terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Estados Unidos querem nomes de colaboradores do WikiLeaks

Segundo o próprio WikiLeaks, a intimação foi expedida pelo Tribunal Regional do Estado de Virginia, nos Estados Unidos, e, existe, ainda, a suspeita de que outras companhias de internet também estejam sendo obrigadas a entregar informações sobre suas atividades, com os nomes de usuários, endereços, histórico de conexões, números de telefone e detalhes de pagamento.

Por ANTONIO CARLOS LACERDA
VITORIA/BRASIL - PRAVDA.RU

 Depois de usarem suas representações diplomáticas ao redor do mundo e a diplomacia internacional para promover intrigas e espionar governos e autoridades ao redor do planeta, o governo dos Estados Unidos conseguiu na justiça americana uma ordem que exige da rede social Twitter detalhes sobre pessoas envolvidas com o site WikiLeaks, que implodiu a diplomacia mundial, ao divulgar documentos secretos americanos sobre vários governantes, governos e de países.
Segundo o próprio WikiLeaks, a intimação foi expedida pelo Tribunal Regional do Estado de Virginia, nos Estados Unidos, e, existe, ainda, a suspeita de que outras companhias de internet também estejam sendo obrigadas a entregar informações sobre suas atividades, com os nomes de usuários, endereços, histórico de conexões, números de telefone e detalhes de pagamento.

O site do Twitter, em San Francisco, tem três dias para apresentar a sua resposta e inicialmente teria sido instruído a não divulgar o fato de que a liminar tinha sido apresentada nem a existência da investigação. No entanto, o próprio tribunal teria derrubado as restrições, autorizando o Twitter a informar os seus clientes sobre o caso.
No ar já há alguns anos, o Wikileaks só conseguiu prestígio e notoriedade internacional quando passou a divulgar documentos sigilosos da diplomacia americana no mundo, tornando público 77 mil documentos da inteligência americana sobre o Iraque e mais de 250 mil telegramas secretos do Departamento de Estado dos Estados Unidos com os bastidores da diplomacia internacional, com destaque especial para a dos Estados Unidos.
A divulgação desses documentos diplomáticos revelaram o desvio de conduta da diplomacia americana, que se transformou em uma rede internacional de intrigas e espionagens de governantes e governos ao redor do mundo, fato que enfureceu os Estados Unidos e colocou a diplomacia mundial em uma saia-justa.

O WikiLeaks informou que o site Twitter já recebeu intimação judicial americana e acha que o Facebook e o Google também tenham recebido intimações de autoridades norte-americanas. A intimação é para fornecer detalhes sobre a conta do WikiLeaks no Twitter. Os escritórios regionais do Facebook e do Google em Londres, na Inglaterra, ainda não se pronunciaram a respeito.

O WikiLeaks informou que investigadores norte-americanos estiveram na sede do Twitter, em São Francisco, no Estado da Califórnia, nos Estados Unidos, para exigir mensagens privadas diretas, informações de contatos e outros detalhes pessoais de Julian Assange e de outros associados e simpatizantes do portal virtual, incluindo um analista do serviço de inteligência do Exército dos Estados Unidos, suspeito de ter feito a entrega de dados sigilosos ao site e também de uma parlamentar islandesa de alto escalão.
A intimação foi revelada graças a uma ação legal do Twitter, informou o WikiLeaks. O Twitter recusou-se a comentar essa afirmação, dizendo apenas que a sua política é a de notificar os seus usuários, sempre que possível, de pedidos de informação do governo.

Entre os investigados estão o fundador do Wikileaks Julian Assange e a deputada Birgitta Jónsdóttir da Islândia. Os Estados Unidos estudam ainda, entrar, com um processo contra Julian Assange, devido ao vazamento e divulgação de 250 mil documentos diplomáticos considerados secretos.
Acredita-se que o Departamento de Justiça americano pode indiciá-lo por acusações de conspiração para roubar documentos ao lado do militar Bradley Manning, um analista de inteligência do Exército americano.
Manning vai ser julgado por uma Corte Marcial americana e pode ser condenado até 52 anos de prisão, por supostamente ter enviado documentos diplomáticos americanos ao WikiLeaks, além de relatos militares de incidentes no Afeganistão e no Iraque e de um vídeo militar confidencial.

Segundo o documento emitido pelo Tribunal de Virginia, em 14 de dezembro passado, a Promotoria-Geral americana teria apresentado indícios de que as informações sob posse do Twitter são "relevantes e importantes para uma investigação criminal em andamento".
Além dos já citados, a liminar exige informações sobre o hacker holandês Rop Gonggrijp e o programador americano Jacob Appelbaum, que já colaboraram com o Wikileaks. Entre os dados pedidos estão endereços de email, detalhes de pagamento e conexões, além de horários de utilização, endereços IP usados para acessar o Twitter.

Julian Assange criticou a decisão, classificando-a de assédio. "Se o governo do Irã tentasse obter essa informação coercitivamente de jornalistas ou ativistas de países estrangeiros, grupos de direitos humanos de todo o mundo se pronunciariam", disse Assange, segundo quem, a liminar só veio à tona "graças a ação legal do Twitter". Por sua vez, o site americano não confirmou nem desmentiu a informação.

No Brasil, em entrevista publicada em um site brasileiro, o desembargador Fernando Foch de Lemos Arigony da Silva, do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, disse que, "Se o Estado quer sigilo, que trate de guardá-lo". Na opinião de Fernando Foch, se o jornalista tem acesso à informação, ainda que esteja sob sigilo, ele pode e deve publicá-la. "Uma das funções do jornalista é publicar o que ainda não foi publicado ou que não deve nem querem que seja publicado. Quem quiser que guarde as suas informações, pois o jornalista está atrás delas. Ele tem que estar, a sociedade precisa que ele esteja", enfatizou o desembargador.

O Wikileaks é um site jornalístico, o seu responsável, Julian Assange, é jornalista, e os Estados Unidos da América se dizem defensores e guardiões das liberdades fundamentais pregadas pela democracia e do pleno estado de direito. Além disso, o direito universal de preservar suas fontes de informações são conquistas consolidadas e intocáveis do jornalista.

ANTONIO CARLOS LACERDA é Correspondente Internacional do PRAVDA.RU no Brasil. E-mail:- jornalistadobrasil@hotmail.com

fonte: pravda.ru

Seja o primeiro a comentar!

Postar um comentário

Não serão aceitos comentários Anônimos (as)
Comentar somente sobre o assunto
Não faça publicidade (Spam)
Respeitar as opiniões
Palavras de baixo calão nem pense
Comentários sem Perfil não será publicado
Quer Parceria não será por aqui.(Contato no Blog)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Link - me



Software do Dia: Completo e Grátis

Giveaway of the Day

Suas Férias

PageRank

  ©LAMBARITÁLIA - Todos os direitos reservados.

Template by Dicas Blogger | Topo