terça-feira, 7 de setembro de 2010

Escolas e ensino reprovadas na Itália

Roma - Eles odeiam as matérias que estudam e não suportam mais as tarefas e as perguntas em salas de aula. Além disso, desejariam usar as novas tecnologias para tornar o estudo menos enfadonho e mais divertido.

Murais e professores mais jovens e "modernos" são as outras propostas para uma escola ideal. É o que surge de um estudo patrocinado por Comunicazione Perbene (uma associação sem fins lucrativos), realizado entre 1.600 alunos do ensino médio e superior, mediante acompanhamento em blogs, fóruns, comunidades especializadas sobre o ensino e nas mais importantes redes sociais.

Os alunos não se sentem à vontade em sala de aula (73%). Há os que consideram a escola um local de tortura (21%) e quem não tem um bom relacionamento com seu professor e que sonha com professores no estilo Robin Williams, no filme "Sociedade dos poetas mortos" (63%).

Além disso há os que falam de programas "ultrapassados" (56%) e de métodos de ensino chatos e tradicionais (49%).
Para mudar a situação e melhorar as escolas, os jovens lançam novas ideias. Entre murais feitos para colorir as paredes (31%) e professores mais jovens (35%), a proposta mais "explosiva" é a utilização de smartphones, iPad e videojogos em sala de aula (67%).

Já que as matérias não mudam (27%), estudá-las com novas ferramentas de comunicação pelo menos as tornaria mais digeríveis (75%), além de melhorar o relacionamento com os colegas e com o professor (61%). Esta experiência será realidade, a partir do ano que vem, na Universidade de Medicina de Stanford, que fornecerá 90 iPad para estudar.

O que os estudantes mais criticam na própria escola? Em primeiro lugar, os professores: há alunos que se queixam que eles têm a idade dos avós (39%), os que os consideram pouco preparados (27%) e os acusam de permanecer em sala de aula só para torturá-los, sem nunca estimular uma relação aluno-professor (19%).

Vinculada aos professores, mas também à organização escolar em geral, os jovens criticam os métodos de aprendizagem que são forçados a seguir. Desde os que queimariam já aqueles "tijolos" que quebram a coluna (51%), aos que já não aguentam as habituais tarefas de classe e questões (55%) e se sentem ridículos quando forçados a decorar para aprender (33%), terminando com os que ficam doentes só de pensar em voltar a ler, sublinhar e repetir ao longo do ano letivo (47%).

Os alunos também apontam o dedo para os programas das matérias, que em sua opinião são chatos e desinteressantes (69%). Eles não entendem porque são obrigados a estudar o pensamento de alguém que morreu há 500 anos (65%) ou fórmulas matemáticas incompreensíveis e que não servem para nada (52%). Para outros é um absurdo utilizar programas que permanecem imutáveis há 50 anos (41%).

Os estudantes tampouco poupam críticas à estrutura dos prédios. Salas depredadas (61%), paredes sujas e com cores deprimentes (43%), cadeiras desconfortáveis e bancos em um estado deplorável (71%).

www.ansa,it/www.italianos.it

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo