quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Itália: Estudantes vão às ruas para protestar

São cerca de 200 mil os estudantes que foram às ruas em mais de 100 cidades da Itália. O balanço é da Rede de Estudantes e da União dos Universitários que, junto com outras associações estudantis, iniciaram os protestos para "reconquistar o direito de estudar que este governo, à diferença dos outros países europeus, está aniquilando".

Segundo a Rede e a UDU em Turim a passeata teve a participação 30 mil estudantes do ensino médio e universitário, 20 mil em Roma, milhares em Milão, 2 mil em Bolonha, 5 mil em Florença, 2 mil em Aquila, 3 mil em Nápoles e o mesmo número em Palermo.

"Queremos fundos para a Universidade e a escola públicas para investir primeiro na estrutura da escola e nas bolsas de estudo, queremos - defendem os estudantes - que a avaliação se transforme em uma ferramenta para amassar o poder dos barões e para melhorar a qualidade da didática e dos serviços oferecidos nos ateneus, queremos uma didática escolar feita de professores competentes e preparados".

Às marchas matutinas tradicionais, destaca a Rede do Conhecimento - se somaram as da tarde, especialmente em cidades como Trieste e Genova, onde nestes últimos dias os estudantes ocuparam suas escolas.

"O dia internacional estudantil na Itália é para nós um momento importante para denunciar os cortes nas escolas e universidades públicas" - informa a Rede do Conhecimento, que reúne os estudantes do ensino médio das UDS e os universitários de Link - enquanto que as particulares conseguiram dinheiro graças aos habituais interesses de lobby, para a grande maioria dos alunos a vida diária é feita de transportes fantasmas, aulas ameaçadas, alimentação e moradia para estudantes cada vez mais raras de se encontrar".

Também os Jovens Democratas, a Rede universitária nacional e a Federação dos estudantes, no Dia Internacional para o direito ao estudo, promoveram uma série de iniciativas, entre passeatas, assembleias, distribuição de panfletos e manifestações.

"Hoje - dizem em um comunicado - foi a ocasião para denunciar a política miserável do governo contra o sistema do saber público em nosso país. A única resposta que [Silvio] Berlusconi e [Giulio] Tremonti (ministro da Economia) deram à crise foi uma forte série de cortes a escolas e universidades, entendidas como bens de todos e portanto de ninguém".

Esta quarta-feira (16) não marcará a conclusão da mobilização. Nas próximas semanas - anunciam Rede dos Estudantes e União dos Universitários - haverá partirão as ocupações, co-gestões e autogestões também em outras regiões e cidades, até chegar ao dia 27 de novembro, manifestação nacional da CGIL, quando os estudantes irão às praças ao lado dos trabalhadores.

Gelmini  defede as reformas  - Os protestos de hoje (17) "parecem reproduzir os antigos slogans daqueles que querem manter o status quo, dos que são por princípio contra qualquer tipo de mudança", opinou a ministra da Educação Mariastella Gelmini, ao comentar as mobilizações estudantis pelo país.

E acrescentou: "É preciso ter coragem para mudar. É indispensável continuar no caminho das reformas, cujo foco é um ensino de qualidade, mais vinculado ao mundo do trabalho e mais internacional. Para atingir estes objetivos, estamos revendo completamente os mecanismos de ineficiência que enfraqueceram a escola italiana no passado''.

blogdoaleitalia 

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo