carolina Meza Rodríguez, responsável pelas escavações em Chalcatzingo, Morelos, onde se fizeram numerosos achados desta figura. "Outro aspecto interessante do dragão olmeca é que saem de sua boca umas vírgulas - signos parecidos a comas - que podem ser palavras ou nuvens. Igualmente, poderia se tratar de algum tipo de raio que o animal ou sacerdote lança do interior de uma gruta para fazer chover ou para fazer a terra fértil", acrescentou Carolina.

A especialista em cultura olmeca indica que há um debate acadêmico muito forte para definir se este animal deve ser chamado de dragão ou não. No entanto, no momento a maioria dos estudiosos usam esse termo, que foi alcunhado em meados do século XX por dois dos pioneiros no estudo dos olmecas, Miguel Covarrubias e Beatriz de la Fuente, quem foram os primeiros em ver pinturas desse animal fantástico em sítios arqueológicos olmecas em Veracruz.

Símbolos do poder

Os arqueólogos Giselle Canto Aguilar e Víctor Castro Mendoza, do INAH-Morelos, também têm encontrado imagens estilizadas do dragão e de sacerdotes-dragão em Zazacatla. Essas estão sempre relacionadas com a entrada de grutas e, ao que parece, teriam sido o símbolo de poder de uma antiga linhagem olmeca que governou entre 800 e 500 a.C.

Em algumas ocasiões, os elementos iconográficos que se associam ao dragão olmeca aparecem separados em diferentes partes de uma gruta, em algumas aparece a sobrancelha flamígera, em outras a cruz de Santo André, de modo que toda a gruta se converte no dragão ou no animal fantástico representado pela mais antiga cultura sedentária da Mesoamérica de que se tem registro.

"Em que se parece e não se parece esta figura de dragão olmeca aos dragões que conhecemos de outras culturas?", perguntou-se à arqueóloga. "O dragão mais conhecido é o oriental e o da Europa medieval. Estas duas imagens parecem-se muito a uma que está em Chalcatzingo, a qual chamamos A figura da criação, que é uma figura de serpente que tem rosto de um ave, com pescoço de águia, com asas, está voando e tem a cruz de Santo André em seu torso. Qualquer pessoa leiga pensaria que é um dragão. Também há uma figura do sítio arqueológico La Venta, que é uma personagem dentro de uma serpente de traços míticos combinando com vários animais. São mitológicas, com o sincretismo de vários animais, que em muitas culturas coincidem com a figura do dragão. Em contraste, há que dizer que as deidades olmecas estão mais relacionadas com a água e a terra e não com o fogo, como nos dragões de outros continentes", explicou Carolina...
 
 
 
Agradecimentos a:
Paulo R. Poian.
Coordenação Portal da Ufologia Brasileira 
Consultor da Revista UFO Brasil

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo